Destaques

domingo, agosto 21, 2011

Lupicínio pelo avesso

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Começa o show com o Arrigo Barnabé sentado ao piano, a voz maturada na cerveja se vingando na afinação, dá para pensar que vem pela frente uma soirée sofrível. Mas logo as coisas começam a fazer sentido. Ele se levanta e vai ao microfone, Paulo Braga se dirige ao piano, Sergio Espíndola pega do violão. A gravata rota como a voz, o cabelo amassado como a camisa vermelha, um paletó que ele deve ter usado na formatura do primeiro amigo, o conjunto formava o estranho cenário de um espetáculo iconoclasta (o que é estranho para um concerto homenagem).

A canção que abre, “Cadeira vazia”, é uma das mais conhecidas de Lupicínio. Descreve a volta da mulher à casa do amante abandonado, que a recebe pedindo que fique à vontade – é evidente que sua presença permaneceu no lugar, a cadeira dela ainda está vazia. Mas os versos que sintetizam o show que acaba de começar são: 

Voltaste, estás bem, fico contente
Mas me encontraste muito diferente


Com a voz e a cara de louco do Arrigo, nota-se que a “diferença” aqui é diferente do que as costumeiras interpretações da canção normalmente exploram: o cara não se prostrou deprimido, pegou uma tangente e surtou; não está imobilizado por ter desistido da vida, ao contrário, mandou ao inferno o bom senso e agora parece capaz de qualquer coisa. Essa é a tônica do sensacional show Caixa de Ódio – o universo de Lupicínio Rodrigues, a que assisti no sábado passado no “pequeño teatro” Casa de Francisca.




Um outro Lupicínio Rodrigues

Como se sabe, a fronteira entre o trágico e o cômico é tão precisa quanto escorregadia. Um fio além da medida e o mais terrificante dos destinos pode provocar gargalhadas; e, no entanto, a tragédia sempre nos seduz a ir mais longe.

Fato é que ninguém é trágico sozinho; quem está só sem qualquer outro que se identifique com sua tragédia pode esperar pelos risos certos. A velha fórmula não falha: tragédia é se acontece comigo; comédia é se acontece com os outros. Quem não souber fazer dos outros seus iguais, todos vivendo a mesma tristeza, há de despencar num irrisório ridículo.

Mas o herói trágico do Arrigo é um pouco distinto. No momento mesmo em que se sente no fundo do cinzeiro, resolve se descolar de si mesmo e observar-se à distância, desprendido de seu próprio destino, sem levar-se a sério (mas também sem eliminar as circunstâncias terríveis que sofre). Assim, o rei da fossa e seu irônico alterego convivem na mesma voz. É esse ponto de fritura – singular e bizarro – que Arrigo Barnabé descobriu em seu show.

O homenageado Lupicínio é pego pelo seu avesso numa manobra não exatamente simples. Pois ridicularizar sua dor-de-cotovelo seria inócuo, poeticamente improdutivo – neste caso, melhor seria ignorá-lo. Arrigo conseguiu descobrir o Lupicínio sarcástico que talvez nem o próprio compositor conhecesse em si mesmo; ao erigir sua láurea, acaba por subverter e bifurcar o homenageado, tornando-o mais múltiplo do que era antes.

Um bom exemplo é “Namorados” – breve canção em que os dois pombinhos se tornam gaviões depois de casados. Interpretada em dueto com Sérgio Espíndola, é digna de inspirar a criação de um Dia do Orgulho Hétero. Noutro caso, a excepcional “Vingança”, a peça é liberada de todo pudor:

Eu gostei tanto,
Tanto quando me contaram
Que lhe encontraram
Bebendo e chorando
Na mesa de um bar,
E que quando os amigos do peito
Por mim perguntaram
Um soluço cortou sua voz,
Não lhe deixou falar.
Eu gostei tanto,
Tanto, quando me contaram
Que tive mesmo de fazer esforço
Pra ninguém notar.


“Dizem que essa canção é triste? Ah, que é isso...”, riu-se o Barnabé. Fizeram em versão ieieiê, dando voz e presença ao personagem cuja alegria não lhe cabe na pele por finalmente comer fria a tão ansiada vingança. É, na realidade, o apogeu do contraste dos dois polos da manguaça. De um lado, temos ele, feliz a brindar com os comparsas a saborosa e redentora conclusão de uma mal-fadada história de amor; de outro, está ela, deprimida afogando-se na cana. Antes de Arrigo, prevalecia na interpretação o ponto de vista dela, triste, embora o locutor da história seja ele, para quem é uma canção festiva!

A canção-título do concerto traz um outro viés:




“Tem coisas que às vezes julgamos / que até nos achamos capaz de fazer / Até num coqueiro às vezes trepamos / depois não sabemos por onde descer” (?). A metáfora é bem interessante, mas a imagem de trepar no coqueiro e não conseguir descer permanece bizarra. Como muito bem apontou o Arrigo, há muitos indícios de que essa história de bom gosto era totalmente sem importância pro Lupicínio. “O outro lado da moeda”, definiu. Efetivamente, a riqueza de suas canções não deve nada a nenhum dos mestres da música brasileira, qual Noel ou Cartola; mas não se pode negar que em certos aspectos ele não respeita muito os limites do razoável.

