Destaques

quarta-feira, agosto 21, 2013

Bambi Tricolor: “Em questões que envolvem violência, todo silêncio é, na verdade, uma omissão”

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Entrevista com Aline, representante da Bambi Tricolor.

Por Glauco Faria

Futepoca – Como surgiu a ideia de fundar a São Paulo Livre?
Aline – Pra começar, o nome da página não é São Paulo Livre e sim Bambi Tricolor. A escolha do nome, aliás, é o que tem gerado mais críticas e, ao mesmo tempo, apoio. Até agora, publicamos três posts para falar quase exclusivamente sobre a escolha do nome e suas implicações, uma delas, inclusive, responde diretamente a pergunta "Por que Bambi Tricolor e não SPFC Livre?"

A ideia de fundar a página Bambi Tricolor veio por inspiração da Galo Queer, que realmente foi corajosa e pioneira nesse sentido. E a página também foi uma espécie de desdobramento de conversas que nós tínhamos sobre a homofobia no futebol. Somos um grupo de amigos que, desde antes desse movimento de torcidas anti-homofobia, dizíamos que os são-paulinos deveriam adotar o apelido Bambi por todos os motivos já explicitados na página.

Futepoca – Existe uma articulação com torcidas de outros times que também têm como objetivo o combate à homofobia?
Aline – Não. Pelo menos nada além do que se vê publicamente. Nós apoiamos todas as manifestações das outras torcidas, assim como recebemos apoio de várias delas. São torcidas que atuam em confluência, mas não necessariamente articuladas.

Futepoca – Os torcedores são-paulinos não raro são estigmatizados com ofensas homofóbicas por rivais. Nesse caso, é mais difícil trazer a discussão sobre homofobia pelo fato de boa parte dos torcedores do São Paulo rejeitar a associação feita por adversários?
Aline – Sim. Há uma forte resistência entre os torcedores, agravada, inclusive, pela escolha do nome Bambi Tricolor. E embora a maioria que se manifesta tenha consciência de que as provocações e ofensas contra os são-paulinos tem um forte caráter homofóbico, não é muito clara a ideia de que a reação da torcida, de modo geral, tende a reforçar a homofobia. Parece mais fácil dirigir-se à torcida e dizer que certos apelidos e certas ofensas são homofóbicas. No máximo, você será acusado de ser chato ou defensor do politicamente correto. Mas quando nós dizemos "vamos assumir o Bambi" pensando em mudar os termos dessa discussão, quando dizemos que o estigma da homossexualidade não pode, em si, ser recebido como ofensa por mais que seja formulado e proferido como tal, somos acusados de todo o tipo de coisa, que vai de ingenuidade, a estupidez, a sermos rivais humilhando e desrespeitando o clube. Uma das coisas que nos foram ditas é que se tivéssemos escolhido o nome SPFC Livre, nós receberíamos mais apoio e adesões. O que, para nós, aponta a ambiguidade da situação dos são-paulinos diante da homofobia. Como defender a causa LGBT sem "piorar" o estigma de sermos uma torcida gay, ou torcedores de um time gay? A própria configuração desse "impasse" já expõe o quanto nós, como sociedade, não temos clareza sobre o problema, e quão naturalizada é a homofobia.

Mas é preciso ponderar uma coisa: se, por um lado, os torcedores contrários à página são refratários aos nossos argumentos, os favoráveis já chegam com uma elaboração própria e muito interessante sobre a homofobia no futebol e, mais especificamente, da homofobia de que os são-paulinos são vítimas e compactuantes. Isto é, há mais resistência, por um lado, mas há também uma recepção muito estimulante, de outro. Sinais de que essa é uma boa conversa.

Futepoca – Como foi/está sendo a reação de organizadas do São Paulo que, a exemplo de inúmeras de diversos clubes brasileiros, em muitas ocasiões se mostram homofóbicas?
Aline – Nós não recebemos nenhum contato, seja positivo ou negativo, oficialmente, das organizadas. Muitas pessoas, homens em sua extrema maioria, chegam e dão pistas de que pertencem a alguma das organizadas, mas nada além disso. Estes são os que com mais agressividade se manifestaram. Recebemos muitas ofensas, mensagens cheias de irritação, perplexidade, muitos pedidos ou exigências para deletarmos a página ou mudarmos o nome. E recebemos umas poucas ameaças.

Futepoca – A Bambi Tricolor é uma iniciativa relacionada mais às redes sociais ou pretende também pretende marcar presença nos estádios?
Aline – A Bambi Tricolor, como "organização", por assim dizer, é uma tentativa de debate. Ele se dá, hoje, mais eficientemente, nas redes sociais.

