Destaques

quinta-feira, dezembro 25, 2008

A borracha e o mito do maluco que se desmancha

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Uma coincidência boa colocou no DVD de casa o quase clássico Fitzcarraldo, de Werner Herzog, há um mês, mas só tomei vergonha na cara para escrever agora.

A obra apresenta o auge do ciclo da borracha na Amazônia Peruana. O alemão Brian Sweeney Fitzgerald, vivido por Klaus Kinski, adota a forma como os nativos conseguem pronunciar seu nome e tenta pôr em prática um segundo sonho megalomaníaco, o de levar o tenor italiano Enrico Caruso (uma espécie de "avô" do Luciano Pavarotti em termos de fama) para Iquinos em uma casa de espetáculos que ele construiria ali. O primeiro projeto mirabolante era o de construir uma ferroria para ligar a floresta à costa, cruzando os Andes.

A loucura do personagem mantém a pose mesmo obrigado a se contentar com uma não-proeza pode render um monte de discussões no fórum adequado. É o anti self-made man, por isso a brincadeira no título do post.

Vale notar que Caruso jamais foi a Manaus cantar La Gioconda, como sugere o filme. A recusa do convite em 1896 foi por medo de febres tropicais. O verdadeiro Fitzcarraldo teria partido em sua empreitada dois anos antes, com lanchas e 2 mil índios.

Liberdades poéticas à parte, no ano em que se relembra os vinte anos do assassinato de Chico Mendes, é interessante retomar as aulas de história sobre o ciclo da borracha. A coleta da seiva da seringueira para produzir borracha foi extremamente rentável para a elite da região amazônica no final do século XIX, e deu origem a um surto de prosperidade. Foi isso que o filme despertou em mim. E tem matérias para ler e documentários para assistir sobre o líder seringueiro.

O filme conta com a participação de José Lewgoy como o fazendeiro ganancioso e cínico e pontas de Milton Nascimento como guarda do teatro municipal de Manaus e de Grande Otelo como funcionário da Transandina (uma ferrovia de nome auto-explicativo, iniciada pelo protagonista e abandonada ao léu).

Foto: Divulgação

Fazendeiro interpretado por José Lewgoy zomba até cansar do
protagonista. Na cena, ele toma champagne (ou equivalente).


Ambição
Para levar a ópera à selva, Fitzcarraldo decide entrar no ramo de exploração de borracha, consegue uma conscessão pública que precisaria ser explorada em até nove meses em uma região não desejada por nenhum dos outros donos do lugar. Ocorre que a área não era acessível pelo afluente do Amazonas que banhava a área, o Caspajali, porque seria necessário navegar rio acima e ultrapassar cascatas e cachoeiras. Ao conhecer um mapa, o alemão decide que poderia chegar ao local navegando por outro caminho, o rio Serjali. O único problema seria a necessidade de transpor uma montanha que separa dois rios. Ele leva um barco a vapor e se põe a arrastá-lo para o outro lado do morro.

As cenas são de uma devastação incrível da floresta e do próprio monte, para fazer a embarcação andar sobre a terra.

Como se não bastasse, ainda tem outros complicadores envolvendo indígenas arredios e guerreiros e uma tripulação que deserda, à exceção do cozinheiro, do capitão e do mecâmico-chefe, cada qual por seu motivo.

O bêbado
Foto: Divulgação


Klink e Bohorquez em cena, no barco a vapor.

A segunda parte da justificativa do post é a figura do cozinheiro Huerequeque, interpretado por Huerequeque Enrique Bohorquez. Ele se apresenta ao empreendedor como um bêbado capaz de cozinhar e atirar com precisão, mesmo sob efeitos do rum. O fato é que, além da coragem, a personagem protagoniza cenas bizarras, como a relação promíscua com duas ajudantes, as únicas mulheres a bordo, e ainda é o autor da idéia que permite dar esperanças a Fitzcarraldo, de pôr o motor a vapor para erguer o barco. Como um ébrio teve uma idéia dessas é uma pergunta que até os outros tripulantes se perguntam no filme.

Mas isso é um motivo definitivamente menor para assistir ao filme.

3 comentários:

Esteban disse...

Hola brasileños.
Acá mucho si habla y destaca en nuestros diarios, que el bispo de Paraguai va ter mucho triunfo la concesión de Itaipu.

la verdad es que nosotros acreditar que el presidiente de Paraguai tiene su derecho y con el apoio de Venezuela, Bolívia, Equador y Nosotros, vamos triunfar sobre brasil y ter nuestro derecho de reter la uzina de Itaipu.

Bolívia con mucho exito tomou petrobras de brasil la forcia y con exercito, y su presidiente ficou con rabio entre las pernas y ainda hablpou que fue justo.

El presidiente de Equador expuzou enpreza bresileña y prendeu en Equador los brazucas y dezafiou a brasil hablando y con confirmación que no va pagar la dibida con brasil y su presidiente mas una vez ficou con su rabio entre las pernas.

Para nosotros va ser también con mucha facilidad el exito de tomar Itaipu de brasileños para que Paraguai venda más energia para Argentina y Uruguai.

Tiemos nuestros derecho de ter más energia en nuestra región y Paraguai con nuestro apoio, Venezuela, Bolivia y Equador, vamos la tomar la forcia si for precizo la usina de itaipu.
un saludo

Glauco disse...

A "champanha" do Lewgoy é claramente de origem duvidosa... Mas faltou o marcador "cachaça" no post. Haja branquinha pra tentar fazer o que o Fitzcarraldo quis.

Marcão disse...

Eu ainda tô bêbado ou tem duas fotos idênticas do Lewgoy no post?!??