Destaques

quinta-feira, abril 05, 2012

Último a sair, apague a luz

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Por Luciana Nepomuceno

Lanterna. E naquela situação que só quem gosta é narrador e comentarista da Globo, com ênfase no Galvão: “se ganhar por um gol e tiver empate no outro jogo”, “se a bolsa de Tóquio oscilar e o Ronaldinho marcar de calcanhar”, “se fizer um gol no primeiro tempo e no outro jogo o juiz começar a brincar de amarelinha”. E, claro, alguém faz um gol aos 3 minutos de jogo e as contas todas recomeçam.

Flamengo jogou (jogou?) ontem com o Emelec em Guayaquil, e perdeu para o time equatoriano que, com toda gentileza, pode ser considerado limitado. O Mengo conseguiu o feito de ficar em vantagem duas vezes e terminar o jogo com derrota. O placar final foi bem mais do que um 2X3 dolorido. Foi a certeza de que a impressão de que pode haver uma luz no fim do túnel pode ser trocada pela absoluta convicção que isso não é um túnel, mas um poço.

O Flamengo tem camisa, tem preparo e tem jogadores que podiam ter vencido o jogo. Mas não tem comando, norte, padrão de jogo nem vontade de ganhar. Tem só aquele vergonhoso ímpeto de recuar sempre que obtém uma pequena vantagem. Displicência. É só ver o primeiro gol do Emelec. Sete jogadores do Flamengo dentro da pequena área marcando... absolutamente ninguém. É só ver os lampejos do Ronaldinho que continuam me convencendo que, se houvesse vontade... mas não há. Nem dele nem do comando do time e do clube de colocar alguma ordem no pagode. E os torcedores tolos, que nem eu, que dancem.

Eu não tenho nada contra perder jogos. Acontece. Quem está na chuva é pra se molhar e, por vezes, o time adversário apresenta competência tática ou primor técnico ou mesmo aquele sangue no olho que a gente adivinha: ops, hoje não vai rolar. Mas há derrotas que são amargas não apenas por elas mesmas e sim pelo que representam. A derrota de ontem foi uma delas. O Flamengo está perdido. Não sabe lidar com seu medalhão, não sabe tratar seus jogadores novos. O Joel já saiu em defesa de si mesmo culpando Luxemburgo e os novatos. Como se Muralha, Diego Maurício, Negueba não fossem o que de último suspiro nos restasse. A diretoria está perdida, na janela, vendo a banda passar. Não se trata de pedir a cabeça (oi?) do técnico, mas de reconhecer: não há time. O Flamengo, hoje, não tem perspectiva maior que buscar classificação para a final da Taça Rio e, aí, quem sabe, pensar em disputar o Campeonato Carioca. Eu até gosto dos estaduais, mas é pouco, muito pouco. Uma mentalidade decadente, autorreferente e mesquinha. Só isso explica a covardia de colocar o time todo na retranca jogando contra, sem querer ofender, o fraquíssimo Emelec. E não é arrogância, é só pensar: o Emelec tinha feito apenas um gol em quatro jogos. Eu disse UM. Pois é. As mudanças no Flamengo chamaram o Emelec pra dança. Joel colocou um zagueiro no lugar de um atacante – isso aí, bora recuar – em uma formação que não foi treinada nenhuma vez na semana. Ne-nhu-ma-zi-nha. Nem de brincadeira. O que esperar? O que aconteceu: o Emelec deitou e rolou, sambou na cara dos rubro-negros a quem só resta balançar a cabeça inchada e resmungar: até quando, papai Joel?


Confesso que tristeza em mim é mato

Luciana Nepomuceno, flamenguista, é dessas. Dessas que reescrevem tudo, que gostam de ficar na rua vendo a lua virar sol, que riem alto, que borram o batom e que se exaltam. Tem o hábito de ser feliz. Se espalha em alguns blogs, quase sempre no Borboletas nos Olhos

4 comentários:

Nicolau disse...

O fecho com samba do Wilson Batista matou a pau. Será que o Vagner Love não quer jogar no Corinthians? A gente troca no Elton, hehe.

Unknown disse...

De verdade, entendo quando um craque tem privilégios, e acho que muitos outros jogadores têm essa capacidade de entender. Um craque valoriza o trabalho dos seus companheiros e se eles tiverem dois neurônios vão ter mais gratidão que ciúme ou inveja.

Bom, mas esse não é o caso do Ronaldinho Gaúcho. Vi a partida do Flamengo na semana passada e, como torcedor, ficaria muito desgostoso de ter um jogador assim no meu time. Sim, há os lampejos, mas eles são cada vez mais raros e a sua presença, aliada aos privilégios que tem, não faz bem ao elenco, pelo que se pode perceber. Não tão da mesma forma, era o que já havia começado a acontecer com Ronaldo no Corinthians: o ônus superava o bônus.

E o Flamengo correr o risco de desperdiçar uns moleques bons de bola com uma pressão injusta sobre eles.

Luciana Nepomuceno disse...

Nicolau, é feio desejar o mau alheio. Quer tirar o pouco que me resta?

Glauco, não tenho como contestar ou divergir,nunca gostei de "jogadores consagrados" no meu time (mas sempre gostei de craques), apesar das contribuições que você assinala, muitas vezes a tendência é inibir o desenvolvimento da molecada.

João Quirino disse...

Pelo menos, o Flamengo está trazendo o Adriano. Agora vaaaai!