Destaques

sexta-feira, fevereiro 04, 2011

Estreia, gosto bom e esperança

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Por Moriti Neto (visão de outro sampaulino)

Teve quase de tudo na noite desta quinta-feira, no Morumbi. A partida entre São Paulo e Linense, que mostrou a primeira apresentação de Rivaldo com a camisa Tricolor, não foi um desfile de exuberância técnica no todo, mas certos ingredientes garantiram a estreia marcante.
Pra começar, o novo camisa 10 são-paulino, aos 38 anos, mostrou disposição de garoto. Desde a etapa inicial, chamou o jogo e tomou conta do time. Armou, finalizou e ficou responsável pelas bolas paradas. Só no primeiro tempo – que não teve lá grandes emoções, além da presença de Rivaldo – bateu, a maioria com veneno, todos os dez escanteios que a equipe conquistou.

Virada

Mas, o melhor estava por vir. Início do segundo tempo. Não demora e o Linense faz 1 x 0, com Eric. O São Paulo marcava mal, continuando com o problema dos volantes pesados, sem mobilidade e pegada, como Rodrigo Souto. Porém, tinha Rivaldo. E, cinco minutos depois de sair perdendo, o meia fez mais do que este escriba esperava, ao menos pra ontem. Dagoberto fez bom lançamento e o pernambucano, com uma matada na coxa, tirou o marcador do lance e tocou na saída de Paulo Mussi. Golaço e 1 x 1 no placar.

Daí pra frente, o São Paulo foi todo ataque e, novamente em jogada iniciada por Dagoberto, Marlos, pela esquerda, invadiu a área em velocidade e chutou no ângulo, anotando outro belo tento.

Bate-boca

O Tricolor ganhava, Rivaldo ia bem, mas Dagoberto, apesar de atuação interessante, não parecia estar no clima de festa. Rebateu orientações de Carpegiani sobre posicionamento e arrumou uma discussão desnecessária. Isso não é novidade na carreira do atacante, que já se desentendeu com Muricy Ramalho e Ricardo Gomes. O problema do atleta é simples: inteligência limitada, que não o permite perceber, inclusive, ser bem menos jogador do que ele próprio imagina.
Uma passagem curiosa. Durante a desinteligência, o técnico são-paulino chamou Dagoberto de “bobalhão”. Já ouvi muitas coisas em jogos de futebol, algumas quase impublicáveis, mas “bobalhão” é a primeira vez.

Espectador privilegiado

Passado o chilique, Dagoberto participou da trama que originou o terceiro gol. Ele fez passe a Jean, que sofreu falta na entrada da área. Rivaldo se aproximou da bola, mas foi somente espectador privilegiado da cobrança magistral de Rogério Ceni. Paulo Mussi nem saiu do lugar e o goleiro artilheiro marcou o terceiro do São Paulo e o incrível de número 97 na carreira. Ainda haveria tempo de Alessandro Cambalhota (que tomou chapéu de Rivaldo durante a peleja) diminuir, após bate-rebate na área Tricolor, fechando o placar da noite em 3 x 2.

Deu gosto e esperança

Em tempos de escassez de talentos, de muito marketing e mecanização no futebol, foi legal demais ver Rivaldo de volta aos campos. Claro que não dá pra usar o jogo de ontem como parâmetro, o adversário era frágil e é importante conferir qual vai ser o comportamento do atleta ao longo de uma sequencia de atuações. Contudo, é bom levar em consideração que o cara ficou em campo e correu os 90 minutos, tempo em que fez gol, deu chapéu, caneta, toque de letra e ainda contribuiu na marcação, principalmente depois da entrada de Fernandão em lugar de Zé Vítor, quando passou a jogar de segundo volante.

Com Rivaldo trazendo, finalmente, a qualidade de um grande camisa 10 ao time, mais as voltas dos garotos da seleção sub-20 e algumas contratações que estão chegando, pelo menos é possível sonhar com bons jogos do São Paulo este ano.

7 comentários:

Thalita disse...

Essa discussão do Carpegiani com o Dagoberto me chamou a atenção pela declaração do técnico depois do jogo. Foi algo do tipo "eu posso não ser um bom técnico, mas não abro mão da disciplina".
Pô, o cara admitir que pode não ser um bom treinador é uma raridade! Eu até posso achar q ele não é um bom técnico, mas o cara ganhou pontos comigo!

fredi disse...

Para ver como são as coisas, dois textos de sampaulinos e comentário de outra sampaulina num jogo contra o Linense.

Antes, vossas senhorias só se dignavam a dar palpites em jogos de final de Libertadores (sinal dos tempos).

E apenas uma provocação (rs).

Glauco disse...

Fredi, você fez a provocação que eu ia fazer três minutos antes, rs. Sobre as duas derrotas do SP, nem palavra, sobre a partida com Linense, o pessoal gasta o verbo...

Moriti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Moriti disse...

Pô, mó coincidência eu só escrever sobre vitórias este ano. Isso, contra os gloriosos São Bernardo e Linense. Só coincidência...

Respondendo vossas provocações,que parecem fruto de patrulhamento futebolístico, coisa orquestrada (não, não posso crer, Glauco, nessa história de "eu ia fazer a mesma provocação três minutos antes" rs) eu não aguentava mais falar mal do time. Creio que a "Era Ricardo Gomes" me exauriu.

Sobre tua observação, Thalita, muito bem lembrado. Bom trabalho de equipe! rs

Marcão disse...

O São Paulo perder é tão comum, de uns dois anos pra cá, que nem escrevo mais quando isso acontece. Vitória é tão difícil que merece até post...

Sobre o Dagoberto, concordo que ele é (muito) menos jogador do que pensa ser, ou que a diretoria sãopaulina e a mídia tentaram nos fazer crer quando foi contratado, mas justiça seja feita: o cara deu assistência para os dois primeiros gols e também o passe que originou a falta e o gol de Rogério Ceni, ontem. Ou seja, sem Dagoberto, teria sido 2 a 0 para o Linense, provavelmente. Não defendo o jogador e nem faço questão que fique, mas achei muito injusto não terem reconhecido o que fez no jogo de ontem.

Jian Zhuo disse...

oakley vault
adidas superstar
ugg boots
christian louboutin shoes
cheap jordans
michael kors outlet
birkenstock sandals
true religion
cheap jordans free shipping
rolex watches
20161130