Destaques

segunda-feira, outubro 05, 2015

Não bebo cerveja light

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

A antiga 'Padrogas', no bairro Pinheiros
Sete anos atrás, registrei aqui no Futepoca o bizarro episódio do aparecimento de um rato na antiga Padrogas (apelido "carinhoso" de uma padaria/buteco de Pinheiros, em São Paulo), num dia em que eu manguaçava com o camarada Don Luciano (leia aqui). O animal surgiu por baixo da mesa aquecida de comida self service (!), roçou a perna do Luciano (!!), fez um pit stop embaixo da mesa de duas moças (!!!) e, depois de escalar a tela da janela (!!!!) e tentar fugir para a rua, sem sucesso, fez o caminho de volta e sumiu na direção da cozinha (!!!!!), provocando, lógico, grande confusão - e nojo. "O pior da história é que a Padrogas é uma daquelas padarias metidas a besta, que passam por uma reforma visual só pra cobrar mais caro por tudo o que vendem", observei, na ocasião. Por esse motivo, ao dirigir-se ao caixa para acertar a conta, Don Luciano exigiu: "Desconto-rato, minha senhora! Ou não vou pagar nada!" Diante da - justificada - insistência, descontaram R$ 9 do que devíamos, o que representava cerca de 34% do total (deu R$ 26 e pagamos R$ 17).

Pois agora esse longínquo incidente, que provocou tanta revolta, me parece completamente insignificante comparado ao que ocorreu na cidade de Monclova, no Norte do México, semana retrasada. O advogado Gilberto Haro Martínez parou em um posto de gasolina e comprou uma cerveja Tecate Light. Depois de beber metade da lata, notou que havia alguma coisa estranha dentro dela... E era simplesmente uma ratazana! (leia aqui) A cervejaria Heineken de Cuauhtémoc-Moctezuma, que envasou o produto, tratou de recolhê-lo rapidamente e, dias depois, emitiu comunicado (leia aqui) dizendo que não era uma ratazana, mas um fungo (!) "que existe no meio ambiente de forma natural e que pode crescer em qualquer alimento ou bebida" (!!). Porém, fica difícil crer nessa avaliação diante das fotos tiradas pelo (infeliz) consumidor, que mostram um "cadáver" de pelo escuro dentro da lata e, saindo de sua "boca", algo que parece a pata de um roedor (imagens abaixo). Segundo consta, além de entregar voluntariamente para a cervejaria a lata contendo a nojeira, o - infeliz - consumidor, que, como dito, é advogado, revelou que não vai mover processo judicial (!!!). "Não tenho esta intenção [de processar a cervejaria], mas só queria compartilhar [as fotos da cerveja com a ratazana nas redes sociais] porque essa cerveja vende muito", disse Gilberto Haro. E sabem qual foi o "deconto-ratazana" que ele recebeu como "indenização"? Um pacote com seis cervejas Tecate Light (!!!!). Credo.

'Cadáver' peludo dentro da lata e a 'patinha' saindo pela boca: cervejaria diz que é 'fungo'

P.S.: Com ou sem ratazana "de brinde", a Tecate Light já não é, digamos, muito bem avaliada entre os consumidores/"militantes da causa". No site "Brejas", valendo o máximo de 5 pontos, Francisco Lima deu nota 1,8 a ela - leia aqui - e deixou um comentário arrasador (os grifos são meus): "Aroma horrível com notas predominantes de enxofre, limão e xarope de milho. (...) Corpo aguado." Como diria o De Faria, "eu passo".


0 comentários: