Destaques

sexta-feira, outubro 23, 2009

A CPI do Judas na grande mídia

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook


Escândalo da crucificação


Jesus Cristo é convocado para depor em CPI

Parlamentares da oposição investigam relação entre episódio bíblico e mensalão

Começaram ontem na Câmara os trabalhos da comissão parlamentar mista de inquérito que vai investigar as relações entre o líder hebreu Jesus Cristo e seu apóstolo Judas Iscariotis, no que vem sendo chamado de “escândalo da crucificação”. A ideia da oposição é buscar elementos que comprovem as conexões entre o episódio histórico e as irregularidades cometidas no governo Lula, evidenciadas pela declaração do presidente que afirmou que “se Jesus Cristo viesse para cá, e Judas tivesse a votação num partido qualquer, Jesus teria de chamar Judas para fazer coalizão”.

A bancada evangélica, junto com a católica, tentou obstruir a abertura dos trabalhos, sem sucesso. Com base nas declarações do ex-deputado-federal e atual conselheiro profissional Roberto Freire, que disse que o presidente Lula chegou ao "cúmulo de justificar suas alianças escusas colocando Jesus e Judas em conluio”, parlamentares fizeram um requerimento para convocar Jesus Cristo como testemunha. O líder religioso teria armado a própria crucificação, ao saber das criminosas intenções de Judas em trai-lo e, mesmo assim, não ter feito qualquer denúncia. A oposição quer saber se há conexão entre a atitude de Cristo e de Lula, que teria tido postura semelhante no que diz respeito ao chamado mensalão.

Já a facção mais radical da oposição pediu que seja juntado ao relatório o chamado Evangelho de Judas que provaria não só que Jesus sabia da disposição do apóstolo como mostraria que ele mesmo teria incentivado a delação que culminou na crucificação, a exemplo de Lula, que seria o verdadeiro chefe de quadrilha do valerioduto.

Judasduto

Parlamentares investigam também a possibilidade de haver alguma relação entre o esquema de Marcos Valério e o papel exercido por Judas Iscariotes, que exercia a função de tesoureiro no grupo de Jesus (segundo João 13:29). O referido apóstolo foi acusado inclusive por um outro companheiro de Cristo de desvio de recursos.

Nesse caso, a oposição também quer saber o papel de Jesus no esquema. A acusação é de que ele sabia dos desvios de recursos praticados por Iscariotis. Um parlamentar do PSDB revelou, em off, que essa pode ser a linha da investigação. “Levando em conta que ele tinha conhecimento de que o apóstolo iria vendê-lo, é de se presumir que ele sabia dos desvios praticados pelo traidor e nada fez, assim como Lula no episódio do mensalão”.

Os trabalhos da CPI continuam na próxima semana. Até o fechamento dessa edição, Jesus Cristo não havia respondido ao requerimento da comissão. O presidente Lula descansa no Guarujá.

Isso é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com personagens da vida real é mera coincidência. Inspirado por Luís Nassif.

5 comentários:

Anselmo disse...

normalmente sou contra as comparações de políticos e jogadores de futebol a Jesus Cristo. A alusões teológicas na mesa do bar, não tenho restrições.

Por mais que a comparação seja daquelas de jogar a referência no limite, provar pelo absurdo. Quem pode ser a referência mais idônea do ocidente? Então essa é a comparação. Se fosse futebol, seria comparar com Pelé ou com o Santos de Lula (que tinha tbem Pelé, Pepe, Coutinho etc.) Mas o que me incomoda é que é muita presunção de quem compara e dá margem a muita polêmica vazia.

O que é legal é que a entrevista tem váááááááárias aspas interessantes. E um dos títulos da entrevista, que realmente é significativo e diz respeito à governabilidade e tal, passa a ser repercutido nessa base.

Faz parte do jogo da oposição, de uma certa forma.

Achei legal a CNBB avisar que Jesus não fez aliança com os fariseus. É importante só lembrar duas coisas. (1º) Jesus não governou nem precisou fazer aliança política (pelo relato bíblico, multiplicar os pães e curar doentes bastou pra ele ser ouvido e desagradar a fariseus e romanos). E (2º), Lula, na comparação, falou que "Se lula viesse pra cá", referindo-se ao governo brasileiro (isso indica que o autor da comparação sabe que há diferenças que não estão relacionadas apenas à distância cronológica de 2 mil anos e geográfica de milhares de quilômetros entre jerusalém e Brasília).

Mas continuo a ser contra comparações com o JC. E tbem sou contra comparações com Jesus Carlos

Maurício disse...

Eu quero saber qual via ser o evento em que o Lula vai transformar água em cachaça preu estar lá!

Nicolau disse...

Excelente, Glauco, hahaha! Sobre a "polêmica" em si, nada a declarar. O que achei realmente interessante é o poder do Lula de pautar o debate. O cara lança uma frase e toda a agenda dos noticiários muda, impressionante. Isso se deve, creio, ao não menos impresisonante poder da mídia e da oposição de ignorar as coisas importantes e focar nas picuinhas.

Marcão disse...

Isso me lembrou um jogo de futebol da TV Pirata, em que o time dos apostolos levava o gol da derrota no ultimo minuto, num frangaco no meio das pernas do goleiro Judas. A torcida xingava ele de "vendido" e depois ele aparecia enforcado no travessao, com o saco de dinheiro jogado dentro do gol...

Moriti disse...

Muito bom, Glauco, muito bom. E, sinceramente, tô com o Maurício no lance da cachaça. Já pensaram que contribuição seria para o Manguaça Cidadão?