Nós, pessoas que idealizamos e administramos a página, frequentamos o estádio como torcedores comuns, nós estamos lá sempre que possível. Por enquanto, não é possível fazer nenhuma manifestação física que se aproprie do apelido Bambi, ainda mais no estádio. Se, pela internet, as reações contrárias foram tão intensas, imagine na arquibancada, quando o sangue está ainda mais quente. Qualquer coisa que pareça ofensiva ou provocativa pode despertar reações violentas, então é preciso ter cautela aqui.

Futepoca – Quais são os próximos passos planejados pela Bambi Tricolor?
Aline – Não sabemos ainda. A página Bambi Tricolor não é resultado de um planejamento, ela foi uma manifestação imediata, espontânea, inspirada pela ocasião. A Galo Queer foi um acontecimento e veio ao encontro de demandas nossas, expectativas nossas em relação ao futebol, à política, ao mundo. Nós sabemos que o hype sobre as páginas de torcidas anti-homofobia vai, mais cedo ou mais tarde, diminuir e minguar. Nossa ideia, contudo, é pelo menos manter a página como mais uma referência, um lugar de debate sobre homofobia e/no futebol. Se algo maior advier daí, beleza. Estaremos dispostos.

Futepoca – Na sua opinião, os clubes brasileiros, a CBF e as federações não tratam da forma devida o combate à homofobia no futebol?
Aline – Claro que não. Nem os clubes nem a CBF se posicionam publicamente, ou seja, eles não tratam de forma nenhuma. Em questões que envolvem violência, todo silêncio é, na verdade, uma omissão. Na melhor das hipóteses, os clubes e a entidade responsável pelo esporte são omissos diante de uma causa que só cresce e reivindica direitos, conscientização, transformações sociais. Na melhor das hipóteses. Pois é virtualmente impossível que a homofobia seja tão naturalizada no meio sem que as instituições, em suas estruturas de poder e formação, contribuam diretamente para isso.

Às vezes, sinais mais claros dessa homofobia emergem, como aconteceu quando o cartola do Palmeiras, José Cyrillo Jr, mencionou o Richarlyson num programa de televisão quando questionado sobre um suposto jogador que assumiria sua homossexualidade. Ou o vídeo comemorativo do Corinthians que exibia um veado como símbolo do São Paulo. Infelizmente, esses casos são tratados como gafes, deslizes pontuais que ocorreram por falta de cuidado ou avaliação correta. E, até certo ponto, essa descrição leviana não deixa de ser reveladora. Numa cultura machista como a nossa, pode soar natural que num ambiente tão masculino a homossexualidade seja um tabu e uma piada. Mas sabe-se também que não é apenas isso (uma piada). Quando o assunto é seriamente abordado, os relatos que chegam até o público indicam uma força repressiva que torna a homossexualidade um obstáculo, talvez até um impedimento para as carreiras dos jogadores. Não por acaso, não há jogadores homossexuais assumidos. Não se pode creditar esse "grande armário" apenas à rejeição da torcida e à cultura machista, as instituições são uma parte importante dessa equação aí.

2 comentários:

Anselmo disse...

O episódio do José Cyrillo Jr. é um motivo de vergonha profunda. Pior (mto pior) é saber que é um tipo de opinião comum, e tratada como "normal", ou até como "piadinha".

agora, o cenário realmente é o de que há "sinais de que essa é uma boa conversa"...

Marcos Futepoca disse...

Pois é. A homofobia é uma "instituição" nos estádios, desde sempre - e infelizmente. Para mim, as arquibancadas são o palco de todo tipo de selvageria, não só contra homossexuais, mas contra mulheres, crianças, idosos etc. Existe um comportamento padrão que se espera de um "verdadeiro torcedor": de gritar, xingar, bater, atirar coisas, agredir, enfrentar polícia e torcidas adversárias. Quem não adere vira, automaticamente, "inimigo", mesmo que torça para o mesmo time. É um dos últimos nichos de selvageria "permitida", "legalizada", e talvez por isso mesmo tenha atraído, nas últimas décadas, todo tipo de pessoas com desvio de comportamento, agressivas, violentas, intolerantes e, por isso mesmo, preconceituosas. E preconceito contra tudo e contra todos: em estádios a gente escuta "xingamentos" como "preto safado", "viado", "cabeça chata" etc etc. Um ponto interessante observado neste (excelente) especial do Futepoca é o surgimento das novas arenas, que, de uma forma ou de outra, pela sua configuração, podem mudar o comportamento das torcidas. Por enquanto, o que vimos foi apenas a elitização no preços dos ingressos - o que pode agravar um outro preconceito: contra pobres.