Destaques

sábado, junho 21, 2008

Tamanho da crise e a oposição: tem ainda o jogo com o Vasco

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Um dos mais extensos títulos da história é só pra lembrar do pé do post, que fala sobre bola rolando. Mas antes, a crise.

O Observatório Verde fez a compilação do caso do atraso dos salários dos jogadores palmeirenses. Reclamam do excesso de ênfase que o tema ganhou na imprensa e dizem que não é chato, mas não tão grave.

É grave, claro. É errada e fórmula do fracasso essa história de não pagar salário.

(Parênteses: em 2007, o Palmeiras atrasou salários, o que gerou um clima péssimo com os jogadores e a saída de Paulo Baier. Há males que vem para bem, mas atualmente não vejo ninguém pra mandar embora do elenco desse jeito.)

Toninho cecílio, ex-zagueiro e gerente de futebol do clube prometeu pagar até terça-feira. Ou sexta.

Élder Granja, lateral direito, deu uma declaração curiosa: "(...) no futebol atrasar dez dias não é atraso. É normal." Não se sabe se é pra fazer média com o patrão ou se é um arroubo de sinceridade. Não duvido de um saudável misto das duas coisas.

Mas junto da saída do diretor de Marketing, Carlos Augusto Mira, começa a dar a impressão de que tem mais oposição nessa história de crise.

As acusações de Mira são graves. Ele diz que alguns diretores receberiam comissão em negociações de patrocínio e que cláusulas de confidencialidade em contratos do clube não ajudam. Como o clube não é público (longe disso), não há nada tão errado no sigilo, embora ele não seja desejável.

Acusações contra o ex-presidente do clube nunca faltaram.

Serafim Del Grande, presidente do Conselho, disse que não aceita a demissão e que já abriu sindicância para apurar as denúncias.

Há quem defenda a tese de que, quando não se quer descobrir nada, é só criar uma comissão para se encarregar do enterro. Sei lá se é o caso.

Desde que não haja risco de Mustafá Contoursi voltar, que se apure tudo. Se houver o risco, que se apure também outras gestões. E até o contrato com a Antártica.

Tudo bem, eu exagerei.

Jogo
Construída de fora para dentro ou da oposição para a imprensa, é no meio dessa onda que o time vai a São Januário. Entra com Diego Souza como titular, mostrando que Luxemburgo, leitor do Futepoca, sentiu o peso das críticas à formação com três volantes. É verdade que ajuda, na decisão, o fato de Léo Lima não ter recuperado o bom futebol depois da contusão do final do paulista e de Diego ter jogado bola na vitória imponente sobre o Cruzeiro.

É bem complicado tentar a primeira vitória como visitante no campeonato contra o Vasco.

Cadê a bola? Cadê, cadê?

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

"Exuberante o futebol/Da Portuguesa faça chuva ou faça sol". Cantarolava os lindos versos do hino da Portuguesa Santista, a mais Briosa de Ulrico Mursa, no fim do expediente da sexta-feira. Ao ouvir o trecho da música, Carminha, a Eminência Parda deste blogue, riu e fez cara de descrédito em relação à existência de tais palavras concatenadas de forma poética, engendradas em uma melodia cativante.

Para provar a existência dos versos, procurei na internet o hino. Achei o sensacional site Hinos de Futebol Podcasts e lá estava o hino da Briosa. Obviamente, é inevitável continuar a fuçar mais canções brilhantes dos times de futebol, como o conterrâneo da Lusinha, o Jabaquara, que tem em seus versos um dos piores cacófatos da história dos hinos: "Jabuca, Jabuca goooool".

Há outras pérolas da poesia nacional, como se vê no hino do São Bento, "Gol sorocabano, vai ganhando Azulão.../Gente de tutano tricotando o balão...". E quem quiser pode escutar o pra lá de animado hino do Taquaritinga, o portentoso CAT do Marcão, que tem versos como "Com as palavras se escreve sua história/ E com jogos muitas glórias/Que alegraram a multidão". O conceito de "multidão" na letra certamente é bastante elástico.

Mas uma indicação do Olavo mostrou aquele que deve ser o hino mais sensacional do futebol brasileiro. Trata-se da música que saúda o Goiânia Esporte Clube. O áudio evidencia o cuidado com o arranjo, um galo que carcareja de quando em quando na gravação, o órgão que fica entre a música de igreja e a Jovem Guarda, e o refrão que tem um tom quase de anúncio publicitário. A letra abaixo demonstra o primor e originalidade:


O galo carijó é professor.
O galo carijó é brigador.
O galo quando entra no rebolo
pega a bola, faz o gol, esconde a bola e ninguém vê

Cadê a bola?, cadê cadê?
Goiânia Esporte Clube futebol é com você!
Com você!!

Cadê a bola?, cadê cadê?
Goiânia Esporte Clube futebol é com você!
Com você!!Com você!!


Vale a pena ouvir aqui, é comovente... Se você tiver um hino pra indicar, fique à vontade, leitor.

sexta-feira, junho 20, 2008

Sangue esguichou durante Brasil x Paraguai!

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Domingão, cinco e meia da tarde, e nada pra fazer num pacato bairro de Jundiaí, no interior paulista. E lá estava o aposentado, de 65 anos, esticadão no sofá, apreciando o Paraguai vencer a seleção brasileira (foto ao lado). Foi então que sua esposa, uma costureira de 71 anos, surgiu apavorada na sala. O motivo: estava jorrando sangue do chão do banheiro! Nesse momento, começaram a brotar poças de sangue no chão da cozinha e da própria sala. Os jatos atingiam cerca de 20 centímetros. "-Era tão alto que você podia pegar o sangue com um copo", disse uma vizinha, a quem a dona da casa ligou logo após o estranho fenômeno. Quando a vizinha chegou, notou o líquido vermelho também dentro de um quarto que, até então, estava trancado. O sangue só não apareceu no cômodo dos fundos. Depois de limparem a sujeira com água quente e álcool até o início da madrugada, a vizinha voltou para sua casa. Cinco minutos depois, o sangue começou a esguichar novamente, das paredes e batentes das portas. Um laudo do Instituto de Criminalística confirmou que tratava-se, de fato, de sangue humano! Pior: como esse é o país da piada pronta, o fato inexplicável ocorreu em uma casa (foto à direita) da rua Antônio Bizarro - é sério: o nome é esse mesmo! Teria sido esse estranho acontecimento, bem na hora em que o Paraguai nos vencia, um aviso divino (ou diabólico) ao Dunga?!??

Selecinha em quinto nas eliminatórias

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Com a vitória ontem do Chile por 3 a 2 contra a Venezuela, o Brasil caiu para o quinto lugar nas eliminatórias sul-americanas. Hoje, teria de disputar a vaga numa repescagem contra alguma seleção da Oceania.

Na realidade, isso não quer dizer nada porque estamos apenas no primeiro terço dos 18 jogos das eliminatórias e ainda teremos pela frente times como Peru e Bolívia para somar pontos, já que estão nas últimas posições.

Mais que isso, o importante é que o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, começou a fritar o anão que dirige a selecinha.

Segundo matéria da Folha Press, publicada hoje, fez acordo com Ronaldinho Gaúcho e impôs a Dunga a convocação do meia para os Jogos Olímpicos entre os jogadores acima de 23 anos.

Quem se lembra de como Teixeira costuma atuar, tem certeza de que Dunga está na marca do pênalti. Se não ganhar o título...

Após o jogo contra a Argentina, este escrevinhador de bobagens fez uma quadrinha em homenagem ao anão e à selecinha. Está lançado o desafio, quem quiser, complete...

A música é a de: Teresinha de Jesus...

Homenagem à selecinha

Selecinha, do anão
Tem dois jogos, faz gol não.

Argentina, Paraguai
Mesmo assim, Dunga não cai.

O Ricardo Teixeirão
diz que a culpa é dele não.

