Destaques

quinta-feira, maio 19, 2011

Dois craques, dois amigos e dois destinos distintos

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

No dia 20 de março de 2011, dois destinos que insistem em se cruzar escreveram mais um capítulo no futebol brasileiro. Naquele domingo, o frágil time do Imbituba foi goleado por 4 a 0, em seu próprio estádio, pelo visitante Avaí. A derrota contribuiu para que, menos de um mês depois, o clube fosse rebaixado matematicamente para a segunda divisão do Campeonato Catarinense. E o Avaí, apesar de não levantar o troféu estadual, seguiu para uma ótima campanha na Copa do Brasil. Ninguém reparou, naquela goleada em Santa Catarina, na simbologia por trás dos derrotados e vitoriosos. Pois bem: o técnico do Avaí era - e continua sendo - Silas (à direita), ex-jogador de seleção brasileira que surgiu no São Paulo, em 1984. E o treinador do Imbituba era ninguém menos que Muller (à esquerda), outro ex-jogador de seleção, mas principalmente companheiro inseparável de Silas naquele mesmo time sãopaulino conhecido como "Menudos do Morumbi", por causa de um conjunto musical da época.

A vitória de Silas sobre Muller, naquele dia, foi mesmo simbólica. Porque refletiu o atual momento dos dois ex-parceiros. O primeiro disputa a semifinal da Copa do Brasil, depois de despachar seu poderoso clube formador nas quartas-de-final, o São Paulo, e arrancar um importante empate ontem, no Rio de Janeiro, contra o Vasco. Mais um empate sem gols, em Florianópolis, e Silas levará o Avaí a uma inédita decisão, podendo alcançar o título e uma fantástica vaga na Libertadores de 2012. Já Muller, depois de ter sido demitido do comando do Imbituba quando o time foi rebaixado, em abril, surpreendeu o mundo do futebol esta semana ao revelar suas dificuldades financeiras, que o levam até a considerar a oferta de morar na casa do amigo e ex-lateral Pavão. Situação inimaginável para quem ganhou milhões em sua vitoriosa carreira como jogador, repleta de títulos - entre eles, uma Copa do Mundo e dois mundiais interclubes.

Quando surgiram para o futebol, em meados da década de 1980, Muller e Silas eram como gêmeos. Em campo, faziam tabelas e gols que maravilhavam a torcida. Fora dele, como bons evangélicos e "Atletas de Cristo", uniam-se para rezar e ler a Bíblia (foto acima). Depois de disputarem o Brasileirão pelo São Paulo como titulares, no início de 1985, foram convocados para a seleção brasileira sub 20 que venceu o Mundial da categoria na extinta União Soviética. O melhor jogador da competição foi Silas. Em seguida, ele e Muller levantariam outro caneco: o de campeão paulista pelo São Paulo. Era o primeiro título do time formado pelo técnico Cilinho, que conquistaria mais tarde, com a célebre linha de ataque Muller, Silas, Pita, Sidney e Careca (foto abaixo), o Campeonato Brasileiro de 1986 (tendo Pepe como técnico). Os dois companheiros, com 20 anos de idade, ainda disputaram a Copa do México pela seleção principal, que foi eliminada pela França nas quartas-de-final. Estavam os dois em campo naquela derrota por pênaltis (Silas substituiu Júnior e Muller deu lugar a Zico).


Os dois amigos ainda conquistariam, juntos, o Paulistão de 1987. A partir do ano seguinte, seus destinos se afastariam. Silas foi vendido primeiro, para o Sporting de Portugal. Muller foi logo depois, para o italiano Torino. Só se reencontrariam em 1990, na Copa da Itália, onde o Brasil fracassou novamente, dessa vez nas oitavas-de-final, diante da Argentina. Mais uma vez, ambos estavam em campo na fatídica derrota (Muller os 90 minutos e Silas entrou no lugar de Alemão). Então, os destinos bifurcaram. Silas seguiu carreira errática, pulando do Sporting para o Central Español, do Uruguai, e depois Cesena e Sampdoria, na Itália. Em 1992, voltou ao nosso país, onde venceu uma Copa do Brasil com o Internacional-RS. Depois foi pro Vasco (campeão carioca com Dener e Jardel em 1994), Kashiwa Reysol, San Lorenzo (na Argentina, onde foi ídolo), voltou ao São Paulo e passou sem destaque, até o final da carreira, em 2004, por Kyoto Sanga, Atlético-PR, Rio Branco-SP, Ituano, América-MG, Portuguesa e Inter de Limeira.

