Destaques

segunda-feira, junho 06, 2011

Sem Clube F.C.

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Pesquisando o destino de alguns artilheiros do São Paulo, me surpreendi com a quantidade de gente que está sem clube - alguns em transição, há pouco tempo, mas outros com um ano ou mais sem atuar (e não por culpa de contusão). Vamos a alguns deles:

França - Quarto maior artilheiro do São Paulo em todos os tempos, com 182 gols, o maranhense Françoaldo Sena de Souza, 35 anos, está há 11 meses parado. Depois de cinco anos no Kashiwa Reysol, do Japão, rescindiu seu contrato em julho de 2010. E está parado, desde então.

Belletti - Contemporâneo de França no São Paulo, o paranaense Juliano Haus Belletti, que completará 35 anos no próximo dia 20, estava no elenco do Fluminense campeão brasileiro do ano passado. Experiente, com passagens pelo Villareal, Barcelona e Chelsea, também segue sem clube.

Mineiro - Herói da conquista do Mundial de Clubes pelo São Paulo em 2005, quando marcou o gol da vitória do São Paulo sobre o Liverpool, o gaúcho Carlos Luciano da Silva, 35 anos, atuou pela última vez no Schalke 04, da Alemanha, na temporada 2009-2010. Depois disso, mais nada.

Alex Dias - Muita gente pensa que o matogrossense Alex Dias de Almeida, 39 anos, já pendurou suas chuteiras. Apesar de ser visto em partidas de showbol, com outros ex-boleiros, o atacante segue à procura de um clube. Em novembro de 2010, foi dispensado pelo América-RJ.

Fernandão - Depois de um ano no São Paulo, o goiano Fernando Lúcio da Costa, 33 anos, rescindiu contrato e procura novo clube. Especulações davam como certa sua contratação pelo Palmeiras mas, por enquanto, nada foi definido. Seu empresário diz apenas que tem "quatro propostas".

Ilan - No São Paulo, entre 2000 e 2001, a passagem do paranaense Ilan Araújo Dall'Igna, hoje com 30 anos, foi apagada. Em seguida, porém, foi campeão brasileiro pelo Atlético-PR e partiu para a França e depois Inglaterra. Estava no Internacional-RS, mas foi dispensado há seis meses.

12 comentários:

Glauco disse...

Se ressuscitarem o campeonato de Masters (alô, Luciano do Valle), alguns desses têm lugar. Outros não vão servir sequer pra isso.

Marcão disse...

Sobre o Mineiro, acho curioso que ele esteja há mais de um ano sem jogar e que continue lá na Europa. Está sobrevivendo de quê? Pesquisando na internet, não conseguir saber nada além de que rescindiu o contrato com o Schalke 04 no primeiro semestre do ano passado.

Nicolau disse...

Deve estar vivendo da grana que ganhou como porcentagem da transferência, além dos polpudos salários. Se eu ganhasse 100 mil por mês durante dois anos, me aposentava na hora.

Marcão disse...

Se eu ganhasse 100 mil por mês durante um mês, me aposentava na hora.

Maurício Ayer disse...

Se falarem com o Romário, o Junior, o Wladimir e outros tantos aí, não hesitam em formar um time pra desafiar times da ativa.

Camilo disse...

Ontem eu pensava nessa coisa de jogador com contrato, mas afastado e topei com uma matéria no UOL sobre o Fábio Costa. Lembrei do Pet, que tava afastado tb e agora aposentado. E lembrei também do Carlos Alberto (o popular Cazalbé, ex-Grêmio, tá onde?). Juntando com os Sem-Clube acho que dá pra montar um time, não? Que nome teria? Renegados F.C.?

Marcão disse...

Muito bom o Renegados F.C., podia ter o Leão de técnico, ou o Estevam Soares. E o Carlos Alberto desembarcou rececentemente no Vasco da Gama. É outro que deve ter um empresário muito bom e bem relacionado...

Glauco disse...

O Carlos Alberto foi pro Bahia, onde estão outros renegados como Ricardinho, Jóbson, Fael, Lulinha e cia. limitada.

Marcão disse...

Pô, então o Bahia já é o próprio Renegados F.C.! Sensacional! Quem é o técnico desses caras?

Glauco disse...

Renê Simões, Marcão. Técnico ideal, rs.

Marcão disse...

