Destaques

terça-feira, agosto 26, 2014

Palmeiras 100 anos

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Ao completar 100 anos nesta terça-feira (26), o Palmeiras enche seus torcedores de orgulho. Há motivos para isso.

Minha vida de palmeirense é bem mais curta. Há 28 anos, quando o Palmeiras perdeu para a Internacional de Limeira a final do Campeonato Paulista, com gol de Tita após falha de Denys e Martorelli, é que me dei conta de que eu era um palestrino inveterado. O tamanho da dor pela derrota no menino de seis anos foi inequívoca nessa certeza.

A quantidade de alegrias e glorias posteriores também.


É de dois anos depois a única camisa do Palmeiras oficial que guardo lá em casa. A malha de algodão denota que o manto é velho. Os autógrafos de figuras como Gérson Caçapa, Betinho e Velloso também. Toda assinada pelo elenco de 1988, no auge da fila (de 1976 a 1993), torcer era uma necessidade.

Depois, vieram os anos 1990 repletos de títulos, a Libertadores de 1999, os magros anos 2000 e o vai-não-vai desta década de 10.

Nem tudo é simples nem agradável. Somar 17 pontos no Campeonato Brasileiro é incômodo. O número é o mesmo do Criciúma, o 17º colocado na tabela da competição. Isso coloca o alviverde no limite da zona da degola para a Série B, um ano após o regresso da segundona. O time atual inspira
menos do que o torcedor gostaria, a reforma do estádio não foi concluída....

Mas está bom de ver os 15 gols mais bonitos da história do Palmeiras, a montagem do gol mais bonito da história, a homenagem do Mauro Beting, os jornais antigos.

É um dia feliz.

De comemoração. De vestir-se de verde, cantar e vibrar, por quem de fato é campeão.


1 comentários:

Marcos Futepoca disse...

Parabéns, Palmeiras! E parabéns Anselmo, Bruna Rosa e todos os palmeirenses, incluindo aí minha finada nona, D.Ermelinda, minha mãe, Nair, minha irmã Marisa e primos Carlos e Savério, além de muitos outros parentes, amigos, camaradas e conhecidos.

Torço, de verdade, para que o Palmeiras volte a ter um time forte, o que tornaria os clássicos paulistas e brasileiros muito mais aguardados, disputados, interessantes e emocionantes.

Avanti, Palestra!

Abraços.