Por essas e muitas outras, não se deve perder a oportunidade de ver esse show. Vez por outra ele ressurge em algum lugar (muitas vezes na Casa de Francisca).

Causo do Vavá


Numa dessas noitadas, o Marcão contou que viu um documentário em que aparecia o senhor Barnabé, lhe perguntavam sobre um lugar de São Paulo que achasse significativo, e ele de bate-pronto indicava o bar do Vavá. Depois do show, sentados todos à mesma mesa, puxei o tema e Arrigo logo reavivou recordações do saudoso Gardenburger, sob o olhar curioso de nossos colegas de mesa. Quem não viveu o bar do Vavá pode ter certa dificuldade em visualizar um chapeiro com dois bonés um sobre o outro, fazendo seu churrasco com queijo recheado de azeitonas pretas, em meio a uma profusão de pôsteres do Elvis, uma TV mumificada em durex e a imagem de João Paulo II abençoando, da porta de uma geladeira de cerveja, o caminho do banheiro. 

Arrigo não sabia da morte do Vavá (clique aqui para ler a entrevista do Futepoca com o Vavá), ficou bastante triste, e me perguntou sobre seu irmão João (o chapeiro), mas eu não tenho informações recentes. Ele então se lembrou de quando teve um problema de pele e um amigo lhe passou o telefone de um tal Washington, que vendia um unguento verde, natural, muito bom. Ao ligar, notou alguma familiaridade na voz, mas finalmente marcou de ir ao escritório do Washington na Teodoro Sampaio pegar o pote do remédio. Quando chegou e a porta se abriu, o susto: “Vavá!?”. Parece que o preparado do ex-árbitro e anfitrião de botequim, feito à base de pata-de-vaca, era excelente.

11 comentários:

Nicolau disse...

Belo e inspirado post, Maurício. O show saiu de cartaz? Puta vontade de ver. E um brinde ao saudoso ex-árbitro, ex-jogador, ex-técnico, dono de bar e preparador de unguentos Vavá.

David J. Pereira disse...

Boas!

Devo dizer que gosto imenso deste blogue!

Podem adicionar os meus aos vossos links? Eu prometo que retribuo :p

http://davidjosepereira.blogspot.com/

Saudosos cumprimentos!

Maurício Ayer disse...

O show não está em temporada, ele acontece esporadicamente em locais como este Casa de Francisca. Se souber que vai rolar, aviso.

Karin disse...

O show está sempre em cartaz, mas atualmente em dias variados. Sábado que vem, dia 27/08, tem de novo! Na Casa de Francisca www.casadefrancisca.art.br
Eu adoro esse show!
E a canção "Rainha do show"?
- "Mas, nessa mulher divina,
que aos homens tanto alucina, quando o pano vai baixar,
só eu revejo a menina,
que num portão, numa esquina,
eu ensinei a beijar".
É lindo!

Anselmo disse...

excelente! Puta vontade de ver (o show) 2.

agora, eu sabia que chá de pata de vaca era indicada pra controlar diabetes, mas uguento pra pele?

Maurício Ayer disse...

Karin, querida, valeu pela informação. 27/08, portanto, tem uma oportunidade.

O Casa de Francisca, diga-se, é um lugarzinho genial. Um pouco caro, talvez, mas justifica-se pela pequenez do espaço: tem só uns 40 e poucos lugares. O lugar é uma casa velha que sobreviveu em meio aos prédios do Paraíso, dentro da qual construíram um espaço que parece um minicinema de interior, todo decorado em vermelho e verde, com uns pratos originais e muito bons.

Anselmo, teve ainda uma lebre polêmica levantada nesta conversa com o Arrigo. Segundo ele, o apelido do Vavá é de criança, pois os coleguinhas tinham dificuldade de falar Washington. Ou seja, o Vavá é na verdade Wawá! Mas essa versão contrasta com aquela que o próprio epitetado defendeu na entrevista do Post 1000, de que a razão era a semelhança de seu jogo ao do atacante da seleção de 58. Com quem estaria a verdade histórica?

Karin disse...

Pessoal do Blog, não consigo ler a entrevista com Vavá ... clicando no "clique aqui para ler a entrevista do Futepoca com o Vavá" dá erro, error 404 ... e procurando pelo Blog com o nome Vavá só aparece esse post sobre o Arrigo, com comentários sobre o Vavá ...

Karin disse...

Apesar do futebol ser o rei dos assuntos por aqui até no nome, com 50% dedicados à ele, e o dito cujo futebol ainda não ser a maior razão da minha existência, gosto muito da forma divertida, sensível e interessante com que vocês abordam os assuntos!
Parabéns mesmo! Altamente recomendável e seguível!

Maurício Ayer disse...

Oi Karin, aqui vai o link pra entrevista do Vavá, o patrono do Futepoca:

http://www.futepoca.com.br/2007/04/post-1000.html

bjos

Karin disse...

Bela homenagem ao patrono!
Quanto ao Bento XVI, Vavá estava certo em deixar um espaço menor prá ele. Haha!! Figura ...
Obrigada! Beijos!

Karin disse...

Pessoal, dia 24/09 próximo tem show "Caixa de ódio" na Casa de Francisca!
Provavelmente às 22h30. Mais informações no site da casa www.casadefrancisca.art.br