Destaques

domingo, julho 03, 2011

Uma seleção que não chuta (bem)

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook


Foto: Estado de Minas/Uai: AFP Foto/Miguel Rojo

A primeira prova verdadeira da seleção de Mano Menezes começou trazendo a preocupação de ser um time que toca muito a bola, até bem, mas não chuta. O goleiro venezuelano não fez nenhuma defesa perigosa. Houve uma bola na trave do Pato e um chute do Robinho ¨defendido" pelo zagueiro, mais nada...

A postura da Venezuela, de se defender com 11 jogadores e sair apenas num ou outro contra-ataque, ajudou que isso acontecesse. Mas esse é o problema. Provavelmente todos os times entrarão assim contra o Brasil e vamos depender muito de uma bola espirrada, de uma jogada de Neymar ou de uma falta bem batida.

Principalmente porque não temos, fora Neymar, nenhum atacante acima da média. Na arte de fazer gols, Robinho, Frédi e Pato estão muito abaixo do Fenômeno ou de Adriano (ou até de Luiz Fabiano), apenas para citar exemplos recentes. E, pior, não vejo esse jogador em nenhum time brasileiro. Leandro Damião, do Inter, está bem longe de servir para ser titular da seleção.

Se o Brasil quiser ganhar a Copa de 2014 precisa urgentemente revelar jogadores que saibam fazer gol. O resto do time é até interessante, com jogadores técnicos e uma boa defesa (com exceção do André Santos, que para mim não é jogador de seleção).

É um time que fica bastante tempo com a bola, toca bem, mas não está produzindo ofensivamente. É uma espécie de cópia do Barcelona, com jogadores técnicos no meio de campo, valorizando a bola, mas sem a genialidade e a capacidade de finalização de um Messi, por exemplo. A esperança é que Neymar desencante ou o Ganso jogue mais. Sem isso sofreremos muito com outras Venezuelas. Pouco para esta camisa amarela.

Acabando este post, vejo o goleiro Júlio César, com a típica frase: "Não existem mais bobos no futebol". Existem sim, os que esperam mais de uma seleção brasileira.

18 comentários:

bloguedotimao disse...

Ganso e Neymar fizeram hoje a maior PIPOCADA que eu vi alguém fazer desde que o Rivelino escorregou de bunda pelas escadarias do vestiário do Maraca, fugindo de um Paraguaio.

Foi uma vergonha!

Mano não vai querer bater de frente com empresários, mas precisava dar uma esculhambada nesses pipoqueiros.

Leandro disse...

Quem melhor sintetizou o jogo e o significado do inesperado resultado foi este jornal aqui: http://www.sensacionalista.com.br/2011/07/03/venezuela-goleia-brasil-por-0-a-0/

olavo disse...

Sim, exato! Ganso e Neymar são dois pipoqueiros mesmo! Imagina só esses dois almofadinhas numa Libert... ops.

Guilherme Scalzilli disse...

Quack!

Uma delícia ver os comentaristas desdobrando-se para justificar a bolinha murcha da seleção amarela. Desculpem, mas é impossível torcer pelo time de Ricardo Teixeira e da rede Globo. Apenas uma paixão futebolística maltrata minhas incrédulas coronárias: a sagrada Macaca velha de guerra. E ela jamais recebeu qualquer migalha dos capatazes do esporte brasileiro. Odeio-os tanto e tão sinceramente que mesmo o Guarani, desde que os contrarie, receberá minha eterna preferência.

Às vezes descubro simpatias isoladas na seleção, como agora Júlio César, Lúcio, Ganso e... bom, um ou outro que me escapa. Até Mano Menezes cai em desgraça comigo ao engolir essas estrelinhas-de-empresário que os patrões da CBF impõem aos técnicos iniciantes. Ou alguém acredita que Elano começou no banco por opção tática?

Arre. Depois de cento e onze anos de sofrimento, ninguém merece ver moleques bilionários de topete moicano (ou o que diabo signifique aquilo) passando o pé em cima da bola, rebolando, espalhando cotoveladas, jogando-se ao perdê-la. Para este humilde torcedor, é indiferente se eles riem, choram ou desaparecem pelo hiperespaço.

Palpite: Brasil campeão numa série de jogos sofríveis. Esperança: Argentina campeã sobre o Uruguai, numa final histórica de oito gols, depois do escrete canarinho desclassificar-se na primeira fase, sob milhares de vaias histéricas.

http://guilhermescalzilli.blogspot.com/

Leandro disse...

Acho injusto jogar toda a culpa no Ganso e no Neymar.
Ainda que estes dois tenham deixado a desejar, realmente, a verdade é que ninguém fez nada que preste até agora. Coletivamente a coisa também anda mal, e é claro que Mané Meneses tem culpa neste cartório.
E por falar em convocações a pedido de empresários, da mídia gorda ou de preferências que não se consegue explicar, penso que o Ralf já está fazendo por merecer uma convocação, mas diante da história hostilidade com jogadores que vestem a camisa que ele veste, acho difícil que isso ocorra, até porque, não é uma posição que chama tanto a atenção p/ trazer algum clamor público por parte dos torcedores e da minoria esmagadora de jornalistas não hostis ao Corinthians.

Glauco disse...

