Destaques

quinta-feira, dezembro 06, 2012

A vida, o comunismo e a morte, conforme Niemeyer

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

"Há o pessimismo que bate quando estou sozinho e penso no mundo. Mas se é para ir a uma festa em que há mulheres bonitas, o pessimismo desaparece. A vida está correndo. Tenho momentos de tristeza, de prazer, de saudade... Faz parte."

"Enquanto existir miséria e opressão, ser comunista é a solução."

"Nunca acreditei na vida eterna. Sempre vi a pessoa humana frágil e desprotegida nesse caminho inevitável para a morte... Às vezes, muito jovem, o espiritismo me atraía, logo dissolvido pelo materialismo dialético, irrecusável. Se via uma pessoa morta, meu pensamento era radical. Desaparecera, como disse Lacan, antes de morrer. Um corpo frio a se decompor, e nada mais"

2 comentários:

Priscilla Saccomano disse...

eu diria... A vida a arte e o comunismo, conforme o Mestre!

Anônimo disse...

Este homem construiu a maior ratoeira do mundo... Ele deveria mudar pra Cuba pra viver no paraíso comunista que se refere..