Destaques

quinta-feira, julho 31, 2008

A vitória contra o Inter e o marketing santista

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook



Ontem o Santos mostrou uma qualidade que não exibia há tempos: segurança na defesa. Finalmente o sistema de três zagueiros funcionou com Cuca, e algumas mudanças foram fundamentais para que isso acontecesse, algumas de ordem tática, outras pela simples substituição de atletas.

A saída de Fabão do time acabou fortalecendo o miolo de zaga. O ex-sãopaulino não conseguiu emplacar até agora na Vila Belmiro e, ao que parece, está próximo de sair do clube. Outro atleta, discreto, porém eficiente, foi Dionísio. Embora esteja longe de ser um craque, tem mais senso de cobertura que o esforçado Adriano. Quiñones pela direita e Kléber pela esquerda também avançaram pouco, resguardando mais suas posições e congestionando o jogo no meio.

O resultado dessa formação é que no primeiro tempo não houve finalização a gol. No segundo, os times se soltaram um pouco mais, mas o Inter fez apenas uma finalização realmente perigosa ao gol de Douglas, a 1 minuto. O Peixe continuou dominando o meio de campo, o que dificultou a movimentação do Inter, principalmente do trio de garotos da frente, Taison, Guto e Walter, dominados pela defensiva alvinegra. Isso fez com que o Colorado errasse incríveis 50 passes na partida, enquanto o Santos errou menos da metade, 23.

O gol de Maikon Leite, feito na base da raça e contando com a ajuda do zagueiro Danny Morais, dá moral ao garoto. Mas o ataque do Santos, se fosse mais solidário, poderia ter ampliado a vantagem, tanto o menino quanto Kléber Pereira pecaram pelo individualismo em pelo menos três lances. Ainda assim, a vitória, a primeira fora de casa, é um grande resultado, a ser comemorado dada a consistência apresentada pela equipe de Cuca. E também pelo feito em si, já que a última derrota do Inter em Brasileiros foi em 30 de setembro do ano passado, para o São Paulo. Pode-se ver um esboço de time à frente...

Time da virada


Já li e ouvi inúmeros relatos de como algumas pessoas que eram contra o regime militar se portaram durante os jogos do Brasil na Copa de 70. Cientes de que a ditadura se aproveitava do desempenho da seleção brasileira para reafirmar um sentimento patriótico e ufanista que protegeria, em tese, os generais, muitos se recusavam a torcer para o escrete canarinho. Mas, na hora H, acabavam torcendo pra seleção. Devia ser difícil não torcer para aquele timaço.

Guardadas as devidas e óbvias proporções, a campanha de marketing “Time da Virada”, lançada pelo Santos, me lembrou um pouco essa situação. Pensei: aderir ou não aderir? Depois de ver o vídeo da campanha, onde a trajetória descendente do time é tida como efeito do “abatimento” pela desclassificação na Libertadores e pelo fator “sorte”, vi que, mais do que uma tentativa de trazer a torcida junto ao clube, era uma forma de justificar os erros não tão justificáveis cometidos pela administração santista.

Marketing no esporte é importante e, embora o clube utilize esse instrumento de forma mais tímida do que poderia, já foi bem sucedido em algumas ações, como na criação dos mascotes Baleinha e Baleião. No entanto, ao utilizar em uma campanha gritos criados por uma organizada e celebrizados pela maior parte da torcida santista, parece que os dirigentes tentam se apropriar de algo que não é seu para que continuem sendo pouco questionados. Torço e sempre torcerei para o Santos, independentemente de quem esteja ano comando do clube. Mas não contem comigo pra esse tipo de ação. Prefiro colaborar de outras formas.

4 comentários:

Anselmo disse...

Glauco, faltou o link do motivo da resistência.

O Neto, na bandeirantes, comentou no intervalo algo como: o torcedor pode olhas os melhores momentos e achar que, por não terem criado muitas chances de gol, o jogo foi ruim. Foi um jogo bom, de marcação, jogo gaúcho, numseiquelá, numseiquelá, numseiquelá.

Nos melhores momentos, apareceram dois cruzamentos pra área e mais um lançamento inconcluso. acontece.

Olívia Andreolli disse...

eu também ainda estou em dúvida sobre essa campanha. mais que se apropiar de uma idéia da torcida de forma indevida, talvez, parece uma maneira de se dirimir da culpa pela situação do clube. sei lá, pode ser que esteja apenas sendo chata, mas não comprei a idéia. me parececoisa de time pequeno.

Olívia Andreolli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Glauco disse...

Olívia, como você viu, também não curti a idéia. Mas o que foi determinante foi ver o vídeo da campanha, era claramente dirigido para tirar a culpa da diretoria pela situação do time. Se é para incetivar o Santos, que nem se toque nesse aspecto, simplesmente é melhor chamar a torcida e pronto.