Destaques

segunda-feira, setembro 14, 2015

'Zizinho era um jogador completo'

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

A frase que dá título ao post foi dita por um tal de Edson Arantes do Nascimento, mais conhecido como Pelé. Ele refere-se à Tomás Soares da Silva, que hoje estaria completando 94 anos (morreu em 8 de fevereiro de 2002, aos 80 anos). Voltemos ao que disse Pelé: "Quando eu era garoto, procurava imitar dois jogadores: o Dondinho, meu pai, e o Zizinho. Quando comecei a minha carreira no Santos, o Zizinho estava encerrando a dele no São Paulo. E encerrando em grande estilo. Ele foi campeão e considerado o melhor jogador do Campeonato Paulista de 1957. Zizinho era um jogador completo. Atuava na meia, no ataque, marcava bem, era um ótimo cabeceador, driblava como poucos, sabia armar. Além de tudo, não tinha medo de cara feia. Jogava duro quando preciso."

Pelé, 17 anos, e Zizinho, 36, no primeiro Paulistão disputado pelos dois, o de 1957

De fato, se o menino Edson já era fã de Zizinho desde a Copa de 1950, quando o meia carioca foi considerado um "Leonardo Da Vinci" da bola pela imprensa estrangeira, apesar da derrota do Brasil para o Uruguai na decisão, o jogador Pelé, em sua estreia profissional no Campeonato Paulista, em 1957, pôde admirar toda a técnica do ídolo frente a frente, numa tarde histórica. Depois de terminar a primeira fase do campeonato em 5º lugar, o São Paulo decidiu buscar um reforço para o meio-campo. Quando anunciou o veterano Zizinho, os adversários debocharam: com 37 anos, estava encostado no modesto Bangu fazia cinco anos, desde que fora dispensado pelo Flamengo. Porém, com ele, o time do técnico húngraro Bélla Gutman se encaixou e disparou na fase decisiva, com 7 vitórias seguidas.

Ataque 'infernal': Maurinho, Amaury, Gino, Zizinho (o 'dono da bola') e Canhoteiro

Entre essas sete vitórias, um 4 x 2 sobre o forte Palmeiras, logo na estreia de Zizinho, e uma goleada inesquecível sobre o Santos, em plena Vila Belmiro, no dia 17 de novembro de 1957. O alvinegro praiano, que seria o vice-campeão daquele ano, campeão de 1958 e que dominaria o Brasil, a América e o planeta pelos dez anos seguintes, jogou com Veludo; Getúlio e Dalmo; Fioti, Ramiro e Zito; Tite, Alvaro, Pagão, Pelé e Pepe. Já o São Paulo entrou em campo com Poy; De Sordi e Mauro; Dino Sani,  Vitor e Riberto; Maurinho, Amaury, Gino, Zizinho e Canhoteiro. Logo no primeiro tempo, 2 x 0 para o Tricolor, gols de Maurinho e Canhoteiro. Na etapa final, Canhoteiro fez mais dois e Zizinho e Amaury fecharam a goleada (o Santos descontou com Vitor, contra, e Tite): 6 x 2!

Time do São Paulo que entrou em campo para decidir o Paulistão com o Corinthians

O curioso é que esse mesmo Santos teria papel decisivo para a conquista do paulistão pelo São Paulo, no mês seguinte. Depois de liderar a competição com 35 jogos invictos, o Corinthians tropeçou na penúltima rodada, ao perder por 1 x 0 justamente para o time de Pelé. Isso embolou completamente o campeonato: o São Paulo empatou com o Corinthians na liderança, com 28 pontos, e o Santos  vinha logo atrás, com 27. Como a tabela previa para a última rodada o confronto direto entre os dois líderes, um empate nesse jogo, somado a uma vitória santista contra o Palmeiras, deixaria três times empatados com 29 pontos (vitória valia 2 pontos). E forçaria a decisão num triangular (um "supercampeonato"). Daí, o Santos goleou o alviverde por 4 x 1 e ficou na torcida pelo empate na outra partida.

Maurinho dribla o goleiro corintiano Gilmar e marca o gol do título paulista de 1957

E a esperança dos santistas cresceu quando o primeiro tempo do clássico entre Corinthians e São Paulo terminou sem gols. Mas a etapa final foi eletrizante: Amaury abriu o placar para o Tricolor aos 17 minutos e, cinco minutos depois, Canhoteiro ampliou. Só que os 2 x 0 fizeram com que o alvinegro de Parque São Jorge partisse para o tudo ou nada e sufocasse o São Paulo, que tentava se segurar em seu campo. Aos 21 minutos, Rafael diminuiu para 2 x 1 e a pressão chegou ao limite: tudo indicava que o Corinthians ia empatar em minutos e, depois, virar o jogo e sacramentar o título. Foi então que, para aliviar, Zizinho (sempre ele!) interceptou mais um ataque alvinegro, aos 34 minutos, e deu um chutão para o campo adversário; Gino escorou e a bola sobrou para Maurinho, que marcou: 3 x 1.

Ataque da seleção no Sul-Americano de 1957: Joel, Zizinho, Evaristo, Didi e Pepe

Os corintianos partiram para cima da arbitragem, alegando impedimento, e o pau quebrou na torcida (a decisão ficou conhecida como "Tarde das Garrafadas"). Mas o título ficou mesmo com o São Paulo, o último antes de uma longa fila de 13 anos. Zizinho ainda jogou parte da temporada de 1958 no Tricolor, seguindo depois para o Audax, do Chile, e encerrando a carreira no mineiro Uberaba. Depois de disputar o Sul-Americano de 1957 pela seleção brasileira, muitos davam como certa sua convocação para a Copa da Suécia, o que não ocorreu - e abriu vaga exatamente para Pelé, que se consagrou. No início da década de 1960, Zizinho deu sua última grande contribuição para o futebol brasileiro: como amigo do pai de Gérson, foi o grande incentivador do "Canhotinha" em seu início de carreira.


1 comentários:

Anônimo disse...

pomba gira
pomba roda
pomba uroborus
pomba bambole
Bomba na sapucai
So restou o figado
Da pomba__
Vulgo quem?