Se na China não ganhar
De técnico, o Brasil vai trocar

Luxemburgo, Felipão
nenhum deles num vem não

Pros Bambi vai sobrar
Sem o Muricy, eles vão ficar

quinta-feira, junho 19, 2008

Carrasco brasileiro pode ir para o Manchester United

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Mesmo eleito o melhor jogador da América do Sul em 2007, o paraguaio Salvador Cabañas, por conta de seu físico, digamos, peculiar, era motivo de troça até bem pouco tempo no Brasil. Mas depois de ser decisivo na eliminação de Flamengo e Santos na Libertadores e na derrota do Brasil para a seleção do Paraguai nas eliminatórias, os brasileiros que só olham pro umbigo e para a Europa começaram a vê-lo de forma diferente.

E parece que a Europa também começa a enxergar Cabañas. O jornal mexicano Milenio divulgou o interesse do campeão europeu, Manchester United, no futebol do paraguaio de 27 anos. Segundo o periódico, a proposta deve ser formalizada nos próximos dias para o América do México. O contrato do atleta vai até junho de 2009 e o time mexicano, caso não aceite negociá-lo, pode ficar sem qualquer dinheiro com sua saída.

A proposta do clube inglês para Cabañas envolveria um salário anual de dois milhões de euros por ano para o paraguaio. Se algum clube brasileiro quiser concorrer, já sabe quanto vai ter que desembolsar...

A cerveja japonesa para crianças

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Mais uma pauta soprada pela iminência ruiva.

A sensação do momento no Japão é a Kodomo no nomimono, ou "Cerveja da Garotada", numa tradução livre. A bebida não é alcoólica, mas imita o colarinho da cerveja, e está no mercado há dois anos.

Entendeu? Tem mais aqui

A bebida é vendida em pacotes de seis garrafas no padrão longneck (foto) e em latinhas de alumínio.

"Imagine esses produtos vendidos por aqui? Com tanta preocupação com 'as crianças' hoje em dia, duvido que a cerveja de mentirinha para crianças passaria do primeiro passo de qualquer empresa de bebidas", escreve Michael Keferl, autor do blogue criado por Akemi Kilian-Nakamura, CScout Japan.

Com ajuda do Google Translator, parece que a página da linha infantil de falsos gorós, Sanfaria diz o seguinte: "A mãe e o pai vão brindar? As crianças também participaram, por favor. Eu quero Children's, um brinde!" E mais adiante: "Na festa de aniversário, na festa da estação, na festa da cereja, em um churrasco ao ar livre (...) vamos brindar".

Keferl explica que há diferenças entre ocidentais e nipônicosque podem ser notadas "em pequenas coisas da vida" como esta. "O Japão é conhecido por sua cultura de grupos de bebida e isso, na verdade, é uma ótima forma de incluir as crianças em festas de família", contextualiza.

Você serviria a falsa cerveja para seu(sua) filho(a)?

"Os minutos corriam rapidamente, plagiando os companheiros de Bellini"

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Hoje faz 50 anos que o Brasil enfrentou o País de Gales pelas quartas-de-final da Copa do Mundo da Suécia, em jogo disputado no estádio Nya Ullevi, em Gotemburgo. Depois de passar facilmente pela União Soviética, considerada uma das favoritas ao título, a seleção canarinho não esperava enfrentar tanta dificuldade na primeira partida eliminatória: os galeses atuaram com dez na defesa, num ferrolho que os brasileiros precisaram martelar por 71 minutos até fazer o gol e garantir a vitória - e a classificação para a semifinal, contra a França - pelo magro placar de 1 a 0. O título do post, retirado da transmissão da Rádio Panamericana (que você pode ouvir abaixo), dá idéia do desespero: o time do Brasil correndo, o adversário retrancado e o tempo passando assustadoramente depressa.

"O jogo mais difícil foi contra o País de Gales", sentenciou o ex-volante Dino Sani ao Estadão na última sexta-feira. "Naquele tempo a gente não conhecia os jogadores como hoje", observou. A partida contra o País de Gales marcou a revelação de Pelé para o mundo. "Ninguém sabia direito quem era esse Pelé", frisou Dino Sani ao Estadão (na foto acima, o menino Pelé, de 17 anos, sendo seguro por um galês). "Quer dizer, se ele estava lá, é que era bom. Mas só quando começou a jogar é que vimos que iria longe. Mas ninguém imaginava que iria tão longe assim. Foi o maior de todos", frisou Dino Sani.

Na partida seguinte, contra a França, Pelé voltaria a brilhar, com três gols, e ainda marcaria mais dois na decisão. Confira, abaixo, trechos da narração da Rádio Panamericana, do confronto entre o Brasil e o País de Gales:



Se não abrir, clique aqui


Ficha técnica

Brasil 1 x 0 País de Gales

Data: 19/junho/1958
Local: Estádio Nya Ullevi, Gotemburgo
Árbitro: Hriedrich Speilt (Áustria)

Brasil: Gilmar; De Sordi, Bellini, Orlando e Nílton Santos; Zito e Didi; Garrincha, Mazola, Pelé e Zagallo; Técnico: Vicente Feola;

País de Gales: Kelsey; Williams, M. Charles; Hopkins, Sullivan, Bowen; Medwin, Hewitt, Webster, Allchurch, Jones. Técnico: Jimmy Murphy;

Gol: Pelé (71).

A "cerradinha" do País de Gales

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Parecia uma barbada. O Brasil tinha fechado a primeira fase com uma grande apresentação contra a União Soviética e o selecionado de País de Gales, dois dias antes, passara por uma partida desempate desgastante contra a Hungria. Além disso, o craque galês John Charles, atacante da Juventus de Turin e tido como um dos possíveis destaques da Copa, estava contundido e não jogaria.

Mas não foi bem assim. Segundo a Gazeta Esportiva Ilustrada, a equipe européia não passou mais do que 10 minutos do jogo com a posse de bola. Um esquema defensivo que lembrava as retrancas de times do interior paulista, que a publicação comparava à “cerrradinha”. Tal sistema foi celebrizado por Caetano de Domenico, ex-treinador do Palestra Itália, que nas décadas de 30 e 40 armava equipes com duas linhas de quatro praticamente nos arredores da área.


Vavá, contundido em função de uma pancada no tornozelo esquerdo, não entrou no jogo e cedeu lugar a Mazzola, que não atuou bem. Mesmo assim, chegou a fazer um gol de bicicleta, justamente anulado por impedimento. O goleiro Kelsey foi a figura da partida, com intervenções milagrosas. Mas a vitória brasileira viria em um lance de craque, o primeiro do Rei na Copa do Mundo.


O belo gol do santista, que controla a bola e finta espetacularmente M. Charles, chutando com precisão, é considerado por Pelé mesmo como o mais importante de sua carreira. "Ali tudo se fixou", conta em entrevista ao Estado. Perguntado como bolou o lance, respondeu: "Imaginei ali mesmo. Foi um meio-chapéu, um... Era a única forma de tirar o zagueiro da jogada.

Naquela quarta-de-final, a seleção alcançava uma marca até então inédita para qualquer time: passara quatro partidas sem ter a defesa vazada.

Os outros três


Das seleções que passaram por partidas desempate dois dias antes, nenhuma seguiu à frente. Com dois gols de Fontaine, a França superava a Irlanda do Norte por 4 a 0 e pela primeira vez ficava entre os quatro primeiros em um Mundial. Já os suecos venceram uma cansada União Soviética por dois a zero, tentos marcados no segundo tempo. A Alemanha conseguiu um gol aos 12 minutos de partida, resguardou-se durante os restantes 78 minutos e superou os iugoslavos por um a zero. A então campeã mundial seguia adiante.


video

Era Julio Baptista, o melhor em campo

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O Futepoca já xingou a Era Dunga, a Era Parreira e a Era Cafu.

Mas o título deste post não que colocar o melhor em campo no 0 a 0 entre Brasil e Argentina como vilão. Ele desarmou todos os cruzamentos de escanteios e faltas com bola alçada na área e puxou o jogo. Virou o camisa 8 da minha seleção, caso minha indicação como treinador da seleção seja escolhida entre os 180 milhões de postulantes ao lugar do técnico anão. Mas não é o 10.

Foto: CBFNews/Reprodução


Robinho esteve apagado. Diego só não está mais queimado com Dunga do que o técnico com a torcida. Depois de entrar no lugar do contundido Anderson, sempre girando para a esquerda para tentar sair da marcação, não saiu. Foi para o vestiário mais cedo para dar lugar a Daniel Alves, a alteração supersticiosa de Dunga.

Pior, o lateral improvisado na meia entrou melhor do que Diego. Puxou um contrataque e mostrou que deve ser o dono da camisa 2.

Adriano correu e trombou. Ótimo. Mas não chutou em gol. Os petardos de fora da área que já salvaram o Brasil não apareceram. Quando o Rei da Cocada Preta da Inter de Milão tentou tabelar com Robinho, criou-se uma chance de gol, mas não houve novas incursões.

A Argentina de Basile padece de um problema. Não consegue jogar contra o Brasil. Riquelme se acamaleona diante da camisa amarela.

As jogadas individuais de Messi foram a arma dos argentinos. Pelas minhas contas, só foi desarmado uma vez sem faltas no jogo, por Lucio. Quase marcou no final do jogo. Mas não resolveu.

Aliás, falando em talento individual, é curioso ouvir cronistas lamentando uma suposta "falta de craques" à disposição no Brasil como fomentadora da demanda pela prancheta. Antes, dizem, o Brasil resolvia no talento individual. Diante dessa escassez, prosseguem os desiludidos sem assunto, é preciso tática e jogadas ensaiadas.

O Brasil ensaiou, segundo Roberto Carlos, a linha burra de impedimento contra a França, e Henri eliminou a seleção da Copa (Lucio não foi informado do treinamento, é verdade).

Alguns jogadores não correspondem na seleção o que jogam nos clubes. É uma máxima do futebol sem grandes explicações.

Mas Robinho, Adriano e até Julio Baptista já resolveram partidas para a seleção canarinho. Diego já jogou bem. Kaká, contundido, e Ronaldinho Gaúcho estavam de fora dessa convocação.

Então, que papo é esse de falta de jogador bom?

Se eles existem ainda, bora ajudar o Dunga. Como você montaria sua seleção?

quarta-feira, junho 18, 2008

Dimenstein diz que "sindicato quer motel em escola"

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Sim, caro leitor do Futepoca. Ao ler este texto, você pode dizer que apelamos para o sensacionalismo. Mas não fomos nós, o título da coluna de Gilberto Dimenstein na Folha OnLine é "Sindicato quer motel em escola."

Ele se refere à greve dos professores da rede pública de ensino, que teve como estopim o Decreto 53037/08, publicado no dia 28 de maio no Diário Oficial do Estado que limita a transferência dos profissionais entre as escolas e prevê aplicação de provas de avaliação de desempenho aos professores temporários. Diz Dimenstein que "o sindicato dos professores de São Paulo decidiu decretar uma greve para evitar que se implementem medidas destinadas a reduzir a rotatividade dos docentes nas escolas públicas --uma das pragas, entre tantas, que explicam a péssima qualidade de ensino. É um caso explícito de greve contra o pobre."

Curioso. Ele fala de "greve contra pobre" como se uma categoria que tem piso de R$ 668 fosse composta por "ricos". E segue: "é impossível oferecer aos mais pobres boa educação com tanta rotatividade de professores e diretores. Tal rotatividade destruiria rapidamente até mesmo as empresas mais eficientes. Há casos, neste ano, de escolas que tiveram até cinco diretores."

A rotatividade é um fato. Quais as causas? São
múltiplas, e o decreto do governador não mexe com nenhuma. Ao contrário, mexe para pior, afinal, é sempre mais fácil lidar com os efeitos.
Faltam condições de trabalho, segurança, material, as salas são superlotadas... E o problema é ainda pior nas periferias, como mostra matéria que fiz com Brunna Rosa na revista Fórum. O dia-a-dia do educador paulista é refletido em uma pesquisa realizada em 2006 e publicada em 2007 pelo Sindicato dos Professores da Rede Pública do Estado de São Paulo (Apeoesp), em que, dos 684 professores entrevistados, 96% citaram agressão verbal como a forma de violência mais comum nas escolas. Já 88,5% presenciaram atos de vandalismo; 82% viram atos de agressão física e 76,4% casos de furto.

Na prática, o que Dimenstein e o governo do estado querem é apelar para a "vocação" do professor, o chamado "sacerdócio", que obrigaria os profissionais a suportar toda sorte de péssimas condições para permanecer em sala de aula e arriscar mesmo a sua integridade em troca de uma remuneração pífia.

Além disso, como lembra o presidente da Apeoesp, Carlos Ramiro de Castro, a aplicação de provas de avaliação a professores temporários, alguns nessa condição há mais de década por conta da escassez de concursos promovidos durante os últimos 15 anos, é simplesmente avalizar uma condição absolutamente irregular. São profissionais que estão em situação precária por conta da falta de vontade dos últimos governadores paulistas em efetivar professores.

Mas a comparação com motel, dada pela dita alta rotatividade dos profissionais de educação, além de ser expressão do mais puro mau gosto, é ofensiva. Mas tudo bem, pela ótica dele. Professor deve aturar ofensas, afinal, faz parte do "sacerdócio". Enquanto categorias como médicos reclamam, com razão, de falta de condições para trabalhar em hospitais da periferia de São Paulo, locais em que o governo só aparece em situações lamentáveis, os professores devem aguentar calados, sem pestanejar, e ainda serem acusados de querer transformar escolas em motéis. Depois a imprensa grande não quer ser chamada de preconceituosa...

Euro - prognósticos do Além-Mar

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Atendendo à sugestão do Fredi, vai aqui como post o comentário do assíduo leitor lusitano Ricardo sobre os prognósticos para a próxima fase da Euro (ainda sem a definição do segundo colocado do grupo 4).

Portugal X Alemanha
Um 4-4-2 clássico alemão contra um 4-3-3 orgânico português. A Alemanha, ao contrário de outras Alemanhas do passado, é deficiente em termos defensivos. Tem um excelente lateral (Lahm) que ataca como poucos, mas que abre muitas vezes o jogo atrás; do outro lado, Friedrich, é um jogador regular mas sem capacidade para enfrentar um Ronaldo numa tarde de inspiração. Os centrais, Metzelder e Mertesacker, são razoáveis. Depois uma linha de 4: Frings atrás, Fritz à direita e Schweinsteiger à esquerda; no centro, pensador de jogo, capitão e jogador de transições, Ballack. Na frente, um ataque poderoso: Podolski e Klose. É uma equipe que procura explorar os espaços adversários entre a linha de defesa e a linha dos médios, procura servir rapidamente ou o ala ou os avançados e é forte nas segundas bolas - com Ballack, vindo de trás, em plano de evidência.

Portugal joga com um quarteto defensivo de qualidade: um lateral mais ofensivo, Bosingwa, um mais de equilíbrios, Paulo Ferreira, e dois grandes centrais: Pepe e Ricardo Carvalho. No miolo, Petit assegura a primeira fase de construção e procura sempre bloquear o médio mais ofensivo adversário; como médio de transição, Moutinho, jogador de alta rotação, defende e ataca sempre com uma qualidade de passe e visão de jogo muito fortes; Deco é o pensador, um jogador que descobre espaços onde eles parecem não existir, com uma capacidade de guardar a bola, decidir os vários momentos do jogo e muito forte no último passe. Nas alas, Simão de um lado, mais vertical, dá mais consistência ao meio-campo no processo defensivo e, ofensivamente, é forte nos cruzamentos e remates, e Ronaldo, do outro, melhor jogador do mundo, desequilibrador, forte, veloz, bom cabeceador, bom rematador, capaz de decidir um jogo de um momento para o outro (por vezes desequilibra a equipe nas transições defensivas; é preciso algum cuidado por parte de Moutinho). Na frente, o elo mais fraco: Nuno Gomes, um avançado que faz mais assistências do que marca, posiciona-se bem, sabe tabelar com qualidade com os companheiros mas falta-lhe explosão e repentismo na hora de atirar para gol - no entanto, tem feito um bom Euro e deverá ser opção a titular.

