Destaques

quarta-feira, dezembro 29, 2010

Oprimidos no poder, oito anos depois

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Foi logo depois do segundo turno da eleição presidencial de 2002, quando Luiz Inácio Lula da Silva venceu a disputa para ser presidente da República, que a revista Época publicou: "Os oprimidos no poder". A reportagem assinada por Igor Fuser, um jornalista com vasta experiência em coberturas internacionais, trazia um balanço de lideranças populares que chegaram ao poder pelo mundo afora.

O gancho eram as comparações constantes entre Lula e Nelson Mandela, ex-presidente da África do Sul depois de anos de prisão e de liderança contra o regime do Apartheid. A proposta era lembrar que a origem oprimida de um mandatário nacional não garantiu, historicamente, o sucesso da gestão. A matéria citava quatro figuras em diferentes partes do mundo.

Antes de continuar, vale lembrar que Lula traçou paralelos entre Mandela e Dilma Rousseff no primeiro programa da campanha eleitoral, em maio de 2010 (sic).

"Comparar-se a uma unanimidade mundial (Mandela, no caso) é certeza de bons dividendos eleitorais – sobretudo se, como é o caso de Lula, o paralelo tem suporte na vida real. Mas a analogia, para ser completa, deveria levar em conta os fracassos que marcam os cinco anos de Mandela como presidente", propunha o texto. Na verdade, a brincadeia era incluir a parte ruim dos mandatos de outros líderes egressos de movimentos sociais e populares.

Com um ou outro senão, a reportagem era bem ampla e não mereceria ressalvas deste leitor, a não ser pela edição de imagens e pelos quadros comparativos. Trazia informações interessantes e boas doses de críticas ao receituário do Fundo Monetário Internacional (FMI), aquela de redução de déficits fiscais, de investimentos e de intervenção do Estado na economia, bem como privatização e ampliação da autonomia do mercado.

Foto: Slawek/Wikipedia
Na conta de Mandela, colocava-se 500 mil desempregados em 1999 e uma recessão que reduziu a renda per capita da população. Na de Lech Walesa (foto), o ex-sindicalista de direita polonês que fez um governo marcado pelo autoritarismo pós-socialismo no país, vem o fracasso da "terapia de choque" de Jeffrey Sachs.

Os outros exemplos são anteriores à primeira metade do século XX. Ramsay MacDonald foi o primeiro trabalhista a chefiar o Parlamento britânico antes da Primeira Guerra Mundial e durante a crise de 1929. Emiliano Zapata, no México, não tomou o governo em 1914 apesar de ter tomado a capital do país.

Ao final da análise, uma reflexão. "Governantes conservadores têm menor dificuldade para se adaptar à máquina do Estado, que parece ter sido construída sob medida para eles. A competência e os inesquecíveis desastres dessas administrações são avaliados por outro horizonte e outros critérios", propunha. Por outro lado, "reformas sociais" provocariam "pequenos distúrbios" e demandariam "ajustes", mas "quando dá certo, produz resultados admiráveis".

Quem concorda, levante a mão?

Para comparar
Passados oito anos, é o momento de avaliar em que nível Lula ficou. Fez menos do que os setores mais à esquerda gostariam, mas é bem avaliado pela esmagadora maiora das pessoas. Lula termina o mandato com 87% de aprovação, provavelmente mais do que Mandela (realmente não encontrei dados de pesquisas da época).

Foto: Ricardo Stuckert/Pr
 Lula olímpico: saiu-se bem na foto comparado a outros líderes
egressos de movimentos sociais, populares e "oprimidos",
para usar o termo consagrado em 2002 pela reportagem citada

O desemprego em baixa e o sucesso de programas de combate à pobreza – incluindo a Previdência Social, estabelecida na Constituição de 1988, e o Bolsa Família, expandido exponencialmente a partir de 2003 – formam uma tendência contrária à formação do "Apartheid social" sul-africano, para usar termos comuns quando se analisa o governo Mandela.


Na comparação com Walesa, vale citar que, em 2000, ao disputar a presidência, o polonês teve 1% dos votos. A derrota em 1995, quando disputou a reeleição, no entanto, ocorreu por três pontos percentuais. Em vez da hiperinflação polonesa do início da década de 1990, houve aumento de preços dentro da mal-quista meta estabelecida pelo governo Lula. Em vez de congelamento de salários, aumento da renda média dos trabalhadores – ainda que no final da gestão.

Com MacDonald, vale parear o que foi o resultado da crise de 1929 à "marolinha" de 2008-2009. Descontadas as proporções – e posições geopolíticas – de cada um dos países comparados, o Brasil teve um ano de recessão seguido de um crescimento acima de 7% em 2010. O Reino Unido teve quatro anos de retração.

Foto: Wikipedia


Para espelhar Lula e Zapata, além do confronto barba contra bigode, seria preciso que o presidente que agora deixa o governo tivesse, de um lado, recorrido às armas para tomar o poder. De outro, que tivesse deixado o cargo ao perceber que não seria capaz de fazer reforma agrária etc.

Lula diz ter feito a maior redistribuição de terra da história da República, embora o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) discorde. Começou o governo com uma condução ortodoxa da economia, mas superou a crise econômica mostrando que ainda há muita capacidade de intervenção.

Sai com a maior popularidade entre os presidentes eleitos do Brasil.

Lado ruim
Se alguém ainda conseguiu ler até aqui, há um aspecto da vida política sul-africana que merece reflexão. Para alguns analistas, tudo o que Nelson Mandela representa no imaginário da sociedade tem um efeito ruim. Ruim para quem ocupa o cargo máximo do Executivo. O atual e questionável presidente do país, Jacob Zuma, assumiu em 2009 e rapidamente viu caiur seus índices de aprovação. A comparação com o Madiba, o paizinho dos sul-africanos, dificulta a vida do atual mandatário, que sucedeu Thabo Mbeki.

Substituir o presidente mais popular da história da República vai ser complexo para Dilma Rousseff. Mas aí a comparação é com outras figuras internacionais.

1 comentários:

bandamst disse...

Vixi a Dilma vai ter uma tarefa pra la de dificil em termos de aprovação, primeiro porque ela não tem o carisma e a lábia do Lula. A não ser que o Brasil se torne uma verdadeira potência mundial, ela não vai chegar nem perto dele. E o Lula ta dizendo que não sabe o que vai fazer agora: surigo que ele se candidate a presidencia do Corinthians em 2012.