Putz, bem apropriado, mesmo! - rsrsrs

E o Bahia tá com três renegados pelo São Paulo: Carlos Alberto, Ricardinho e Jancarlos. Que fase...

Eduardo Pontin disse...

França e Mineiro, dois dos maiores ídolos da história recente – e por que não de toda história? - do São Paulo encontram-se em clubes pequenos de Japão e Alemanha, respectivamente.
Françoaldo Sena Souza é dono da camisa 8 do Yokohama F.C., clube fundado em 1999 e que ocupa a antepenúltima(18)posição da segunda divisão da J-League 2011. Maior artilheiro do SPFC em atividade(182 gols), chegou a declarar em janeiro de 2006 ser obcecado pelo posto de maior artilheiro(S. Chulapa, 243). À época, a diretoria são paulina tinha grande interesse no atacante, bem como as de Santos, Cruzeiro, Corinthians e Internacional. Leia-se: O São Paulo acabara de sagrar-se campeão da Libertadores e campeão Mundial. Todavia vinha de anos sem nenhuma glória. Havia sofrido uma baixa no ataque com a lesão de Grafitte que só fora preenchida com a contratação, as pressas e em plena semi-final do torneio Sul-Americano, de Amoroso, que deu conta do recado. Luizão, após a conquista, recebeu ótima oferta do Nagoya Grampus do Japão e se mandou. Christian, ex Internacional, fora então contratado e, sem êxito, não convenceu. Diego Tardelli, apesar de boas atuações, nunca gozou de confiança no clube por sua irregularidade e intempestividade de ânimo. A solução foi ir atrás do centroavante do rival Atlético PR. Aloísio, mais uma vez as pressas, foi contratado para a disputa do Mundial. Mais uma vez, a diretoria acerta e, com passe do alagoano para o gol de Mineiro, o São Paulo alcança a glória maior.
Ou seja, apesar das conquistas, o ataque ainda era uma posição volúvel naquele São Paulo de então. E França, ainda com 29 anos, interessava e muito. Entretanto, o atacante não tinha planos de voltar ao Brasil tão cedo:
“Mas não está nos meus planos voltar agora para o Brasil. Eu gosto de morar lá fora(Japão) e não vou sacrificar a minha felicidade. O meu projeto é voltar com 33 anos, assim como o Élber e o Giovanni fizeram.” Claro que França preferia retornar ao clube que lhe deu projeção ao mundo e a seu país, entretanto o atacante deve ter sido orientado a fazer esse trajeto supracitado a fim de fazer um bom pé-de-meia.
Nos três anos seguintes, o SPFC sagrou-se Hexa-Campeão brasileiro, num Tri campeonato inédito. 2009, ano em que França calculou para seu retorno, o São Paulo estava gordo, soberbo, transbordando empáfia. Resultado: erro de cálculo, SR. Françoaldo.
Luis Fabiano, num retorno digno de um grande ídolo, como um sábio grego, concedeu declaração histórica “Dinheiro não é tudo na vida. Nada paga a felicidade que sinto por voltar a vestir a camisa do meu time de coração. Devo tudo que tenho ao São Paulo. Tenham certeza de que suarei muito essa camisa e irei fazer muitos gols.” Isso no ano seguinte de uma Copa do Mundo pela seleção brasileira em que foi o dono da camisa 9.
É, Françoaldo, coisas que o dinheiro não compram. Seu nome, reluzente como maior artilheiro do SPFC. Fabuloso, se não me falham os cálculos, está com 123 gols. Assinou por 4 temporadas. Não duvido que conquiste o posto que França tanto almejava.

Mineiro, quando disputou a Copa do Mundo de 2006 já estava com 31 anos. Após sua ida para Alemanha - assim como França em 2002 – teve carreira regular no Herta, atuando por duas temporadas. Depois, uma passagem rápida pelo futebol inglês, atuando pelo Chelsea. Um retorno a Alemanha, na temporada de 09-10 pelo Schalke 04. Após um período de um ano sem clube, Mineiro foi contratado pelo desconhecido TuS Koblenz na comemoração de 100 anos do clube com status de grande estrela. O clube disputa a quarta divisão do Campeonato alemão, e se não bastasse, é o lanterninha. Remunera o herói tricolor com modestos 2 mil euros por mês.
Coisas do futebol.