Destaques

sábado, julho 19, 2008

Cristiano Ronaldo é escravo no Manchester?

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O namorado da bela espanhola Nereida Gallardo é um português que trabalha na Inglaterra, na cidade de Manchester. Cristiano Ronaldo quer sair de seu emprego e migrar para a Espanha, mais precisamente em Madri, a serviço do time Real. Acontece, que o patrão desse gajo não quis deixar o sujeito ir embora. Tanto fez, que ele ficou. Está preso, por contrato, até 2012.

– Existe muito de escravidão moderna nas transferências e na compra de jogadores – bradou Joseph Blattler, presidente da Fifa, bem acomodado em seu escritório na Suíça.

Enquanto isso, a cidade de Manchester recebeu o rei do futebol, Pelé – que saia justa, entende? –, a quem se perguntou se concordava com Blatter:

– Você é um escravo se você trabalha sem contrato ou se você não é pago – disse o rei – Se há um contrato, então, como em qualquer outro emprego, você deve cumpri-lo. Acho que quando ele [Cristiano Ronaldo] terminar seu contrato ele então estará livre para ir para o clube que quiser. Se há um contrato, então, como em qualquer outro emprego, você deve cumpri-lo. Acho que quando ele terminar seu contrato ele então estará livre para ir para o clube que quiser.

Corroborou com a nota oficial do clube.

Cristiano Ronaldo se recupera de uma operação no pé. De muletas, não pôde alongar as férias com sua supra-citada namorada que, depois de curtir o descanso com anel no dedo ganho, saiu por aí sem anel, vide foto (foco só nos dedos!). Tudo bem, esse parágrafo era só pra confundir, por isso a foto pequena.

Quando a Lei Pelé foi aprovada, substituindo a Lei Zico, o debate esbarrava na liberdade para os jogadores. Ao se comemorar 10 anos da legislação, sancionada em março de 1998, os defensores diziam que representava a liberdade para os jogadores que não estariam mais presos aos clubes.

No Brasil, ficam vinculados a empresários. E a palavra "passe" continua a ser empregada por cartolas e jornalistas.

Para Pelé, que batizou a lei debatida e aprovada durante sua gestão no Ministério dos Esportes, escravidão, no futebol é estar preso ao clube, a quem está submetido completamente: é só o presidente querer e o jogador fica ou sai.

Curiosa situação. Em fevereiro, especulava-se em 44 milhões de libras (cerca de R$ 150 milhões) o salário do moço por seis anos.

Escravidão, não é. Um contrato ruim, talvez? Se isso for possível, com R$ 2 milhões por mês na conta.

2 comentários:

Gerson Sicca disse...

é por isso que o cara q trabalha com fofocas tem q ser boiola. Qual macho prestaria atenção no dedo?

Anselmo disse...

Caro Gerson, discordo radicalmente da sua análise.

Acredito que o jornalista ou fotógrafo que percebeu que ela estava sem anel se deteve diante da imagem por muito tempo. Mais do que isso: analisou-a parte por parte. Talvez até tenha comparado com outras anteriores.

Eu apenas relatei o que li por aí.