Destaques

terça-feira, junho 16, 2009

Foi nos pênaltis, há dez anos. Palmeiras campeão da Libertadores de 1999

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Foi no dia 16 de junho de 1999, há dez anos.

No tempo regulamentar, foi 2 a 1. O Palmeiras havia saído na frente, com Evair aos 19, mas sofreu o empate cinco minutos depois, com Zapata, que bateria o pênalti decisivo para fora. Oséas marcou o segundo na etapa final, levando a decisão para os pênaltis. Na primeira partida, o Deportivo Cali havia vencido por 1 a 0. Nas cobranças alternadas, brilhou a trave e a sorte de Marcos, o Goleiro, e o Palmeiras conquistou a Taça Libertadores da América.

O treinador era Luís Felipe Scolari. Precisando vencer, o treinador mandou o veterano Evair a campo no lugar do lateral-direito Arce, uma das armas para cruzamentos desde os tempos de Grêmio do mesmo técnico. Evair fez o primeiro gol, mas foi expulso antes do final da partida. O meia Alex, um dos melhores do time e autor de dois dos três gols do jogo de volta nas semifinais contra o River Plate, foi substituído por Euller. Eram quatro atacantes em campo. Incrível lembrar que Zinho permaneceu em campo, tinha a confiança do técnico.

Tanta confiança que era de Zinho a responsabilidade de bater o primeiro pênalti, mas o consagrado atleta mandou no travessão. Depois, a tensão do torcedor só aumentaria a cada cobrança, até as duas últimas do Deportivo Cali: uma na trave e outra para fora. Marcos, que se consagraria definitivamente pela defesa do pênalti de Marcelinho Carioca no ano seguinte pela mesma competição, não teve tanto sucesso.

Mas tudo bem. O herói para a torcida estava no banco. Felipão montou um time menos virtuoso do que outros do período da co-gestão Palmeiras-Parmalat, mas era uma equipe aplicada, cheia de raça e com uma sorte genial.

O elenco era muitíssimo superior ao atual, um padrão fora da realidade brasileira. O risco que ele assumiu com as alterações é inacreditável. O que elas representaram em termos táticos – até o ponto da anulação do esquema tático, porque com quatro atacantes isso quase deixa de existir – explica porque tanto torcedor é saudoso do treinador.

O time
Cabe lembrar que Junior Baiano era o zagueiro central depois da fracassada empreitada brasileira na Copa do Mundo de 1998. César Sampaio e Rogério compunham a parte marcadora do meio de campo. O lateral-esquerdo Júnior despontava como valor e Roque Júnior completava o trio dos que têm o mesmo nome do pai naquele time. Arce pela direita também vivia um bom momento.

O meia Zinho, já veterano, havia deixado há muito o padrão "enceradeira" criticado na Copa de 1994, embora vital para o esquema de então. Sobre Alex, não é preciso escrever muito e, passada uma década, não houve um camisa 10 que lhe fizesse sombra nos domínios de Palestra Itália. Paulo Nunes e Oséas formavam uma dupla de ataque de respeito.

Entre os reservas, além de Evair e Euller, havia Rivarola em fim de carreira. E ilustres desconhecidos. Jackson, Rubens Júnior e Tiago Silva. Entre os consagrados antes e depois com a camisa alviverde, havia os goleiros Velloso e Sérgio, o zagueiro Cléber e o volante Galeano, titular absoluto na empreitada do ano seguinte.

História
Em 2007, o colombiano Fernando Rodríguez Mondragón concedeu uma entrevista em que declarava que o Cartel de Cali havia feito uma tentativa de suborno ao árbitro da partida, Ubaldo Aquino (Paraguai). A tentativa só teria fracassado por resistência de João Havelange. A principal falha na história era que tudo envolvia o América e não o Deportivo Cali. Pequenininha a brecha.

Na vida real, a trajetória do Palmeiras foi sensacional, incluiu vitórias sobre o Vasco, Corinthians (nos pênaltis), River Plate antes da partida final. No vídeo tem a trajetória contada em clima de videoclipe:


Outros vídeos
Palmeiras Campeão
Bastidores
A decisão por pênaltis
A final

Todo leitor palmeirense do Futepoca tem obrigação de brindar àquela conquista. E que ela inspire o Verdão na partida desta quarta-feira, 17, contra o Nacional do Uruguai.

5 comentários:

Glauco disse...

Ainda hoje me pergunto se o torcedor do Palmeiras precisava sofrer tanto contra o Deportivo Cali.

Marcel Jabbour disse...

Ainda hoje me pergunto se o torcedor do Palmeiras precisava sofrer tanto contra o Deportivo Cali.(2)

Se fosse nas regras atuais de gols fora de casa, o Deportivo sairia campeão! Mas que era um baita time do Palmeiras, isso era.

Abraços!

diletra.blogspot.com

Arvro disse...

Que tempo feliz esse!!Depois da Libertadores de 99 que eu ganhei minha primeira camisa oficial do Parmera! Sobre esse Ubaldo Aquino aí, é um nome que não esqueço, explica muita coisa do primeiro jogo das semifinais da Libertadores de 2001.
E Marcel, os gols fora de casa são até as semi-finais, mesmo no campeonato atual. Na final, vale o número de vitórias e saldo de gols.

Fabricio disse...

Puta que o pariu! Ainda hoje me pergunto se o torcedor do Palmeiras precisava sofrer tanto contra o Deportivo Cali.(3)

Anselmo, o Evair entrou só no segundo tempo. Por volta dos 10 minutos. Por volta dos 20 fez o gol e por volta dos 30 foi expulso.

Lembro que cheguei 16h30min no Palestra mas os portões só abriram 18h. Mesmo na hora que cheguei a Turiassu já estava interditada e havia fila para entrar no estádio. A primeira alegria do dia foi o ingresso apssar pela catraca. Meu primo tinha conseguido um esquema de cambista e foi buscar o ingresso na véspera na Freguesia do Ó um dia antes. Tínhamos medo de ser falso, mesmo tendo pago R$40,00 (preço médio de hoje, 10 anos depois).

O oba-oba era geral. Depois dos 3x0 no River, todos acreditavam em uma vitória fácil. Mas o jogo foi tenso e foi a pior participação da torcida que já vi no estádio. Talvez pelo jogo nervoso, a torcida ficou quieta praticamente o tempo tod a partir dos 30minutos do primeiro tempo. Pra terem uma idéia, deu pra ouvir o Dudamel lá da arquibancada quando ele fez o promeiro nos penais pro Cali após o Zinho perder. Não é brimcadeira.

Bom, felizmente não preciso dizer o que veio depois! Parabéns a todos os palmeirenses!

PS. tentei comprar ingresso no primeiro dia de vendas mas não consegui. Um amigo meu estava lá comigo para comprar mais ingressos pra mim. Uma dica: seu nome começa com "Ol", termina com "avo", e escreve no futepoca.

Anselmo disse...

denúncias contra o olavo.

valeu pela correção, fabrício.