Destaques

terça-feira, julho 20, 2010

Cafu no Juventude: "jeitinho brasileiro" em seu auge

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Negociações surpreendentes acontecem aos montes no futebol brasileiro. Jogadores de pouca capacidade são vendidos por fortunas; atletas que se mostram promissores vão parar em times pequenos no exterior e deles nunca mais recebemos notícias; nomes identificados com uma torcida vão parar em uma equipe rival sem fazer muita cerimônia. Acontece, volta e meia.

E uma das negociações mais estranhas da história do futebol nacional se deu em 1995. Naquele ano, Cafu era um jogador vivendo um excelente momento na carreira. Um ano antes, havia conquistado o mundo com a seleção brasileira; no biênio 92/93, também fora campeão mundial, com a camisa do São Paulo. Estava na Europa, defendendo o Real Zaragoza, onde levantou a taça da extinta Recopa.

No mesmo ano de 1995, o Juventude, de Caxias do Sul, passava por uma significativa ascensão. O clube acabara de faturar o Brasileiro da Série B e se preparava para estrear na elite nacional. Era patrocinado pela Parmalat, o que garantia aos seus cofres uma quantia bem superior às que dispunham equipes do mesmo porte.

As trajetórias de Cafu e Juventude se cruzaram naquele ano. O lateral da seleção brasileira fora contratado pela equipe gaúcha. Momento de consagração do Juventude, que assim trazia um nome de peso para se confirmar no cenário nacional e fazer frente à dupla Gre-Nal no Rio Grande do Sul!

O Youtube tem os gols do jogo que marcou a estreia do atleta com a camisa alviverde:



Vídeo resgatado pela comunidade Futebol Alternativo do Orkut

Tá, agora falemos a verdade.

A contratação de Cafu pelo Juventude foi, talvez, o maior exemplo de "jeitinho brasileiro" da história dos grandes clubes do futebol nacional.

Cafu despontou no São Paulo e, como já dito, foi jogar na Europa. O Palmeiras - bancado pela Parmalat - se interessou pelo atleta. Mas havia uma cláusula que proibia o Real Zaragoza, então empregador de Cafu, de negociá-lo com equipes paulistas.

O que a Parmalat fez? Pôs Cafu no Juventude. De lá ele seguiu para o Palmeiras, sem que as imposições contratuais o barrassem.

A situação, até hoje, é motivo de revolta entre são-paulinos e até mesmo entre torcedores do Juventude. Os tricolores alegam que deveria ter havido maior vigilância dos órgãos competentes para que a desfaçatez da negociação fajuta fosse punida. Já os juventudistas reclamam que o clube foi usado e saiu desmoralizado do episódio.

Passados mais de 15 anos, o que fica do caso é o folclore da situação.

Correção/Atualização
Como lembrou o amigo Fabricio e notícias resgatadas confirmaram, o Palmeiras foi, sim, punido. Anos depois teve que pagar uma multa pela negociação. No fim das contas, todo o rolo só acabou servindo para que a história registrasse que Cafu jogou pelo Juventude...

4 comentários:

Fabricio disse...

O Palmeiras foi obrigado a pagar a multa um ou dois anos depois.
O jeitinho não deu muito certo.

Anselmo disse...

nem acho se seja jeitinho brasileiro. driblar cláusulas de contratos (e até da legislação) é função bem remunerada para mto escritório de advocacia. O lado prejudicado chamaria isso de "burlar". o beneficiado de contornar.

ressalva feita, mto bem lembrada a história.

Felipe Silva disse...

jogou no Juventude a ainda jogou com JEAN CARLO e CUCA (ouvi direito? Era ele mesmo?).

Sensacional.

abraço!

amauri zanchi disse...

O campeão da serie B 1995 foi o Atlético Paranaense e não o Juventude.