Destaques

sexta-feira, agosto 13, 2010

Serial killer racista prometia, no bar, criar igreja de bêbados

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

E, na estigmatização do mé, nem mesmo ateus e agnósticos apreciadores da mesa do bar escapam.

O estadunidense acusado de assassinato de pelo menos cinco pessoas no Panamá pretendia, segundo a agência AFP, fundar uma igreja de bêbados. Wild Bill seria o primeiro "papa" da instituição, de quatro paredes flácidas. William Datham Holbert é acusado de se aproximar de ricaços da América Central com promessas de compras de imóveis, mas executava os vendedores antes de assinar a papelada e enterrava todos no jardim de seu hotel Villa Cortez.

A notícia, digna do saudoso Notícias Populares, poderia render outras manchetes. O meliante é racista, defendia a supremacia dos brancos. A esposa do cidadão também é acusada de participação nos crimes. E há imagens dos dois diante de vários brasões da marca de motocicletas Harley Davidson. Um prato cheio para títulos variados.

A parte da igreja dos bêbados, articulada em seu bar, é só a parte cômica da tragédia. É também a menos importante, porque era promessa de mesa de boteco. "(Ele) estava formando em seu bar um tipo de igreja, o 'Primeiro Templo dos Bêbados', e ele supostamente seria o primeiro líder. Esse homem buscava ativamente pessoas as quais poderia manipular e dominar. Gente dócil", acrescentou Donald Winner, um empresário de turismo no Panamá.

As imagens de Don Winner, no Panama Guide falam por si.

Foto: Don Winner/Panama Guide


Hinos de igrejas dos bêbados

No YouTube, há dezenas de versões de hinos "religiosos" voltados à devoção ao etanol, ou melhor, aos etílicos. Há versões em vídeos variados para um hino da "igreja dos bêbados de Deus" (lusitanas, brasileiras, brasileiras, brasileiras). Não necessariamente é engreçado. Os gringos também se divertem nessa perspectiva.

É sabido ainda que São Martinho é tido como responsável por manter um olhar especial e carinhoso aos bêbados. E que os pastores em Salinas (MG) pegam no pé de quem quer usufruir dos valores culturais da marvada.

Nota

Em nota, o Manguaça Cidadão informa que não faz parte da proposta de política pública a incorporação de questões religiosas, nem a criação de instituições ou associações nesse sentido. O programa se pretende laico.

2 comentários:

Marcão disse...

Sacanagem isso. Eu tive a ideia de fundar a Igreja Messiânica do Sétimo Gole há mais de 15 anos, preciso patentear antes que neguinho garfe. Mas não quero matar ninguém, não. Só a nossa sede.

Stjsrty Xtjsrty disse...

zzzzz2018.6.21
coach outlet
louboutin shoes
pandora
bottega veneta
adidas shoes
lacoste outlet
michael kors outlet online sale
basket nike
ralph lauren outlet
nike tn pas cher