Já a trajetória de Muller é mais conhecida. Retornou ao São Paulo em 1991 e foi um dos líderes do extraordinário time montado por Telê Santana. Ganhou dois mundiais interclubes e duas Libertadores (em 1992 e 1993), uma Supercopa (1993), duas Recopas (1993 e 1994), um Brasileirão (1991) e dois Paulistas (1991 e 1992). Disputou a Copa do Mundo dos Estados Unidos, em 1994, e foi campeão como reserva. No ano seguinte, passou rapidamente pelo Kashiwa Reysol e desembarcou no timaço do Palmeiras de 1996, o dos 100 gols. Depois de nova passagem pelo São Paulo, foi para o italiano Perugia e voltou em 1997 para jogar pelo Santos. Mas foi no Cruzeiro onde brilhou pela última vez, conquistando a Copa do Brasil de 2000 e a Copa Sul-Minas de 2001. Isso valeu um contrato para uma passagem apagada no Corinthias, e depois ainda jogou pelo São Caetano, Tupi-MG, Portuguesa e Ipatinga, até se aposentar, em 2004 - curiosamente, no mesmo ano em que Silas parou.

Nos últimos seis anos, ocorreu a inversão no sucesso dos dois ex-companheiros. Rico, mas não milionário, Silas virou um modesto empresário em Campinas (SP), trabalhando com uma franquia de pastéis. Foi quando decidiu tentar a carreira como treinador de futebol. Para isso, começou humildemente como auxiliar do técnico e amigo Zetti nos times do Paraná, Atlético-MG e Fortaleza. E foi neste último que, em 2007, Silas teve sua primeira chance como técnico de fato, após a demissão de Zetti. Depois, foi para o Avaí (para onde retornou, atualmente), Grêmio e Flamengo. Já Muller, milionário quando abandonou a carreira de jogador, virou comentarista esportivo, no porgama "Apito final", da TV Bandeirantes, e também na SporTV. Foi aí que aceitou uma proposta do Santo André para ser diretor-executivo e responsável pelas categorias de base e do futebol profissional. Sem sucesso. Por isso, também tentou a carreira como técnico, primeiro no Grêmio Maringá-PR, depois no Sinop-MT e, por último, no Imbituba-SC. Só fracassos.

E foi assim que os dois se encontraram pela última vez, em março, na goleada do Avaí sobre o Imbituba. Nesse meio tempo, Muller perdeu quase tudo o que tinha e, agora, tenta se reerguer em nova chance como comentarista na SporTV, que o recontratou. Enquanto Silas se consolida como treinador, só nos resta imaginar onde e quando os destinos dos dois craques e companheiros irão se cruzar novamente. Tomara que, como nos tempos de "Menudos" sãopaulinos, ainda possam dar mais alegrias a todos os que os admiram e torcem pelo futebol brasileiro.

6 comentários:

Anselmo disse...

de dono de franquia de pastel pra técnico. desconhecia esse traço do Silas.

e excelente o recorte e a retrospectiva.

Camilo disse...

Excelente! Ganharia página inteira num (grande) jornal e uns trocados no bolso.
Parabéns!

João Quirino disse...

Ótimo texto. De fato, é impressionante como os destinos desses "irmãos gêmeos" tomaram rumos opostos. Parabéns.

Glauco disse...

Excelente o recorte e a retrospectiva. (2)

Moriti disse...

Excelente o recorte e a retrospectiva. (3)

Maurício Ayer disse...

Excelente.

Silas e Muller são como Anhanguera e Bandeirantes, nascem em São Paulo, seguem rumos paralelos, vão se trombando pelo caminho, e quando parece que vão se encontrar em Campinas, uma morre em Cordeirópolis e a outra segue viagem até o limite do estado.