Sim, exato! Ganso e Neymar são dois pipoqueiros mesmo! Imagina só esses dois almofadinhas numa Libert... ops. (2)

Concordo em gênero, número e grau. Por mim, nunca mais convocava esses dois. Nem o Elano. E o que os pipoqueiros do Danilo, Alex Sandro e Felipe Anderson estão fazendo no Sub-20? Corta esses pipoqueiros também, Ney Franco! (Ironia mode on)

E cadê o "craque" Jucilei, Mano? Só porque saiu do Corinthians não é mais convocado?

Nicolau disse...

Não vejo pipocada de ninguém, mas o fato é que o pessoal da frente não resolveu. Robinho e Neymar tiveram chances frente à frente com o goleiro e recuaram a bola. Talvez tenha sido preciosismo, não sei. Ganso foi apagado, provavelmente por estar jogando há pouco tempo depois da contusão. Mesmo assim, foi um bom primeiro tempo, com umas cinco chances boas de gol. Faltou fazer a bola entrar. No segundo, a coisa desandou.

Marcão disse...

Se Mano Menezes não ganhar essa Copa América, Muricy Ramalho terá a segunda oportunidade para rejeitar o cargo. Ou não...

olavo disse...

Jogar mal é uma coisa, pipocar é outra.

Eu não vi o jogo, então não posso falar sobre as atuações de ninguém. Se Neymar jogou mal, jogou mal, oras. Mas por que o Neymar não pode simplesmente "jogar mal", e sim tem que ser acusado de "ser pipoqueiro", "pensar mais no cabelo do que no jogo", "não ter experiência pra vestir a camisa da seleção" e etc?

Isso enche o saco, e muito.

fredi disse...

Acho que a discussão foi em parte desvirtuada.

Não acho que ninguém pipocou, até porque foi um primeiro jogo de Copa América, não uma final de Copa do Mundo.

E, sinceramente, não acho que ninguém pipocou, apenas a seleção criou pouco.

O que propus discutir é que não há um "homem-gol" e que a seleção toca muito e conclui pouco e mal.

Olavo Soares disse...

Frédi, minhas observações não foram em relação ao seu post, e sim ao primeiro dos comentários daqui.

Leandro disse...

O comportamento do Mano quanto ao pessoal que joga na Turquia, Bulgária, Ucrânia, Rússia e outros fins-de-mundo da bola não deve ser diferente do comportamento dos técnicos anteriores.
Basta lembrar os casos de jogadores menos contestados (por nunca terem vestido a camisa do Corinthians) como Alex de Souza ou Diego.
Seguiram os "bons" conselhos dos empresários, resolveram "sumir" e o preço disso é esquecer a seleção, ou ser por ela esquecido, como queiram.
Cristian, outro ex-corinthiano que poderia muito bem estar garantido na seleção desde a última Copa, tomou decisão similar e está na mesma situação. Uma pena, pois este seria tão boa opção quanto Jucilei e Ralf para o meio da seleção.

Nicolau disse...

Concordo em parte com o disgnóstico do Fredi. A seleção criou bastante no primeiro tempo, mas ninguém bota pra dentro. Um super-nove talvez faça falta, mas acho que a proposta do time é não ter um 9 típico e centralizar nele os gols - nessa perspectiva mais descentralizada, Pato não foi de todo mal. Robinho faz seus gols pelo Milan e já fez vários pela seleção (acho que era o artilheiro do time de Dunga, se bem me lembro). E Neymar, o cara cotado com todos os motivos para estrela do time, faz gol pra caramba pelo Santos. Um dos problemas é que ele não tem detonado pela seleção no mesmo nível que detona pelo Santos. Perdeu um gol na frente do goleiro que, se fosse contra o meu Curintia, fazia até se chutasse errado. Alguém entende o motivo?

fredi disse...

Olavo, eu entendi. Meu comentário foi em relação aos comentários em geral, não ao seu especificamente.

Camilo disse...

Não que eu me interesse muito por seleção brasileira, mas vou deixar meu pitaco: eu tb acho que não houve pipocada. Houve um time jogando com 10 atrás e um recuado e outro sem criatividade pra furar essa retranca. Grande parte disso deve-se ao Mano que deveria ter encontrado alternativas seja mudando "as peças", seja alterando seu posicionamento. No mais, foi só o primeiro jogo.

Maurício Ayer disse...

Volta Jucilei!

Leandro disse...

Volta Jucilei! (2)

Leandro disse...

A Argentina padece dos mesmos problemas do Brasil no aspecto coletivo. O técnico deles também não conseguiu acertar os ponteiros com os jogadores e isso não ajuda as figuras mais badaladas a terem o destaque esperado.
Diante deste quadro, jogar a culpa nos figurões "hermanos" é tão injusto quanto dirigir a culpa especificamente para Ganso e Neymar do lado de cá.
Messi tem sido a grande vítima do desacerto argentino. Já Carlitos, este não vinha demonstrando seu costumeiro desempenho nos últimos meses em gramados da Europa, e ainda que viesse, do jeito que andam as coisas entre o selecionado dos vizinhos e seu treinador, ainda assim eu creio que dificilmente repetiria jornadas similares à dos 7x1 de 2005, ou às das finais da Libertadores de 2003.