Destaques

terça-feira, abril 22, 2014

O apagão de água em São Paulo e a semântica

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

“Mas não estamos melhor apenas porque choveu. Não ficamos dependendo apenas da chegada das chuvas. A ajuda do nosso povo foi fundamental, ele aderiu ao racionamento de forma decidida.”

O trecho acima é de um discurso de Fernando Henrique Cardoso, então presidente da República, anunciando o fim do racionamento de energia para março de 2002. Os grifos anteriores são para exemplificar que, à época, o consumidor de energia elétrica no Brasil foi obrigado a economizar seu consumo de energia elétrica e, caso não o fizesse, seria punido ao ter que pagar uma multa de 50% sobre o excesso do limite estabelecido.

Ontem, Geraldo Alckmin anunciou que o governo de São Paulo vai “estabelecer o ônus para quem gastar mais água". Diz notícia do Uol:

Alckmin e a água: nada de apagão, qualquer coisa, a culpa é de São Pedro
Segundo o governador, a partir de maio, os moradores da região metropolitana abastecidos pela Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) deverão ser multados se aumentarem o consumo de água. Para Alckmin, a medida vem se somar ao desconto de 30% para quem economizar ao menos 20%.

A medida é bastante semelhante a uma das principais adotadas pelo governo FHC à época da crise do apagão. Mas Alckmin é muito melhor em comunicação do que o ex-presidente e só em ato falho utilizaria a palavra “racionamento”. O jargão do governo paulista utiliza palavras como “rodízio” e a multa existe para evitar “desperdício” de água.

Estranha (só que não) a mídia tradicional utilizar o mesmo vocabulário do tucanato de São Paulo. Abaixo, você pode ver como duas manchetes, uma do G1 e outra do Uol compram fácil, fácil, a versão de que o governo quer evitar desperdício de água. Desnecessário listar situações em que existe aumento de consumo de água ou de outro bem e que não envolve necessariamente desperdício. O governador também deve saber, até porque o consumo do Palácio dos Bandeirantes cresceu 22% em janeiro, mês em que ficou evidente a existência da crise hídrica.



Por enquanto, aliás, sabe-se apenas que o “ônus” será de 30%, mas não se diz qual a média que será usada para se fazer o cálculo nem se ele abrange todo tipo de consumidor de água ou é restrito ao residencial. Nas páginas da Sabesp e do governo do estado, muito confete e pouca informação até a manhã desta terça.

Algo pouco discutido até agora são os prejuízos decorrentes do “racionamento voluntário (mas nem tanto)” de água em São Paulo. O do apagão de FHC custou R$ 27 bilhões ao consumidor de forma direta e R$ 18 bilhões ao Tesouro Nacional, e o crescimento do PIB caiu de 4,3% em 2000 para 1,3% em 2001. Quais seriam então os prejuízos para o estado em caso de restrições ao consumo de água?

De acordo com matéria do R7, o presidente da General Motors para a América do Sul, Jaime Ardila, diz que “um racionamento de água em São Paulo teria efeitos mais danosos” sobre a montadora do que de energia: “A situação está ficando difícil e um racionamento de água é um cenário para o qual não temos alternativa”.

Enquanto a crise se desenrola e depois de as ações da Sabesp terem experimentado uma queda superior à dos papeis da Petrobras, seguimos com o jogo de palavras. Quando interessa, a qualquer falha de fornecimento de energia é atribuída a palavra "apagão", estigmatizada pela crise de 2001/2002. Mas nunca se fala em "racionamento" de água "apagão" do sistema hídrico, justamente pela maldição que as palavras carregam. A diferença, sempre, é o destinatário.

Aguarda-se menos preocupação com a semântica e mais contato com a realidade.

2 comentários:

Marcos Futepoca disse...

Muito bom. Mais um daqueles posts que vão direto no nervo.

A semântica é aquilo que a gente também chama de "ginástica editorial" para poupar, quase sempre o PSDB, suas políticos e suas gestões. O que esperar de uma mídia que usa 'mensalão mineiro' em vez de 'do PSDB'? (como o próprio Glauco já apontou neste blog) Ou então 'cartel do Metrô/CPTM' em vez de 'corrupção' ou 'propinoduto' (mais uma vez, do PSDB)? O próprio José Simão escancarou que, na mídia, o PSDB nunca é culpado, sempre é 'suspeito' - é o Partido Suspeito do Brasil. Nas gestões do PSDB não há roubo, há 'desvio'. Ah, bom! Ufa!

Mas o resgate da matéria da matéria do R7, com a reclamação de um empresário de alto calibre, vem se somar à entrevista que o Diego Sartorato fez com o Fábio Meirelles, presidente da Federação das Associações Rurais do Estado de São Paulo (a entidade-mor do agronegócio paulista):

"A estiagem nos atingiu de uma forma muito rude. Sempre prevenimos o governo sobre os problemas que poderiam acontecer", chutou o pau Meirelles.

A matéria, feita para a Rede Brasil Atual, observa: "Antecipando-se às eleições deste ano, Maurílio Biagi, sobrinho de Fábio Meirelles e liderança entre os produtores de cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto, vem ajudando a organizar encontros entre o ex-presidente Lula, Alexandre Padilha, pré-candidato petista ao governo do Estado, e produtores paulistas."

Leia a íntegra da matéria do Sartorato no link:

http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2014/02/atingidos-por-seca-agricultura-familiar-e-agronegocio-disputam-auxilios-do-governo-7861.html


Ou seja, além do que chamou a atenção o Glauco, sobre o prejuízo que a população e o Estado terão no bolso com o APAGÃO DE ÁGUA DO PSDB (com todas as letras, e em caixa alta), tem também o consequente prejuízo político do "gestor eficiente" Geraldo Alckmin nas eleições deste ano. Afinal, os tucanos estão pisando nos pés até de seus tradicionais apoiadores (e patrocinadores)...

good days disse...


افضل شركة نقل عفش من الرياض الى مصر افضل شركة نقل عفش من الرياض الى مصر
افضل شركة نقل عفش بالدمام افضل شركة نقل عفش بالدمام
افضل شركة نقل عفش بالاحساء افضل شركة نقل عفش بالاحساء
نقل عفش داخل مكة نقل عفش في مكة