Destaques

terça-feira, dezembro 27, 2011

Coração sem lastro no câmbio incerto da vida

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Dezembro está marcado por dois estudos de institutos britânicos que sugerem que o Brasil já seja a sexta maior potência econômica do mundo. A ultrapassagem do Reino Unido aconteceu em 2011, devido à crise econômica do país do Velho Mundo e pela pujança da nação emergente sul-americana.

Na segunda-feira, 26, o Centro de Pesquisa Econômica e de Negócios britânico (CEBR, na sigla em inglês) conseguiu projeção por ter sido destaque em dois diários da terra da rainha – The Guardian e Daily Mail. A julgar pela edição de imagens, a economia canarinho é movida pela vista da Baía da Guanabara, pelo Cristo Redentor e pela ginga das mulatas sambando. Mas 13 dias antes, o lusitano Exame Expresso orgulhou-se de ver que a antiga colônia estava mesmo a cumprir seu ideal de tornar-se um imenso Portugal.

Mas não foi para fazer alusão ao Fato Tropical, de Chico Buarque e Ruy Guerra, que comecei este post.

Foi por me ver diante de um dilema e tanto envolvendo um gigante do samba, admirado por estas bandas tanto pela produção musical quanto, a despeito do fim trágico e prematuro, pelo desempenho em mesa de bar. Noel Rosa escreveu, com Orestes Barbosa, a divertidíssima Positivismo, em que começa logo ensinando que "verdade, meu amor, mora num poço". Nessa toada é que diz, mais adiante:

Vai, orgulhosa, querida
Mas aceita esta lição:
No câmbio incerto da vida
A libra sempre é o coração


Para alguém que viveu até 1937 e escreveu sete anos antes dos acordos e do sistema Bretton-Woods e muitos antes de sua supressão unilateral em 1971 pelos Estados Unidos, a libra até poderia ser a referência, o porto-seguro, a liquidez para onde correm os capitais no momento de incertezas. Se não o fosse, poderia cumprir a função no imaginário da população.

Mas as notícias de dezembro colocam a libra, enquanto representante da economia onde circula, como superada até pelo real. Mas será ufanista aquele que tentar colocar a moeda brasileira na poesia de Noel Rosa. Até porque, estabilidade mesmo não há com câmbio flutuante, como já leciona o sábio.

Então, se a petulante missão fosse atualizar a bela metáfora do poeta da Vila, o dólar poderia ser candidato. É para lá – mais precisamente para os títulos da dívida dos Estados Unidos – que corre boa parte do capital na hora da incerteza, apostando na liquidez. Mas mesmo esse bastião anda soluçando, com teto de endividamento estourando e um turbilhão de dúvidas desde a crise financeira de 2008. O euro, prometido como alternativa à moeda estadunidense a partir de 2000, também atravessa solavancos.

Diante da crise, estaria a metáfora comprometida? Ou seria o caso de apostar em um país que controla fluxos de capital e cotações da moeda, ainda que a patamares artificiais, como a China? Prefiro não imaginar intérprete algum cantarolando: "No câmbio incerto da vida, o yuan sempre é o coração".

5 comentários:

Maurício Ayer disse...

Imagina: "No câmbio incerto da vida, o título da dívida é o coração".

anselmo disse...

rapaz! Fica bonito. Mas vai que o pessoal resolve entender que a dívida em questão é grega ou italiana. Ou pior, de certos integrantes de um blogue sobre futebol, política e cachaça...

Gê Cesar de Paula disse...

Boa!Não me parece que o "yuan" possa encaixar com um mínimo de elegância na poesia de Noel.
Um comentário: não sei se você teve a curiosidade de ler os comentários do portal "Exame Expresso" que você linkou(!!). É mais interessante que a matéria.
Abs.

raybanoutlet001 disse...

cowboys jerseys
christian louboutin sale
tiffany and co
dolphins jerseys
dallas cowboys jersey
michael kors handbags
pandora jewelry
vikings jerseys
nike air force 1
reebok shoes

LCc 03 disse...

cheap rolex watches
kobe bryant shoes
longchamp outlet
jordans for cheap
nike dunks shoes
longchamp outlet
true religion jeans
http://www.cheap--jordans.us.com
http://www.kobeshoes.uk
lacoste outlet