Este jogo, na minha opinião, está mais dependente de... Scolari do que de outra coisa qualquer: espero que o seleccionador brasileiro não queira adaptar o nosso jogo ao dos alemães, mudando um elemento (Petit ou Moutinho) por Meira, um trinco (volante) mais defensivo que procurará colar-se a um dos avançados alemães para a Alemanha não aparecer na frente com igualdade numérica. Esta opção é errada, quanto a mim. Primeiro, porque faz abdicar a rotina excelente que o nosso meio-campo tem, partindo as duas linhas (defensiva e de meio) e a forma apoiada como sabemos jogar e é a nossa gênese e depois porque isso, mentalmente, daria aos alemães a ideia de que nos sujeitamos ao seu jogo, o que, olhando para a qualidade de uma e de outra equipe, é um erro crasso. Portugal é melhor, tem melhores jogadores e deve impor o seu jogo. Se o fizer, estará muito mais perto de estar nas meias-finais.
Prognóstico: Portugal ganha :)


Croácia X Turquia
Um jogo entre uma equipe muito bem orientada pelo mais novo treinador do Euro (Slaven Bilic, atenção a ele, muito promissor este homem), com jogadores com qualidade técnica acima da média. Na linha da frente, Modric, mas também Srna, Rakitic e Kranjcar, jovens e com muita vontade de vencer, contra outra que dá tudo em campo, menos virtuosa, mas muito agressiva na forma como encara os jogos. Parece-me que a capacidade desequilibradora dos croatas, aproveitando as debilidades dos turcos nas transições defensivas, poderá fazer a diferença.
Prognóstico: Croácia ganha.


Espanha X Itália
A Espanha, ao contrário da opinião generalizada, não me tem agradado. Funciona com um meio-campo preso de movimentos e algo descompensado - Senna no meio, Iniesta, mais interior, na direita, Silva, mais vertical, na esquerda, e Xavi procurando servir os dois grandes avançados: David Villa e Fernando Toores. O poder ofensivo destes dois é inquestionável, mas pergunto-me se o meio-campo espanhol saberá ter capacidade de movimentações para a teia que o meio-campo italiano geralmente monta. Duvido muito. A juntar isto, está uma defesa muito débil - na esquerda, o melhor até agora, Capdevila, na direita, um central que passou para defesa-direito, Ramos, e centrais que não se completam bem, Marchena e Puyol.

Na equipe italiana, haverá uma baixa de peso (Gattuso, responsável pela luta a meio-campo) e uma baixa FUNDAMENTAL (Andrea Pirlo, o cérebro da equipa), os dois suspensos para este jogo. Têm um dos melhores guarda-redes do mundo, se não é mesmo o melhor, Buffon; uma defesa experiente: na esquerda, Grosso, à direita, Zambrotta, um central veterano (Panucci) e Chiellini, mais novo e de qualidade. No meio, talvez Ambrosini substitua Gattuso, como médio de combate, e De Rossi apareça com Aquilani, compondo o trio de meio-campo. Depois, mais à frente, Perrota (ou Camoranesi) e Cassano no apoio ao avançado Luca Toni. É uma equipe experiente e vem de uma qualificação muito difícil. A Itália é a Itália e quando chega a esta fase eliminatória é uma equipe que sabe gerir muito bem os vários momentos do jogo e pode aproveitar, de forma eficaz, o fraco posicionamento defensivo da equipa espanhola.
Prognóstico: Itália ganha.


Holanda X Rússia ou Suécia
Como não se sabe qual das duas será a equipe que defrontará a Holanda, é melhor não fazer grandes análises. A Rússia precisa ganhar; a Suécia está confortavelmente a precisar de apenas um empate. Como se viu no jogo contra Espanha, a Suécia não tem problemas em entregar o jogo aos adversários e esperar por eles, para depois aproveitar alguns espaços. Nesse jogo, estiveram mal os suecos e mereceram perder no último minuto, mas é uma equipe difícil de bater. Se a Rússia aproveitar a qualidade dos seus jogadores e tiver paciência, poderá ganhar o jogo. Aposto na Rússia. E, caso passem, aposto na Holanda para ir às meias-finais.

Pé redondo na cozinha - E tudo acaba em pizza...

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

MARCOS XINEF*

São Bernardo do Campo, região do ABC paulista, 2007. Fui contratado por um restaurante típico - da velha rota do frango com polenta - para dar uma nova cara ao estabelecimento, com pratos internacionais e de alto padrão. Quando falamos nesse tipo de culinária, o forte são os pratos flambados, os molhos e frutos do mar flambados com vinho, conhaque e até pinga. Só que, pra variar, conforme foi se desenvolvendo o trabalho, as bebidas para cozinhar acabavam antes do prazo calculado.

Um dia, notei que o pizzaiolo não dava conta do movimento, mesmo com dois ajudantes. Conclusão: ele bebia mais que as minhas frigideiras. Só que, com o passar do tempo, a pizza dele só melhorava. Resolvi conviver com o problema. Hoje, ele continua entornando todas e fazendo a melhor pizza de São Bernardo. Mantenho ele no cargo por uma boa causa, em nome do bêbado que funciona bem. E até criei uma pizza em sua homenagem:

PIZZA DE CAMARÃO NA CACHAÇA AO CATUPIRY E MANJERICÃO

Compre a massa de pizza pronta no mercado. Em uma frigideira, coloque azeite, alho, tomate picado e manjericão. Refogue e acrescente 500 gramas de camarão sete barbas limpo. Cozinhe bem e flambe com 300 ml de cachaça. Cubra o disco da massa com o molho e coloque catupiry. Em forno pré-aquecido a 200 graus, asse por 20 minutos e sirva.


Importante: o pizzaiolo pode beber o quanto quiser no processo, desde que a pizza mantenha o padrão de qualidade. Até a próxima!



*Marcos Xinef é chef internacional de cozinha, gaúcho, torcedor fanático do Inter de Porto Alegre e socialista convicto. Regularmente, publica no Futepoca receitas que tenham bebidas alcóolicas entre seus ingredientes.

Boston campeão

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Não é futebol, nem política, nem cachaça, mas é esporte, e serve como base para uma série de reflexões.

Ontem o Boston Celtics venceu o Los Angeles Lakers por inapeláveis 131 a 92 no sexto jogo do playoff decisivo da NBA. Sagrou-se então campeão do basquete norte-americano, título que não celebrava há 22 anos. É a 17ª conquista do Celtics na NBA - o time se isola ainda mais como o principal vencedor da história da liga.

A vitória de ontem foi a com a maior margem da história da NBA em jogos que valeram o título. Antes, na quarta partida da série, o Celtics conseguiu virar o jogo após estar perdendo por 24 pontos de diferença - também um recorde histórico, sendo a maior virada já registrada num playoff decisivo. E o título do Celtics também se destaca por ser a primeira vez, desde 1977, que um time sagra-se campeão sem nem ter chegado aos playoffs na temporada anterior.

Estranharam tantos números? Pois é. E esses foram só os que eu consegui guardar de cabeça. É impressionante a quantidade de estatísticas que existe em partidas como essa. Não sei se isso é um costume do basquete ou um hábito dos americanos - acredito mais nesta última hipótese. É uma realidade bem diferente do que ocorre no futebol brasileiro.

Outro aspecto interessante, este do ponto de vista cultural, é a maneira como o Celtics celebrou o título. O time não foi agraciado como "campeão dos EUA", "campeão nacional" ou coisa parecida; é "campeão do mundo" mesmo. Mostrou-se muitas vezes durante a transmissão as faixas comemorativas aos outros títulos do Celtics e nelas estava escrito "World Champions". No beisebol também isso se dá - as disputas decisivas são chamadas de "World Series", mesmo não tendo rigorosamente nenhum clube de fora das terras do Tio Sam envolvido. Assustador.


Também um ponto para reflexão, e nesse uso bem a postura de observador, por isso peço a opinião dos leitores para ver se estou certo ou errado: é impressão minha ou a NBA de hoje é bem mais fraca, em termos midiáticos, do que era antes? Eu "torço" para o Celtics, assim como a maioria dos garotos da minha geração escolheu um time da NBA para torcer quando criança. Me parece que hoje isso já não mais acontece. Não vejo os pequenos discutindo sobre Bulls, Lakers e Celtics, e sim sobre os Chelseas e Barcelonas da vida.

