Destaques

quarta-feira, outubro 14, 2015

'Nenhum trabalhador pode baixar a guarda'

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Armínio queria mínimo ainda mais mínimo
Há exatamente um ano e meio, no início da campanha para eleição presidencial, fiz um post aqui no Futepoca intitulado "Projeto principal da oposição: contra os trabalhadores". Na época, o (nefasto) Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central nos tempos bicudos de FHC e escolhido pelo candidato tucano à presidente Aécio Neves como seu provável ministro da Fazenda, escancarava: "O salário mínimo está muito alto" (relembre clicando aqui). Emir Sader denunciaria, mais tarde (leia aqui), que esse era apenas um dos pontos de um "plano terrorista" que teria como objetivo, também, "implementar uma forte política de corte de salários, tanto do setor público, como pressionando as negociações no setor privado" e "promover o desemprego para favorecer as condições de negociações dos empresários com os trabalhadores e os sindicatos".

Campos não via como aumentar empregos
"O único projeto nítido, coeso e concreto da oposição brasileira: desmerecer, desacreditar e destruir toda e qualquer política voltada para os trabalhadores", eu escrevia, em abril de 2014, ao citar, junto com a declaração de Armínio Fraga sobre o salário mínimo, a afirmação de Eduardo Campos, durante um evento em São Paulo (leia aqui), de que "não tem mais como crescer pela quantidade [de empregos] no mercado de trabalho". E relembrava, ainda, um post do camarada Glauco (leia aqui) sobre um comentário do Merval Pereira durante as manifestações de 2013 (o grifo é meu): "As reivindicações eram coisas muito específicas da classe trabalhadora". "Ou seja", concluiu o Glauco, "como o trabalhador, pelo silogismo mervaliano, não é 'povo', suas bandeiras não interessam ao resto da sociedade".

Joaquim Levy, 'arauto' do temível ajuste fiscal
Por tudo isso, eu encerrava meu post alertando: "Se você é trabalhador, já entendeu o que está em jogo". Pois bem: Dilma Rousseff se reelegeu e enfrenta uma das piores tempestades políticas da História de nossa República, com forte ameaça de ser apeada do cargo. É óbvio que, além dos opositores, muitos de seus próprios eleitores não estão contentes com o governo e nem com disposição alguma para defendê-lo. Afinal, diante das intempéries econômicas e da pressão dos adversários, Dilma deu passos para trás nomeando Joaquim Levy ministro da Fazenda e dando "carta branca" ao temível "ajuste fiscal". Por isso mesmo, não é à toa que o 12º Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores (Concut), realizado este mês em São Paulo, tem como lema "Educação, Trabalho e Democracia. Direito não se reduz, se amplia". 

Dilma, no Concut, falando pra quem interessa
Mas foi justamente na abertura desse evento que a presidenta Dilma fez um de seus discursos mais agressivos. E observou que, para além das falhas e omissões de seu governo, sua queda seria um desastre para os verdadeiros "inimigos" da oposição (os grifos são meus): "O desejo de retrocesso, eu tenho consciência, não é contra mim. É contra este novo país que construímos juntos, nas lutas das forças progressistas, dos trabalhadores, na força da CUT, dos sem-terra, dos sem-teto, dos estudantes, dos movimentos sociais, de toda sociedade, organizada ou não. (...) Eu represento as conquistas históricas do governo Lula. (...) Que fizeram com que o Brasil se tornasse um país que hoje olha para os seus trabalhadores e trabalhadoras. (...) Faço um apelo a todos vocês: ninguém deve se iludir. Nenhum trabalhador pode baixar a guarda".

Trabalhador é o inimigo da oposição e seria principal vítima do golpe
Dilma arrematou: "Sei que também a CUT continuará lutando as lutas que nós todos defendemos ao longo da nossa história. (...) Acerta a CUT quando diz, no lema deste 12º Concut: direito não se reduz, se amplia. Permito-me, vou me permitir, vocês me desculpem, também acrescentar: democracia não se reduz, se amplia" (leia a íntegra aqui). Agora ouvi conversa! Sim, sim: concordo que ela demorou muito para chamar para a luta quem realmente interessa (ou antes, quem seria a principal vítima do golpe). E concordo, também, que seu governo tem muito de indefensável. Mas, como o discurso de ontem insinua, o mais importante, agora, não é criticar Dilma como pessoa ou "linchá-la" como governante. Esse acerto de contas faremos depois. Mas faremos nós, não o adversário! É preciso, primeiro, "manter a posse de bola", não entregá-la (pois dificilmente a retomaremos!). Não é defesa de Dilma, do governo Dilma, do PT ou do que seja. É muito mais do que isso: é defesa dos trabalhadores, de nossas conquistas, dos programas sociais, da liberdade, do futuro. Por tudo isso, à luta!


0 comentários: