Destaques

sábado, fevereiro 16, 2013

Maluf e o Minhocão

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Construção do Minhocão, em 1970 - e só neste ano
O ex-governador Paulo Maluf, o mito, publicou recente artigo na Folha de S. Paulo (aqui só para assinantes) indo contra as repetidas propostas de demolição do Minhocão, uma das mais emblemáticas e criticadas de suas obras na capital paulista. Segundo ele, o trambolho “é parte de um sistema viário que liga as regiões oeste e leste por cerca de 15 viadutos e passagens de nível” construídos em seu mandato como prefeito que tornam possível trafegar em São Paulo.

Discordo dos argumentos do ex-governador em favor de sua homenagem ao ditador Costa e Silva por princípio, já que prefiro uma cidade projetada mais pra pessoas e menos pra carros. E aquelas toneladas de concreto em cima de uma região rica em residências, comércios, bares e coisa e tal – ou seja, de vida – não ajuda em nada.

Mas o que chamou de verdade minha atenção foi um trecho em que Maluf se gaba da parte “mas faz” daquele que se tornou o lema não assumido de suas gestões. Segundo ele, o elevado foi construído em “prazo recorde”, com obras começando em outubro de 1969 e entregues em janeiro de 1971. “Que saudades do tempo em que obras dessa envergadura eram feitas em um ano e meio. Me dá tristeza ver, no Brasil, obras paralisadas há 10 anos”, lamenta, em referência que em meus ouvidos lembrou as obras intermináveis da Linha Amarela do Metrô e do Rodoanel. Discordo de quase tudo que o cara fala, mas tenho que reconhecer que ele é bom de retórica.

A comparação também me fez pensar nos estilos e visões de governo dos representantes da direita paulistana nas últimas décadas. A compulsão por concreto armado como instrumento de políticas urbanas parece um ponto em comum – deixando aqui de lado qualquer acusação de corrupção e ignorando propositalmente o papel de cada um no período ditatorial. Lembro da solução proposta por Serra para o trânsito, com a ampliação das pistas da Marginal Tietê. Gastou R$ 10 bilhões, impermeabilizou anda mais o solo da região e em menos de seis meses a lentidão do tráfego já tinha ultrapassado o nível pré-intervenção.

Uma obra que deixa as semelhanças ainda mais claras talvez sejam os monotrilhos em construção em várias partes da cidade. Como conta aqui a urbanista Raquel Rolnik, as populações de Mboi Mirim e Morumbi têm protestado contra a construção, usando como exemplo casos de degradação urbana ocorridos em decorrência de opções semelhantes em outras cidades do mundo.

Enfim, o tempo passa, o tempo voa, e certas ideias continuam não sendo muito boas. Abaixo, o ex-governador Paulo Maluf, ele mesmo, defende a construção do Elevado. Reparem como ele enche a boca para dizer que se trata da “maior obra em concreto armado da América Latina”:



PS.: Cabe destacar que mesmo reconhecendo os impactos negativos que teve na região, Rolnik não vê como demolir ou desativar o Minhocão sem uma alternativa viável de mobilidade urbana não baseada no carro. Além disso, vê nas proposta apresentadas na gestão Serra-Kassab o risco de expulsão de moradores tradicionais das regiões, que seriam transformadas em “novas Berrinis”.

2 comentários:

Marcos Futepoca disse...

Excelente post.

Mais do que o Minhocão, a cidade de São Paulo deveria ser demolida e construída de novo. Ou não...

Anselmo disse...

a fixação pela "maior obra" de "concreto armado" (que viria a ser chamada de "minhocão") é tão repleta e referências fálicas que freud preferiria não explicar. "às vezes uma minhoca é só uma minhoca", talvez ele dissesse.

excelente post, de fato.