Enfim, parabéns ao Celtics. Como falei acima, sou "torcedor" do time - mas um torcedor bem de ocasião, daqueles dos mais fajutos, que não acompanha nada durante a temporada mas quer ter o prazer de celebrar um título na boa fase. E, pelo jeito, foi a única chance minha de gritar "é campeão" esse ano...

Quatro contra um

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Como hoje sir James Paul McCartney completa 66 anos, recupero uma historinha que envolve os Beatles - e cachaça, lógico. No início de 1974, Elis Regina e seu marido na ocasião, o pianista César Camargo Mariano, embarcaram para Los Angeles para gravar com o maestro Antonio Carlos Jobim o célebre álbum "Elis & Tom", relançado há alguns anos. Tom Jobim foi recebê-los no aeroporto e depois foram tomar uns uísques para "quebrar o gelo" entre os três, que não tinham qualquer intimidade até então. Mas César não gostou do papo inicial de Jobim, que gabava-se de ter duas músicas entre as 30 mais executadas no mundo, enquanto os Beatles tinham quatro (a maioria da dupla John Lennon/ Paul McCartney). Um dos trunfos de Tom Jobim era "Garota de Ipanema", composta em parceria com Vinicius de Moraes. César, irritado com a pavonice, tentou provocar: "-De qualquer forma, eles têm o dobro". Ao que, impávido, Jobim respondeu: "Mas aí é covardia! Eles são quatro, pô!", deixando claro que seu papo de bar era apenas bravata para descontrair. O que, de fato, aconteceu - basta ouvir seu primoroso disco com Elis para comprovar o resultado.

terça-feira, junho 17, 2008

Betão vai para a Ucrânia e Corinthians comemora 5%

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O zagueiro Betão, detestado por boa parte das torcidas de Corinthians e Santos, irá jogar no Dínamo de Kiev, da Ucrânia. A transferência renderá 2 milhões de euros aos cofres santistas ou 1,5 milhão de euros (R$ 3,74 milhões) mais o empréstimo do meia Michael por um ano. Vi a notícia no IG.

O Corinthians receberá 5% do valor da transação por ser o clube que revelou o zagueiro. O dinheiro foi comemorado pelo diretor técnico do Timão, Antônio Carlos Zago. “É importante para o clube qualquer dinheiro que entrar. Seria bom se entrasse esse dinheiro, pois nosso presidente está correndo atrás para pagar as dívidas que foram deixadas pela (diretoria) passada”, afirmou o dirigente.

Há algo curioso no episódio. O Corinthians, onde Betão foi revelado e jogou por 14 anos, o deixou sair sem contrato no início do ano, após uma frustrada tentativa de venda para o Sochaux, da França, por 1 milhão de euros.

Ou seja, o Peixe está ganhando dinheiro com um jogador totalmente formado pelo Corinthians, que a atual diretoria não conseguiu vender por metade do preço atual e que foi rifado após o rebaixamento. Convém lembrar aos corintianos ressentidos com o zagueiro que ele foi o único jogador a chorar após a fatídica partida contra o Grêmio, além de ser bem melhor zagueiro do que pintaram. Agora, o diretor que é ao menos em parte responsável pela tal rifa comemora 5% do valor da venda.

Isso acontece depois de o time vender parte dos direitos federativos de três jogadores (André Santos, Dentinho e Renato, zagueiro das categorias de base) para o grupo Sonda por 5,4 milhões de reais. Não perdeu os jogadores, mas ganhará menos em uma possível venda. Operação, mínimo, questionável.

Com uma diretoria dessas, vamos longe...

Há 16 anos...

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook



...o São Paulo ganhava seu primeiro título da Libertadores. A final foi contra o Newell's Old Boys. O primeiro jogo, fora, foi 1 a 0 para os argentinos. A volta, no Morumbi, terminou 1 a 0 também, mas para o São Paulo. Nos pênaltis, 3 a 2 para o Tricolor.

Se eu falar que eu lembro, estarei mentindo. Vendo o vídeo, pra relembrar como foi, o que mais me surpreendeu foi a invasão de campo da torcida. As arquibancadas ficaram quase vazias, foi um negócio espetacular. Eu queria invadir o campo assim algum dia. Mas acho que vou ficar só na vontade...

Euro - atualização

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

E hoje se definiu o destino do grupo da morte da Eurocopa. A Holanda, que já estava garantida como primeira do grupo, não teve dó e mesmo com os reservas, sapecou 2 a 0 na Romênia. Já no embate que valia, entre França e Itália, não houve revanche da final da Copa do Mundo. A Itália venceu - dessa vez sem pênaltis - e eliminou os azuis.

Agora, a Itália pega a Espanha, já definida como 1º lugar do grupo D, nas quartas. Já a Holanda espera de camarote o vencedor do jogo entre Rússia e Suécia. Aposto na Suécia. E depois na Holanda, claro.

Os outros confrontos das quartas-de-final já estão definidos. Portugal pega a Alemanha e a surpreendente Turquia (que eliminou a República Checa numa virada que valia um post se eu não estivesse no plantão) pega a Croácia.

Palpites para a próxima fase?

Do prazo de validade à violência nas ruas, por culpa do Lula.

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Parece um esporte, e a tendência é mundial

Depois da comentarista de política da CBN, Lucia Hippolito, até o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, aderiu à prática denominada de "A Culpa é do Lula". O Futepoca não promove esta campanha mas se diverte reunindo suas demonstrações.

Há duas semanas, atrasado para o trabalho, tomei o primeiro ônibus que passou para descer dali quatro paradas, tomar outro e tentar recuperar o tempo.

O veículo contava com transmissão da TVO, e não a Bus TV. É que esta, de nome gringo, tem som e apresenta uma seleção musical de adequação duvidosa para a realidade do coletivo – de Roupa Nova a Draft Punk, passando por Britney Spears, sem falar na trilha New Age do horóscopo. Tão eclética quanto essa escolha é a empresa que produz a TVO, encarregada das TVs Daslu e Pão de Açúcar, deixa tudo mais silencioso. Mas a gente já chega na "culpa do Lula".

Um dos programas do canal sem áudio, é o Super Consumidor (foto), que apresenta dicas imperdíveis. O tema do dia eram os prazos de validade e, pasmem, o alerta era para olhar o vencimentos dos produtos, principalmente os da promoção, às vezes passados ou próximos da data de expiração.

O impacto sobre os passageiros foi nulo.Pelo menos por cinco minutos, quando o coletivo empacou no trânsito da avenida Doutor Arnaldo, cem metros antes do ponto que eu aguardava.

Um cidadão, sentado ao lado do cobrador, começa a praguejar. Todos dão de ombros:

– Que trânsito, hein? (silêncio) E a gente ainda tem que ficar vendo isso que eles mostram... dica do consumidor, tá louco.

Na face do profissional, surgiram marcas de desespero, o que o levou a olhar fixamente para o congestionamento, confiante de que seria capaz de remover montanhas de automóveis de passeio com o poder da fé. Qual nada:

– Ficam aí falando pra olhar a data de validade. Quem não sabe? Mas, ó, também é um absurdo isso. Você paga não sei quantos bilhões de imposto e ainda tem que ver se a comida tá estragada. Isso era o governo que tinha que fiscalizar!

A indignação latejava no silêncio das massas sentadas que nem prestavam atenção, e eu, em pé, parecia ver o ponto cada vez mais distante.

– Mas é isso, o governo pega os impostos e não faz nada com eles, só mete a mão... esse Congresso... E esse aí [ao que tudo indica, o Lula], diz que tem 60% de popularidade. Não sei onde.

A partir daí, começaram as queixas ao presidente Lula, que promove "um governo que nem existe", que não aumenta o salário, que só aumenta a corrupção etc. E, desse conjunto todo, concluiu, "vem a bandidagem na rua que a gente vê".

Do prazo de validade à violência nas ruas, em cinco minutos, por culpa do Lula.

Muricy espeta Luxa e alerta Dunga: "estão de olho na sua vaga"

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O treinador sãopaulino Muricy Ramalho, gato escaldado nas águas ferventes das picuinhas e trairagens do futebol, avisou neste terça-feira o comandante da seleção brasileira que "muita gente está de olho nesta vaga". Ele declarou isso ao se solidarizar com Dunga. E emendou: "não sou desse tipo, que força a barra. Chego por méritos."

