Destaques

quarta-feira, junho 08, 2011

Seleção ganha da Romênia e é vaiada na despedida de Ronaldo

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Vamos tirar logo esse assunto do caminho pra chegar ao futebol propriamente dito: Ronaldo, o Fenômeno, teve sua festa de despedida oficial pela Seleção Brasileira. Foram 15 minutos pesadamente caminhados em campo, que contaram com passes eficientes de primeira e três finalizações, duas no gol, obrigando a defesas do goleirão romeno, e uma em consistente trajetória rumo à lua. Enquanto esteve em campo, foi obviamente o foco das atenções de todos, inclusive de seus colegas de seleção. Saiu, fez uma volta olímpica também caminhada com os dois filhos, Ronald e Alex, e um assessor de imprensa que orientava poses meio lamentáveis com uma bandeira Brasileira. Falou rapidamente, pediu desculpas pelos três gols perdidos, agradeceu o povo brasileiro por aceitá-lo como ele é, e foi embora, pronto para novos negócios.

Pronto, falemos pois da Seleção Brasileira de nossos dias. Mano Menezes mudou o time em relação ao empate com a Holanda, trocando Elano por Jadson, que pouca gente sabe quem é ou o que vem fazendo no time. Pois sabe que pelo menos um pouco hoje ele mostrou: tocou a bola com consciência, indo além do óbvio em diversos momentos, fez o time jogar. Outro que saiu do time foi Ramires, dando lugar a Elias, que também foi melhor que o antecessor, dando mais dinâmica à saída de bola.

No primeiro tempo, a fraca Romênia foi facilmente envolvida, culminando com o gol de Fred que, vamos e venhamos, joga mais que Leandro Damião. Foi ele que saiu para entrar Ronaldo, que deu lugar a Nilmar no segundo tempo. Etapa que começou mais devagar, com o time meio preguiçoso e a Romênia incapaz de furar a impressionante zaga brasileira. Tanto Lúcio quanto David Luiz jogam muito (ainda que pouco pressionados), mas o segundo me impressiona pela velocidade e precisão nas antecipações.


O jogo prosseguiu sob absoluto e agora meio sonolento controle da seleção. Marcação no campo do adversário, zaga quase no meio campo, um monte de chutes a gol contra um ou dois da Romênia no período inteiro. Mas gol que é bom, manga. E com isso, o impaciente público presente ao Pacaembu vaiou sonoramente o escrete canarinho e aplaudiu os momentos romenos com a posse de bola.

Interessante isso. O jogo foi meio devagar, é verdade, mas não acho que fosse causo de vaia - e ainda mais de ir embora no meio da segunda etapa depois de gastar uma grana na entrada. Algum comentarista após o jogo da Holanda atribuiu as vaias à mudança de público causada pelos preços e esquema de distribuição dos ingressos. Não é necessariamente o cabra viciado em futebol que vai ver o jogo, mas uma galera de poder aquisitivo maior, que vai mais pela festa. E quando não rola uma goleada, acha que o mundo acabou. Pode ser isso, ou pode ser que eu ande com o saco excessivamente elástico. Vai saber...


Convocação para a Copa América


Saiu agora a convocação para a Copa América. Nenhuma surpresa, se você pensar no que ano Menezes fez até aqui. Na minha cabeça, o time titular na cabeça do técnico deve ser o seguinte: Júlio César; Daniel Alves, Lúcio, David Luiz, André Santos; Lucas Leiva, Ramires, Ganso; Neymar, Robinho e Alexandre Pato.

Na minha cabeça, eu trocaria Ramires por Elias. Mas não vejo problemas na lista do técnico. Na defesa, só André Santos pode ser questionado em favor do não convocado Marcelo. No meio, Hernanes poderia ser lembrado – a despeito do golpe de caratê que aplicou no jogo contra a França. No ataque, gosto mais de Nilmar que de Fredi, mas entendo a vantagem de ter um cara mais forte como opção de centroavante. Alguém mais?


Goleiros - Júlio César e Victor

Zagueiros - Lúcio, David Luiz, Luisão e Thiago Silva

Laterais - Daniel Alves, Maicon, Adriano e André Santos

Volantes - Lucas Leiva, Sandro, Ramires e Elias

Meias - Elano, Jadson e Ganso

Atacantes - Lucas, Neymar, Robinho, Fred e Alexandre Pato


(atualizado à 00h37)

12 comentários:

Marcão disse...

