Destaques

segunda-feira, julho 28, 2008

Os garotos não merecem ser sacrificados

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O clássico era contra o Corinthians, válido pelo Brasileiro de 2006. Aos 6 minutos de partida, a torcida do Santos ficou apreensiva com a contusão de Fábio Costa, por conta de um choque contra Cléber Santana. Em seu lugar, entrou um jovem goleiro de apenas 18 anos, Felipe. O garoto, mesmo lançado em uma fogueira, acabou sendo um dos principais destaques da vitória peixeira por 3 a 0.

Após o jogo, o treinador Vanderlei Luxemburgo comentou: "O Santos esteve em um momento muito difícil quando perdeu o Fábio Costa. Aí entrou o menino e surgiu uma instabilidade momentânea, natural quando entra alguém que quase ninguém conhece. Mas quando [os atletas corintianos] viram que o garoto de 18 anos era bom, aí o Santos equilibrou novamente a partida. O Corinthians teve boas chances iniciais, mas o Felipe mostrou segurança e pegou os chutes".

O arqueiro ganhou moral. Chegou a disputar mais algumas partidas e foi relacionado entre os atletas que iriam disputar o sul-americano sub-20. Mas em dezembro veio a surpresa: o exame antidoping acusou positivo e ele foi suspenso preventivamente. Perdeu sua vaga na seleção e só foi absolvido um mês depois pelo STJD.

Desde então, pouco jogou. Amargou a segunda reserva de Roger (quem mesmo?) e de Douglas. Teve uma atuação questionável contra o Barueri, na Vila, no começo do ano e ontem voltou a falhar. Mas não considerar toda a história do jogador desde que surgiu na Vila não só é muita crueldade como também é sacrificar alguém que falhou quando quase o time todo, pra variar, também foi mal.

A situação de Felipe, que na partida contra o Vasco foi substituído por Douglas, também é reflexo da administração MT. Será que o atleta teve acompanhamento psicológico necessário depois do problema do doping? Nas mãos de Vagner Ribeiro, que sempre sopra na imprensa interesses de clubes em seus jogadores, mesmo que estes não existam, é possível imaginar como fica a cabeça de um jovem de 20 anos, que foi do céu ao inferno em pouco tempo.

Em outro clube, talvez Felipe fosse mais valorizado por ser prata da casa. Mas aqui no Santos, nem a torcida o poupa. Aliás, não é o primeiro. Robinho, mesmo depois das pedaladas que fizeram com que o Alvinegro saísse da fila, foi xingado e vaiado várias vezes na Vila Belmiro quando passou por uma fase apagada em 2003. Lembro em um jogo no estádio sagrado quando um dos habituais corneteiros pronunciou a seguinte pérola: “Esse Robinho é um enganador, igualzinho o Gil do Corinthians”. Muita gente ali pensava do mesmo jeito. E o que veio depois mostrou quem estava certo...

Claro que Felipe pode não vingar nem chegar a ser um craque, como outros pretensos meninos da Vila. Mas em tempos de crise, os garotos são sempre sacrificados e o Corinthians é um reflexo disso, já que muitos jogadores tiveram que sair da equipe para encontrar tranqüilidade, como Jô e Bobô (ainda que ambos estejam longe de serem craques, são melhores que os atacantes atuais do time do Parque São Jorge).

Hoje, existem jovens no Santos que têm medo de jogar na Vila porque sabem que vão ser xingados no primeiro erro. É difícil ter paciência quando se vê um time cometer tantas falhas, mas a cobrança deveria ser direcionada a outro tipo de jogador, aquele que ganha muito mais do que esses meninos que já surgem atrapalhados por uma diretoria fraca e empresários gananciosos. Talvez o fato da vitória contra o Vasco ter sido decidida por um garoto, Maykon Leite, seja um sinal de que precisaremos deles para sair da crise.

Aliás, naquele clássico de 2006, quando Felipe fechou o gol, um outro destaque foi Kléber. E onde está ele? Como pode um profissional de um time grande, com diversas convocações para a seleção, não conseguir acertar um lance sequer de bola parada durante várias partidas seguidas? E os outros titulares, estão jogando o fino da bola?

Acho que estamos cobrando as pessoas erradas...

3 comentários:

Anselmo disse...

O gil, do corinthians, em metade dos times do brasileirão, fariam a diferença no ataque. se o cara tivesse uma revelação, hoje, "igualzinho o gil", o nacional estaria menos embolado.

e é sempre mais fácil achar um bode expiatório do qeu pensar a médio prazo (longo prazo é demais, tbem, convenhamos).

M. Vinicius disse...

Concordo com tudo !!!

mas isso irá continuar até que

essa diretoria amadora saia.

Bia disse...

A torcida do Santos sabe ser chata. Nao foi so Robinho quem sofreu com ela. Diego e Elano jah estiveram na mira dos corneteiros mesmo apos marcarem seus nomes na historia do clube.
Felipe esta sozinho nessa. Nao tem apoio da diretoria, da torcida, e nem esta rodeado de craques.
O kleber chicletinho soh escapa da furia da turma do carnaval pq ele ta sempre fazendo uma media com eles... esperto...se protegeu...
O felipe ainda nao pode fazer isso... nao enquanto nao descobrir onde fica o gol..rs...brincadeira, eu estava nos 3x0 contra os gambas e ele pegou demais...
bjss