Embora não tenha dado nome aos bois, a "muita gente" que Muricy se referiu pode ser o hoje palmeirense Vanderlei Luxemburgo. Esse mesmo que diz ter sido procurado para dirigir a seleção do México, o Lyon e até mesmo Portugal, embora nada tenha vingado. Lobby mal feito ou imprensa dócil?

"O Luxemburgo tem esse sonho de voltar à seleção. Talvez seja pelo modo como saiu da outra vez. Agora, ele diz que se preparou para voltar, assim como fiz no São Paulo", comparou Muricy. Ele também fez questão de se diferenciar do "gênio". "Não sou assim. Sonho é uma coisa, loucura é outra. Não tenho essa loucura de dirigir a seleção e nem perco o sono com isso. Estou muito contente no São Paulo."

Simon eterno!

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Essa vai para os fãs do glorioso árbitro Simon (foto), direto da coluna "Análise", de Gabriel Rubinsteinn, no Lance! de hoje:

Que a arbitragem do Brasileirão não é das melhores, já não é novidade para ninguém. Mas Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS) exagerou. No jogo entre Fluminense e Santos, que acabou empatado, o árbitro deu o gol do Peixe, marcado por Tiago Luís, no último minuto, para Alan Carvalho, que defende o Tricolor carioca e sequer entrou em campo. Simon tem a opção de refazer a súmula da partida, mas, até o fechamento desta edição, isso ainda não havia acontecido.

Felipe nos defenda...

Alfio Basile "prestigiado" na Argentina

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

“Chega de Dunga Dunga”. É com essa manchete que jornal argentino Ole trata o duelo entre Brasil e Argentina amanhã, em Belo Horizonte. A referência é em relação às duas derrotas que o time de Alfio “Coco” Basile teve contra a seleção comandada por Dunga: dois 3 a 0, um em 2006 e outro mais dolorido, em 2007, na final da Copa América.

O periódico pergunta se Basile, quando vê o Brasil “chora” e responde: “não se sabe, mas se preocupa sim.” No entanto, prega a continuidade do trabalho do treinador, independentemente do resultado da partida, e faz uma diferenciação no modo de se encarar o trabalho dos comandantes de equipes aqui e na Argentina.“Se Dunga, que foi campeão na mesma Copa América, é tratado como burro e está na corda bamba... No Brasil são muito passionais e não têm a cultura de respeitar os contratos.”

As críticas ao treinador não são feitas por conta dos jogadores escolhidos, que o jornal afirma haver consenso por serem os melhores, mas sim pelo fato de não haver ainda um time. Observa a insistência de Basile em manter Riquelme, que o comandante diz ser “seu Maradona”, mesmo nos jogos em que vai mal. Também destaca o fato de, mesmo tendo atuado bem em algumas partidas, Messi nunca ter repetido na seleção o “nível estelar” apresentado no Barcelona, argumentação semelhante à usada por muitos no Brasil em relação a Ronaldinho Gaúcho.

Mesmo assim, o Ole assume que prega a permanência de “Coco”, citando a cultura brasileira de demitir técnicos. “O ciclo tem 22 meses e salvo contra a França, em París, as outras três partidas “classe A” terminaram mal: Espanha e duas com o... Brasil! Ao contrário do que acontece no Brasil (o São Paulo foi campeão da Libertadores em 2005 com três técnicos diferentes), aqui respeitamos os ciclos: Basile deve seguir, aconteça o que acontecer, mas também é preciso refletir porque é tão difícil dar forma a uma grande equipe.”

segunda-feira, junho 16, 2008

Fica, Dunga. Galinho 1, selecinha reserva 0!

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Parece piada, mas o time sub-20 do Galo ganhou da seleção reserva do Brasil em treinamento na Cidade do Galo, nesta segunda.

Foi 1 a 0, gol do zagueiro Leandro Falcão, pegando o rebote de uma cobrança de escanteio.

Fico devendo a escalação do Galinho, mas a seleção jogou com:

DONI
DANIEL ALVES
THIAGO SILVA
LUISÃO
KLEBER

ERNANES
ANDERSON
ELANO
J. BAPTISTA

PATO
ADRIANO


Time que qualquer um aqui gostaria de ver com a camisa da equipe para que torce.

Mas parece que o Dunga continua um Midas ao contrário.

Só de farra, na comunidade do Galo no orkut estavam sugerindo pôr o Galinho com a camisa da seleção contra a Argentina. Taí...

Dunga empata com Luxemburgo

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook


Matéria publicada no portal Uol lembrou uma coincidência interessante: a campanha do Brasil até agora nas eliminatórias para a Copa de 2010 se equivale à feita por Vanderlei Luxemburgo nos jogos classificatórios para 2002.

A ordem dos jogos foi exatamente a mesma, com os mesmos mandos. Nas partidas disputadas em 2000, a seleção obteve os seguintes resultados:

Colômbia 0 X 0 Brasil
Brasil 3 X 2 Equador
Peru 0 X 1 Brasil
Brasil 1 X 1 Uruguai
Paraguai 2 X 1 Brasil

Já na Era Dunga:

Colômbia 0 X 0 Brasil
Brasil 5 X 0 Equador
Peru 1 X 1 Brasil
Brasil 2 X 1 Uruguai
Paraguai 2 X 0 Brasil

O aproveitamento dos dois é o mesmo, oito pontos em 15 disputados. No "desempate", Dunga vence o "gênio" no saldo de gols: a equipe de Luxa fez seis gols e tomou cinco. Já a atual equipe marcou oito e sofreu quatro. E se ontem o Brasil entrou com três volantes, em 2000 não foi diferente. O time era Dida; Cafu, Edmílson, Roque Júnior e Roberto Carlos; César Sampaio, Flávio Conceição, Zé Roberto (Vampeta) e Rivaldo; Djalminha (Marques) e França (Guilherme). Lembremos que Zé Roberto jogava como segundo volante, e depois foi substituído por Vampeta.

Na partida seguinte à derrota para o Paraguai, o Brasil de Luxemburgo derrotou a Argentina por 3 a 1, talvez a única apresentação decente da seleção sob seu comando contra um adversário de nível, já que o Brasil sapecou potências como Tailândia, País de Gales, Nova Zelândia e Arábia Saudita. Luxa acabou caindo após a derrota nas Olimpíadas, sendo substituído pelo interino Candinho.

Já Dunga tem a chance de se recuperar contra um adversário que tem lhe dado sorte. Em 2006, conseguiu sua primeira vitória à frente do Brasil com um 3 a 0, e conquistou seu primeiro título oficial, na Copa América do ano passado, com outro 3 a 0 sobre os portenhos. Os argentinos continuarão salvando o ex-volante?

PS: se for pra tirar o Dunga, que não me tragam o Luxemburgo.

Audácia?

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Paulo Maluf, o mito, estará hoje na Saraiva Megastore do Shopping Pátio Paulista, em São Paulo, para lançar e autografar o livro "Ele - Maluf, Trajetoria da Audácia" (Ediouro). A colega jornalista Liora Mindrisz, em seu blogue Labirinto Cultural, foi mordaz: "Audácia, do dicionário Michaelis: 1. Impulso da alma para atos difíceis ou perigosos. 2. Arrojo, atrevimento, denodo, ousadia, valor. 3. Insolência, petulância. Procurei 'cara de pau', mas não encontrei. Enfim...".

O livro foi escrito pelo jornalista Tão Gomes Pinto, a partir de depoimentos. Diz o release da editora: "Paulo Maluf é certamente uma das figuras políticas mais notórias, polêmicas e controvertidas. Seu estilo voluntarioso e freqüentemente arrogante, somado a uma enorme antipatia que angariou junto à intelligentsia tupiniquim por ter sido um legítimo 'filhote da ditadura' – sem mencionar as acusações que lhe são feitas de malversação de recursos públicos –, tudo isso transformou o atual deputado federal mais votado no país em alvo permanente da imprensa falada e escrita. 'Cansado de só apanhar', como ele mesmo diz, Maluf resolveu contar em livro sua versão sobre as questões controvertidas em que se envolveu, bem como tudo aquilo que se orgulha de ter realizado."

