Destaques

sexta-feira, abril 26, 2013

Casagrande foi democrático até na torcida dos filhos

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Influência dos pais é determinante. Será?
Muito já se comentou, aqui, sobre o que leva a pessoa a torcer por determinado time. Tem motivo pra tudo: um amigo meu, cearense, me contou que torce para o Palmeiras porque a mãe, ao comprar velas de aniversário em forma de jogadores para seu aniversário de 5 anos, não encontrou outra cor de uniforme que não fosse verde. Teve um leitor aqui do blog que ia ver jogos do Palmeiras com o tio palestrino mas, ao ver a festa e as cores da torcida do São Paulo, tornou-se tricolor. Aliás, esse comentário foi feito numa enquete postada no Futepoca pelo Glauco, em 2009, justamente com a pergunta "O que fez você torcer para o seu time?" Ganhou "Pai e mãe", seguido "Um jogo inesquecível", "Títulos" e "Tio ou padrinhos" (empatados), "Amigos", "O fato de ser o time da cidade" e "Namorado(a)" (essa última opção foi a única que não teve qualquer voto). Porém, a influência dos pais parece estar perdendo força.

Casagrande não teve filhos corintianos
O ex-atacante Casagrande, hoje comentarista, acabou de lançar o livro "Casagrande e seus demônios", escrito pelo jornalista Gilvan Ribeiro. Dando uma folheada rápida em uma livraria (pretendo comprar mais pra frente, para ler com calma), descobri que um dos maiores corintianos de todos os ídolos do Corinthians não conseguiu passar sua paixão clubística - herdada do pai, Walter - para os filhos. Isso mesmo: nenhum dos três filhos do Casão é alvinegro de Parque São Jorge. Pelo o que parece, Casão leva numa boa as escolhas de sua prome. Mas é interessante observar, pela idade de cada um deles, os diversos motivos que podem ter contribuído para afastá-los do tal "bando de loucos". 

Victor Hugo: paixão alviverde
Victor Hugo, de 27 anos, nasceu durante a Copa do México, que seu pai disputou pela seleção brasileira.  Quando chegou ao período de alfabetização, com 7 ou 8 anos, o Palmeiras turbinado pela Parmalat foi bicampeão paulista e brasileiro em 1993/1994. Resultado: o primogênito de Casagrande tornou-se alviverde. É interessante notar que ele pegou um período de entressafra do Corinthians, que havia ganho o Brasileirão de 1990 e só voltaria a ver títulos em 1995, quando faturou o Paulista e a Copa do Brasil. Curioso é que, no auge do Palmeiras/Parmalat, Casão havia voltado ao Corinthians, em 1994. Mas nem isso mudou a escolha palestrina de seu filho mais velho.

Sãopaulino Ugo já jogou pelo Palmeiras
O segundo filho, Ugo Leonardo (que seguiu os passos do pai e é centroavante no profissional do Botafogo-SP, presente na reta final do Paulistão deste ano), nasceu durante a Copa seguinte, da Itália. Hoje com 23 anos, ele torce para o São Paulo. Difícil saber o motivo, pois, quando o esquadrão sãopaulino montado por Telê Santana começou a entrar em declínio, entre 1994 e 1995, Ugo tinha entre 4 e 5 anos e não deve se lembrar de muita coisa. Mais intrigante é que, pouco depois, de 1998 a 2000, quando o segundo filho de Casagrande já devia entender e acompanhar futebol, o Corinthians montou um timaço e foi bicampeão brasileiro e venceu o Mundial no Rio de Janeiro. Talvez a derrota do alvinegro para o São Paulo na decisão do Campeonato Paulista de 1998 tenha sido o turn point. De qualquer forma, dos quatro grandes clubes paulistas, Casagrande só jogou no Corinthians e (apenas um semestre) no São Paulo.

Symon é o santista da família
Por fim, Symon, que hoje está com 20 anos, faz o "serviço completo" contra o Corinthians na prole de Casagrande: torce para o Santos. Ele já tinha 10 anos quando o alvinegro praiano se reinventou com Robinho, Diego & Companhia, sob a batuta do técnico Leão. Mas esse foi o fator decisivo para se tornar o santista da família. É curioso, também, que aquele time tenha se consagrado justamente contra o Corinthians, na final do Brasileiro - e que, no início daquele mesmo ano de 2002, o clube do coração do pai Casão e do vô Walter, comandado por Carlos Alberto Parreira, tenha levantado duas taças, do Rio-São Paulo e da Copa do Brasil. Enfim, a paixão clubística tem razões que a própria razão desconhece...

2 comentários:

ThiagoFC disse...

Eu me tornei corinthiano com 8 pra 9 anos, após o brasileirão de 90. Sendo mineiro, eu tinha simpatias por Cruzeiro e Atlético, mas não dava para, de fato, ser torcedor de dois times rivais. Após o título, pensei: "esse time foi campeão, deve ser bom. Vou torcer pra eles".

História curiosa é de um amigo meu: nascido na Argentina, filho de pai argentino e mãe brasileira, com 1 ano de idade a família se fixou em Belo Horizonte. Ele herdou a paixão do pai pelo Boca Juniors, lá na Argentina. Morando em BH, a lógica seria torcer por Cruzeiro ou Atlético, né? Não foi o caso. Na época do "Fora Collor" ele ganhou um jogo de futebol de botão que era Corinthians x São Paulo e, sabe-se lá porquê, enfiou na cabeça que o São Paulo era o time do Collor. Tornou-se corinthiano.

Quando terminaram as semifinais da Libertadores do ano passado, ele postou uma foto das camisas de Corinthians e Boca no facebook, com a legenda "é campeão". Pediu desculpas ao pai dele, e tomou o partido do Corinthians. Nas oitavas deste ano, mais uma vez ele "fechou com o Timão" (Como o placar de títulos está em 6x1 pro Boca, acho que vai demorar pra ele ficar em cima do muro nesse confronto).

Welington Feitosa disse...

Mas saiu em varios sites q o proprio Casagrande é saopaulino apesar da carreira no corinthians.