Inacreditável: o Brasil conseguiu jogar pior do que contra a Holanda. Fora o gol do Fred, as únicas chances de gol foram as três do Ronaldo Gordo...

Maurício Ayer disse...

Agora, não sei se a Romênia entregou a cocada, se não acreditou que um hipopótamo daqueles poderia fazer alguma coisa, se o Neymar (e o Elias) resolveu que ia dar a assistência pro gol do Ronaldo ou se o cara, mesmo em estado mórbido de obesidade, ainda consegue se posicionar melhor que todo o ataque brasileiro. Com uns trinta quilos a menos, ele teria acertado o ponto de equilíbrio e engavetado os três gols.

Edu Maretti disse...

Já na minha cabeça, eu trocaria Ramires e Elias por Arouca e Hernanes...

Glauco disse...

Era o time B/C da Romênia, só com jogadores que atuam no país e o circo que foi a partida não permite muitas comparações com o jogo anterior, que era um amistoso um pouquinho mais sério. De toda forma, o Ronaldo poderia ter se despedido sem aquela finalização patética de aposentado na cara do gol... Ah, sim, e vamos ficar com a impressão de que ele se posiciona melhor do que a maioria dos atacantes de hoje. As partidas contra o Tolima mostraram bem isso, baita posicionamento!

Quanto à dupla de volantes, concordo com o Edu. Mas não quero que a CBF tire o Arouca do Santos, que Mano Menezes continue com seus protegidos.

Nicolau disse...

Arouca poderia estar lá, sem dúvida, mas pra mim entraria na vaga de Sandro, como primeiro volante. Mas pode trocar, acho os quatro no mesmo nível. Se os santistas quiserem buscar o Wesley também eu topo, sem crise.
O que acho realmente curioso sobre as críticas à seleção desde o período de Dunga é que todo mundo acha a escalação uma merda, mas ninguém propõe mais de duas mudanças nos "protegidos" do treinador de turno. Ou alguém acha que trocar Elias por Arouca faria entrar os trocentos chutes a gol do time ontem e contra a Holanda?
Não que os últimos jogos tenham sido uma maravilha, mas queria críticas mais abrangentes. O time joga na frente, marca a saída de bola, toca a bola, cria chances, leva pouquíssimos gols. O problema, bem grande, por sinal, é que os atacantes não colocam pra dentro. E também acho que o segundo tempo de ontem mostrou, sei lá, uma certa preguiça da galera. Vamos ver como fica quando o bicho pegar numa competição oficial.

Maurício Ayer disse...

Gosto do Arouca, mas ainda prefiro Elias.

Leandro disse...

Gostemos ou não, o Gordo foi o atacante que mais perigo levou àquele timeco da Romênia em mais de 90 minutos.
Mas que isso não seja motivo para o Desmanchez tentar convencer o cara a jogar algumas partidas do Brasileirão. Isso não, por favor...

Leandro disse...

Quanto aos volantes, Elias, Cristiian e Jucilei seriam ótimas opções para Mané Meneses escolher como melhor lhe parecesse, mas infelizmente para eles e para a seleção, os dois últimos resolveram se esconder e ficaram com poucas possibilidades de convocação desde então.
Tudo bem que alguns vão falar que o técnico teria que sair por aí vendo os caras, mas este mundo é grande demais, nossa mídia futebolística só vê a Europa Ocidental no mapa mundi, e então, eles que vão reclamar aos empresários que os convenceram de ir para onde foram e que podem ter causado um prejuízo irrecuperável às suas carreiras.

Glauco disse...

Mas se Gordo foi quem levou mais perigo, o que dizer do jogador que deu duas assistências pra ele desperdiçar, fez a jogada do gol e deu outra assistência de letra pro André Santos mostrar aquilo que ele sabe?

Nicolau disse...

Glauco, é preciso mesmo comparar o aposentado com o Neymar?

Glauco disse...

Quem fez a comparação do Ronaldo com a rapa não fui eu, leia os comentários acima. Mas o Uol foi bem mais direto. Aí sim é o caso de perguntar o porquê da comparação. Mas acho que tá bem fácil saber o (s) porquê (s), né?

Daniel disse...

Concordo com o Nicolau. O pessoal tem que aceitar que o Brasil não tem tantos craques. Todos que reclamam das convocações/escalações não conseguem montar um time sem que pelo menos 15 jogadores sejam os mesmos. 5 ou 6 discordâncias são normais quando os jogadores são apenas medianos. Entre inúmeros razoáveis, cada um tem a sua preferência.