Quem tiver estômago ou simplesmente mais nada de útil para fazer na vida, o endereço do Shopping Pátio Paulista é: avenida Treze de Maio, 1.947, Bela Vista (será que a Hebe Camargo vai?). O circo, perdão, o evento começa às 19h. Mas cabe sugerir aqui, para quem quer ler alguma coisa sobre Paulo Maluf, um outro título, "Por trás da máscara" (Editora Publisher), de Renato Rovai e Norian Segato. Trata-se do livro que antecipou o escândalo dos precatórios e revelou, no final do mandato de Maluf à frente da Prefeitura de São Paulo, em 1997, que a gestão estava condenada pelo endividamento. Boa leitura.

Para Lucia Hippolito, derrota do Brasil é "mal" feito por Lula ao país

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

E não é que acharam a culpa do Lula?

A versão é da comentarista política Lucia Hippólito. Na manhã desta segunda-feira, ela começou sua fala criticando o técnico Dunga. Pior, estabeleceu um paralelo entre o treinador da seleção e o presidente Lula.

"Que mico, que timinho, que nervoso que dava!", esbravejou. "Sair da sala e deixar a TV".

Foto: Marcello Casal Jr./ABr

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o técnico da seleção brasileira,
Dunga, seguram taça na cerimônia que confirma o Brasil como sede da
Copa do Mundo de 2014, em outubro de 2007


De tanta raiva, ela afirmou:

"Uma das coisas que talvez o presidente Lula tenha feito mal para o país, porque as pessoas acham que podem, de repente, se candidatar presidência da República sem nunca ter feito nada. Olhe o Dunga, nunca foi técnico nem do time da esquina da rua dele. Agora já virou técnico da seleção brasileira e acha que sabe tudo. Olhe a ministra Dilma [Roussef], nunca administrou nada a não ser a Casa Civil, com esses problemas todos que ela está tendo, já acha que pode ser presidente da República. Dureza, hein?"
A título de curiosidade, o Dunga foi apontado pela Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol (IFFHS) como o melhor técnico do mundo em 2007. E olha que o Futepoca foi precursor da campanha Fora Dunga!, estabelecida no momento de sua nomeação.

Já o da ministra Dilma Roussef tem, em seu currículo, a pasta das Minas e Energia entre 2003 e junho de 2005, Secretária da Fazenda de Porto Alegre (1986-1988), presidência da Fundação de Economia e Estatística do Estado do Rio Grande do Sul (1991-1993) e Secretária de Estado de Energia, Minas e Comunicações daquele Estado (1993-1994 e 1999-2002).

O áudio na CBN está aqui, mas você pode ouvir abaixo.





Áudio substituído às 16h05

Figuraça

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O programa "Bola na rede" de ontem, da RedeTV, contou com a participação do folclórico volante Amaral (foto), ex-Palmeiras, Corinthians, Vasco e dezenas de clubes, recém-desligado do Barueri. Em companhia do também veterano Marcelinho Carioca, o atleta, ex-coveiro, já começou dizendo que quer montar uma funerária chamada Pé de Anjo. Depois, o apresentador Fernando Vanucci relembrou diversas situações impagáveis de sua carreira. Amaral confirmou que, viajando com a seleção pela África do Sul, foi questionado sobre o apartheid e respondeu que precisava se informar com o "professor" Zagallo sobre a melhor forma de marcar "esse jogador".

Contratado pelo Benfica, de Portugal, o volante foi pedir um durex para uma secretária do clube. Ouviu um monte de palavrões: durex, lá, é camisinha. Em 1996, no Palmeiras dos 100 gols, Vanderlei Luxemburgo pensou em fazer propaganda do time em um outdoor no Parque Antártica. "-O que você acha, Amaral?", perguntou o técnico. "-Acho muito bom, o estádio tá precisando disso". Desconfiado, Luxemburgo perguntou se Amaral sabia o que era outdoor. "-Claro que sei, professor. É cachorro-quente!".

Mas a melhor história também envolveu Luxemburgo. "-O Palmeiras foi jogar em Recife e, no caminho do aeroporto para o hotel, vi um tal de Forró do Gérson. À noite, depois de vencer o jogo, pedi para o professor para a gente dar uma saída, se divertir. Ele concordou. Chamamos cinco táxis e fomos para a praia de Boa Viagem, onde eu tinha visto o tal forró. Chegando lá, era uma casa de acabamento, tava escrito 'Forro e Gesso'! Deu 50 reais a corrida de cada táxi, os companheiros fizeram eu pagar tudo!", diverte-se Amaral.

Sobre a final do Campeonato Paulista de 1995, o volante revelou que Carlos Alberto Silva, seu treinador no Palmeiras, pediu para que ele jogasse sal grosso no Marcelinho Carioca assim que entrasse em campo. Gargalhando, o Pé-de-Anjo confirmou: "-Vi o Amaral com aquele negócio branco na mão e não entendi nada". Mas o tiro saiu pela culatra: "-Joguei o sal e pegou no pé direito dele. O mesmo que faria o gol na falta que deu a vitória para o Corinthians", lamentou Amaral, entre risos.

domingo, junho 15, 2008

A seleção de "totó" de Dunga

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Para quem já viu o time perder para a Venezuela, nada a estrannhar perder para o Paraguai nas eliminatórias.

Mas o mais irritante da seleção do anão Dunga foi não ter feito nenhuma conclusão a gol com um jogador a mais em praticamente todo o segundo tempo.

Todas as jogadas eram linhas de passe no meio de campo que acabavam num dos laterais para eles cruzarem na cabeça de algum zagueiro paraguaio.

O time estava tão parado, mais para jogadores de totó (pebolim) que para jogadores que ganham milões e usam a camisa de futebol mais famosa do mundo.

Acho que o erro na realidade era de esporte, com Adriano, Luis Fabiano e Júlio Batista, podíamos jogar basquete. Teríamos três pivôs com força embaixo da tabela, não três tanques que não fazem nada com ela nos pés.

Dá-lhe, Paraguai, que falsificada ontem foi a selecinha do Dunga.

Que a Argentina tenha piedade de nós na quarta-feira...

Não vou secar, porque a última vez que peguei no pé da selecinha do Anão, na Copa América, eles ganharam da Argentina de goleada...

De ressaca, Corinthians goleia Brasiliense

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Na Série B do Brasileirão, o Corinthians segue nadando de braçada. No sábado, bateu o Brasiliense por 4 a 1, no Pacaembu, com gols de William, Herrera, Chicão e André Santos. Adrianinho descontou para o Brasiliense no finalzinho.


Como o jogo não passou na TV aberta, não consegui assistir. Quem viu diz que o time estava visivelmente abatido, o que é natural depois da derrota de quarta-feira na Copa do Brasil. E mesmo abatido, enfiou quatro no pessoal do DF.


Os jogadores entraram em campo exibindo uma faixa com os dizeres “Obrigado, Fiel”, o que desfez qualquer clima de tensão entre time e torcida. Alguém na diretoria corintiana teve uma boa idéia.


Como resultado, o Timão continua com 100% de aproveitamento e abre sete pontos em relação aos vice-líderes Juventude e São Caetano. Falando no Azulão, dei uma sapeada na peleja do time do ABC contra o Bragantino. Não vi nada demais em nenhum dos dois times, que devem estar entre os mais perigosos da competição. O Azulão ganhou por 2 a 0. Tuta jogou bem, abrindo espaços, e deu até chapéu, quem diria. E tem um Rafinha, meia, que é habilidoso. O caminho para a Série A cada vez mais dá mostras de que será tranqüilo.


Reforço?


Falam por aí que o Corinthians procurou Renatinho, atacante revelado pelo Santos e que estaria tendo problemas para renovar seu contrato. Quando eu vi o garoto jogar, gostei bastante. Rápido, habilidoso, perigoso mesmo. Pode se ruma boa.


Antes disso, já pegamos o tal de Dênis do Peixe. O companheiro Glauco avalia o jogador de forma deveras negativa, para sermos econômicos. Confesso que não o vi jogar, mas o cara tá parado há não sei quantos meses por contusão. Será que vale o risco?


