Destaques

terça-feira, abril 22, 2014

O apagão de água em São Paulo e a semântica

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

“Mas não estamos melhor apenas porque choveu. Não ficamos dependendo apenas da chegada das chuvas. A ajuda do nosso povo foi fundamental, ele aderiu ao racionamento de forma decidida.”

O trecho acima é de um discurso de Fernando Henrique Cardoso, então presidente da República, anunciando o fim do racionamento de energia para março de 2002. Os grifos anteriores são para exemplificar que, à época, o consumidor de energia elétrica no Brasil foi obrigado a economizar seu consumo de energia elétrica e, caso não o fizesse, seria punido ao ter que pagar uma multa de 50% sobre o excesso do limite estabelecido.

Ontem, Geraldo Alckmin anunciou que o governo de São Paulo vai “estabelecer o ônus para quem gastar mais água". Diz notícia do Uol:

Alckmin e a água: nada de apagão, qualquer coisa, a culpa é de São Pedro
Segundo o governador, a partir de maio, os moradores da região metropolitana abastecidos pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) deverão ser multados se aumentarem o consumo de água. Para Alckmin, a medida vem se somar ao desconto de 30% para quem economizar ao menos 20%.

A medida é bastante semelhante a uma das principais adotadas pelo governo FHC à época da crise do apagão. Mas Alckmin é muito melhor em comunicação do que o ex-presidente e só em ato falho utilizaria a palavra “racionamento”. O jargão do governo paulista utiliza palavras como “rodízio” e a multa existe para evitar “desperdício” de água.

Estranha (só que não) a mídia tradicional utilizar o mesmo vocabulário do tucanato de São Paulo. Abaixo, você pode ver como duas manchetes, uma do G1 e outra do Uol compram fácil, fácil, a versão de que o governo quer evitar desperdício de água. Desnecessário listar situações em que existe aumento de consumo de água ou de outro bem e que não envolve necessariamente desperdício. O governador também deve saber, até porque o consumo do Palácio dos Bandeirantes cresceu 22% em janeiro, mês em que ficou evidente a existência da crise hídrica.



Por enquanto, aliás, sabe-se apenas que o “ônus” será de 30%, mas não se diz qual a média que será usada para se fazer o cálculo nem se ele abrange todo tipo de consumidor de água ou é restrito ao residencial. Nas páginas da Sabesp e do governo do estado, muito confete e pouca informação até a manhã desta terça.

Algo pouco discutido até agora são os prejuízos decorrentes do “racionamento voluntário (mas nem tanto)” de água em São Paulo. O do apagão de FHC custou R$ 27 bilhões ao consumidor de forma direta e R$ 18 bilhões ao Tesouro Nacional, e o crescimento do PIB caiu de 4,3% em 2000 para 1,3% em 2001. Quais seriam então os prejuízos para o estado em caso de restrições ao consumo de água?

De acordo com matéria do R7, o presidente da General Motors para a América do Sul, Jaime Ardila, diz que “um racionamento de água em São Paulo teria efeitos mais danosos” sobre a montadora do que de energia: “A situação está ficando difícil e um racionamento de água é um cenário para o qual não temos alternativa”.

Enquanto a crise se desenrola e depois de as ações da Sabesp terem experimentado uma queda superior à dos papeis da Petrobras, seguimos com o jogo de palavras. Quando interessa, a qualquer falha de fornecimento de energia é atribuída a palavra "apagão", estigmatizada pela crise de 2001/2002. Mas nunca se fala em "racionamento" de água "apagão" do sistema hídrico, justamente pela maldição que as palavras carregam. A diferença, sempre, é o destinatário.

Aguarda-se menos preocupação com a semântica e mais contato com a realidade.

1 comentários:

Marcos Futepoca disse...

Muito bom. Mais um daqueles posts que vão direto no nervo.

A semântica é aquilo que a gente também chama de "ginástica editorial" para poupar, quase sempre o PSDB, suas políticos e suas gestões. O que esperar de uma mídia que usa 'mensalão mineiro' em vez de 'do PSDB'? (como o próprio Glauco já apontou neste blog) Ou então 'cartel do Metrô/CPTM' em vez de 'corrupção' ou 'propinoduto' (mais uma vez, do PSDB)? O próprio José Simão escancarou que, na mídia, o PSDB nunca é culpado, sempre é 'suspeito' - é o Partido Suspeito do Brasil. Nas gestões do PSDB não há roubo, há 'desvio'. Ah, bom! Ufa!

Mas o resgate da matéria da matéria do R7, com a reclamação de um empresário de alto calibre, vem se somar à entrevista que o Diego Sartorato fez com o Fábio Meirelles, presidente da Federação das Associações Rurais do Estado de São Paulo (a entidade-mor do agronegócio paulista):

"A estiagem nos atingiu de uma forma muito rude. Sempre prevenimos o governo sobre os problemas que poderiam acontecer", chutou o pau Meirelles.

A matéria, feita para a Rede Brasil Atual, observa: "Antecipando-se às eleições deste ano, Maurílio Biagi, sobrinho de Fábio Meirelles e liderança entre os produtores de cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto, vem ajudando a organizar encontros entre o ex-presidente Lula, Alexandre Padilha, pré-candidato petista ao governo do Estado, e produtores paulistas."

Leia a íntegra da matéria do Sartorato no link:

http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2014/02/atingidos-por-seca-agricultura-familiar-e-agronegocio-disputam-auxilios-do-governo-7861.html


Ou seja, além do que chamou a atenção o Glauco, sobre o prejuízo que a população e o Estado terão no bolso com o APAGÃO DE ÁGUA DO PSDB (com todas as letras, e em caixa alta), tem também o consequente prejuízo político do "gestor eficiente" Geraldo Alckmin nas eleições deste ano. Afinal, os tucanos estão pisando nos pés até de seus tradicionais apoiadores (e patrocinadores)...