Destaques

sexta-feira, agosto 13, 2010

Serial killer racista prometia, no bar, criar igreja de bêbados

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

E, na estigmatização do mé, nem mesmo ateus e agnósticos apreciadores da mesa do bar escapam.

O estadunidense acusado de assassinato de pelo menos cinco pessoas no Panamá pretendia, segundo a agência AFP, fundar uma igreja de bêbados. Wild Bill seria o primeiro "papa" da instituição, de quatro paredes flácidas. William Datham Holbert é acusado de se aproximar de ricaços da América Central com promessas de compras de imóveis, mas executava os vendedores antes de assinar a papelada e enterrava todos no jardim de seu hotel Villa Cortez.

A notícia, digna do saudoso Notícias Populares, poderia render outras manchetes. O meliante é racista, defendia a supremacia dos brancos. A esposa do cidadão também é acusada de participação nos crimes. E há imagens dos dois diante de vários brasões da marca de motocicletas Harley Davidson. Um prato cheio para títulos variados.

A parte da igreja dos bêbados, articulada em seu bar, é só a parte cômica da tragédia. É também a menos importante, porque era promessa de mesa de boteco. "(Ele) estava formando em seu bar um tipo de igreja, o 'Primeiro Templo dos Bêbados', e ele supostamente seria o primeiro líder. Esse homem buscava ativamente pessoas as quais poderia manipular e dominar. Gente dócil", acrescentou Donald Winner, um empresário de turismo no Panamá.

As imagens de Don Winner, no Panama Guide falam por si.

Foto: Don Winner/Panama Guide


Hinos de igrejas dos bêbados

No YouTube, há dezenas de versões de hinos "religiosos" voltados à devoção ao etanol, ou melhor, aos etílicos. Há versões em vídeos variados para um hino da "igreja dos bêbados de Deus" (lusitanas, brasileiras, brasileiras, brasileiras). Não necessariamente é engreçado. Os gringos também se divertem nessa perspectiva.

É sabido ainda que São Martinho é tido como responsável por manter um olhar especial e carinhoso aos bêbados. E que os pastores em Salinas (MG) pegam no pé de quem quer usufruir dos valores culturais da marvada.

Nota

Em nota, o Manguaça Cidadão informa que não faz parte da proposta de política pública a incorporação de questões religiosas, nem a criação de instituições ou associações nesse sentido. O programa se pretende laico.

1 comentários:

Marcão disse...

Sacanagem isso. Eu tive a ideia de fundar a Igreja Messiânica do Sétimo Gole há mais de 15 anos, preciso patentear antes que neguinho garfe. Mas não quero matar ninguém, não. Só a nossa sede.