Dispensas


Após o fim da Copa do Brasil, o Corinthians sabe que só terá a Série B para disputar até o final do ano. Sendo assim, talvez seja o caso de dar uma reduzida no elenco, que ficou meio inchado com as contratações de batelada do início do ano. Minha lista de “dispensáveis” começaria com Marcel, Bóvio e Perdigão. Entre Finazzi e Lima, outros cotados para a rifa, talvez caiba avaliar se tem atacantes o bastante para dispensar os dois. Cristian Suarez manteria boas chances de pegar o caminho da roça, mas tb poderia ficar por falta de zagueiros. Entre os meias, o tal do Rafinha poderia ser emprestado para algum time médio para ver se vinga. O mesmo pode valer para Dinelson, que deve estar perto de sair do estaleiro.

Brasil, Garrincha e as partidas de desempate

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook



15 de junho de 1958. A terceira rodada da Copa do Mundo definiria os oito países classificados para as oitavas-de-final do torneio. O Brasil enfrentava a União Soviética e, em caso de vitória, asseguraria o primeiro lugar no grupo. O técnico Vicente Feola fazia, em relação à partida anterior contra a Inglaterra, três alterações: Vavá, que já havia entrado no jogo contra os ingleses no lugar o meia esquerda Dida, foi deslocado para o ataque, sua posição normal. Para a posição de Dida, Feola colocou o garoto Pelé. O ponta Joel também foi sacado para a entrada de Garrincha, enquanto Dino dava lugar a Zito.

A União Soviética, segundo a Gazeta Esportiva Ilustrada, tinha um esquema de jogo que se assemelhava mais ao sul-americano. O centro-médio soviético, ao contrário dos ingleses e da maioria dos europeus, apoiava o ataque, dando um caráter mais ofensivo ao time. Muito em função disso, o sistema vermelho “encaixou” com o jogo brasileiro, fazendo a seleção “levar de roldão” o adversário.

Os vinte primeiros minutos e os vinte finais foram de um domínio absoluto da seleção brasileira. Durante o resto do tempo, a União Soviética recuava a bola para Yashin (era permitido ao goleiro segurá-la com as mãos), tentando esfriar o ritmo da partida. As estocadas e dribles desconcertantes de Garrincha, que recebia passes longos e precisos de Didi, desnortearam a defesa soviética, como já dito aqui. Pelé e Vavá também protagonizaram lances vistosos, com tabelas curtas e rápidas como a que resultou no segundo gol brasileiro.

O final de 2 a 0, gols de Vavá, foi considerado injusto, dada a superioridade verde-e-amarela. Garrincha passou a ser chamado pelos suecos de “rei do dribbling” após a partida contra a União Soviética e o Gotemborg Handels estampou na capa: “Esse diabinho foi a alma danada dos russos”, referindo-se ao ponta. O primeiro lugar do grupo estava assegurado e o Brasil confirmava o favoritismo que muitos europeus atribuíam à seleção antes do início da Copa.

Partidas desempate

Na outra partida do grupo do Brasil, Áustria e Inglaterra empataram em 2 a 2. A regra dizia que, caso dois times empatassem em número de pontos, seria realizada uma partida desempate para ver quem avançaria à próxima fase. Foi o que aconteceu com Inglaterra (3 empates, 3 pontos) e União Soviética (1 vitória, que valia 2 pontos, um empate e uma derrota). Vitória dos soviéticos, 1 a 0 na peleja extra de 17 de junho.

No grupo I, a Alemanha Ocidental esteve duas vezes em desvantagem no placar, mas conseguiu empatar com a Irlanda do Norte, 2 a 2. Na outra partida, uma goleada daquelas da Tchecoslováquia sobre os hermanos argentinos: 6 a 1, a maior derrota portenha em Mundiais. Mesmo assim, os tchecos e os irlandeses terminaram empatados e tiveram que fazer mais um jogo: 1 a 1 no tempo normal e um solitário gol na prorrogação garantiu a surpreendente classificação da Irlanda do Norte como segunda colocada.

A Suécia, já classificada, jogou com cinco reservas para cumprir tabela contra o País de Gales no grupo II. O empate em 0 a 0 levou os galeses a disputarem o segundo lugar do grupo contra a Hungria, que vencera o México por 4 a 0. Na partida desempate, vitória de virada do time galês , 2 a 1. Pelo grupo III, a França derrotou a retrancada Escócia por 2 a 1, enquanto o Paraguai, em arbitragem tolerante com a violência da Iugoslávia, não passou de um empate em 3 a 3 com os europeus. A França terminou em primeiro e os iugoslavos em segundo.

"Os companheiros de Garrincha puseram os russos na roda, ao ritmo de samba"

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Muito já foi escrito sobre o jogo entre Brasil e a então existente União Soviética, na Copa de 1958. Naquele dia, nossa seleção entrou em campo com três novidades: Zito, Pelé e Garrincha. O placar de 2 a 0 pode parecer pouco para as novas gerações, mas, na ocasião, soou como uma tremenda goleada em cima do "futebol científico" que havia faturado a medalha de ouro nas Olimpíadas de Melbourne, na Austrália, dois anos antes. Ruy Castro conta, no livro "Estrela Solitária: Um brasileiro chamado Garrincha" (Companhia das Letras, 1995), que, pouco antes de os times entrarem em campo, o técnico Vicente Feola olhou para o meia Didi e falou: "-Toque todas as bolas para o Garrincha". E, virando-se para o ponta-direita: "-Tente descadeirá-los logo de saída". Assim que o juiz apitou o início da partida, segundo texto da época, aconteceu simplesmente o seguinte:

Vavá toca para Didi, que lança Garrincha. O lateral Kuznetsov corre. Mané ginga o corpo para a esquerda, mas sai pela direita. Kuznetsov desaba de traseiro no chão. A educada torcida sueca não sabe se ri ou se aplaude. Na dúvida, deixa o queixo cair. Sete segundos depois, Garrincha tem de novo Kuznetsov à sua frente. De novo, balança o corpo para direita e passa como uma flecha para a esquerda. Repentinamente, pisa na bola e estanca. O lateral soviético volta à carga. Leva outro drible. E mais outro. A torcida fica de pé, atônita. Mané invade a área perseguido por Kuznetsov, Voinov e Krijevski. Dribla os três. Pelé está livre na pequena área. Mas Garrincha, mesmo sem ângulo, dispara a bomba. A bola explode na trave direita de Yashin e se perde pela linha de fundo. Um minuto de jogo. O estádio inteiro ri e aplaude com entusiasmo. Garrincha volta para o meio de campo com seu trote desengonçado. A defesa brasileira intercepta o tiro de meta soviético e a bola vai aos pés de Mané. Que passa para Didi. Para Pelé. Para Garrincha. Para Pelé. Outra bomba estoura contra as traves de Yashin. Dois minutos de jogo. Garrincha está de novo com a bola. Corre em ziguezague. Finge que vai, e não vai; finge que vai, e vai. Os soviéticos vão ficando estendidos no chão. Um a um. Didi lança Vavá. Gol do Brasil. O relógio marca três minutos.

"Foram os três minutos mais fantásticos da história do futebol e a mais assombrosa aparição na ponta-direita desde Stanley Mathews", escreveu, deslumbrado, o jornalista francês Gabriel Hannot. Só por esses três minutos, esse jogo já merece ser imortalizado como um dos mais espantosos da história do futebol. Ouça trechos da narração da Rádio Panamericana, de São Paulo, na época:

Ouça trechos do jogo


Se não abrir, clique aqui.

Ficha técnica

Data: 15/Junho/1958
Local: Estádio Nya Ullevi, Gotemburgo
Público: 50.928
Árbitro: Maurice Frederic Guigue (França)

Brasil: Gilmar; De Sordi, Bellini, Orlando e Nílton Santos; Zito e Didi; Garrincha, Vavá, Pelé e Zagallo; Técnico: Vicente Feola;

URSS: Yashin; Kesarev, Kuznetsov, Voinov e Krijevski; Tsarev, A. Ivanov e V. Ivanov; Simonjan, Iljin e Netto; Técnico: Gavril Katchaline;

Gols: Vavá (3) e Vavá (66).