Destaques

quinta-feira, outubro 29, 2009

O Raloín contra o Saci e os seus amigos

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook


Pra quem for de São Paulo, fica aqui a dica: hoje (29), às 19 horas, no Bar Canto Madalena (ver endereço aqui), o lançamento do Anuário do Saci e seus Amigos. A obra é de Mouzar Benedito, com ilustrações de Ohi, projeto gráfico da eminência parda Carmem Machado e a meticulosa revisão do futepoquense Mauricio Ayer.

Às vésperas do anglo-saxônico Halloween, nada mais oportuno que lembrar o Saci, nosso candidato a mascote da Copa de 2014, e outros ilustres companheiros dele na mitologia brasileira. Aliás, no mesmo dia da festa gringa, comemora-se o Dia do Saci. Na obra de Mouzar, a cada mês, uma ou mais lendas têm suas histórias contadas e todos os dias acontecimentos históricos que lembram a importância da data são retratados. Sempre com o característico bom humor deste colaborador do Futepoca. Abaixo, um dos textos que fazem parte do anuário e que conta a história de duas figuras mitológicas das bandas de cá:

Mitos ligados ao Sol, Caipora e Anhanga são protetores dos animais de caça. Anhanga (ou Anhangá) protege os de grande porte e Caipora os menores.

O Caipora é confundido com o Curupira em alguns lugares. Em outros, principalmente no Nordeste, não é “o” Caipora, mas “a” Caipora, que por sinal até topa um namoro com humanos, mas é ciumenta pra chuchu. Se o namorado casa com outra, pode saber que vai levar dela
uma surra inesquecível.

A palavra Caipora, ou Caapora, nome dado em algumas partes do Brasil, tem a mesma origem de caipira, do tupi, e o mesmo significado: morador do mato. Em alguns lugares da Bahia, o chamam de Caiçara. Na Paraíba, existe a Flor-do-Mato, que nada mais é do que “a” Caipora.

Ele é pequeno, forte, peludo, e anda montado num cateto (também chamado de caititu e de porco-do-mato). Ele toca todo o bando de catetos para lugar protegido dos caçadores. Se um animal é morto por caçadores sem necessidade, basta o cateto montado pelo Caipora – o maior do bando – encostar o focinho nele que ele ressuscita.

Nas sextas-feiras, principalmente de lua cheia, mesmo havendo necessidade, os caçadores descansam: esse é o dia da caça, não é do caçador, dizem. Se forem caçar, serão punidos pelo Caipora. Ou, no mínimo, ele espanta as aves e os animais. Ele pune também caçador que mata fêmeas prenhas ou amamentando e filhotes. E também aves que estão chocando ou criando filhotes.

Ver o Caipora dá azar. Por isso, surgiu o termo “caiporismo” para pessoas que estão com muito azar. No Sertão do Nordeste é muito comum ouvir dizer que alguém está com “o Caipora”, quer dizer, está infeliz, nada lhe dá certo.

O Caipora, ou a Caipora, aprecia uma boa cachaça e fumo de corda. Os caçadores costumam colocar um pouco das duas coisas na entrada da mata para dar como oferenda a ele/ela e não serem incomodados.

5 comentários:

Olavo Soares disse...

Saci para mascote de 2014 e Blanka para mascote de 2016, eu apoio!

Nicolau disse...

Vai Saci! Vai Blanka!

Anselmo disse...

olavo, é muito ruim grafar Blanca com "c"? Por que com "k" eu tenho dificuldade de encampar...

faltou: "vai, mouzar""

Marcão disse...

Aqui na Irlanda, o tal halloween perdeu totalmente o carater de Dia das Bruxas e virou um grande baile a fantasia. Neguinho se veste de pirata, astronauta, scooby doo, viking, coelhinha da playboy, enfim, qualquer coisa. De vez em quando aparece uma mumia, um frankstein ou uma bruxa, mas e muito raro.

K K. disse...

É legal procurar na internet fatos que marquem a evolução da história da cerveja, e encontrar um blog ativo e atualizado, desenvolva o tema.
Talvez nunca tenha passado na cabeça de vocês, que estariam ajudando, de alguma forma, um cara, aluno do terceiro ano do curso de publicidade e propaganda, a desenvolver um projeto de conclusão de curso; estou fazendo uma análise da evolução e do rumo que os textos persuasivos, destinados às propagandas audiovisuais, têm tomado do tempo antigo pra cá...destacando os comerciais que ficaram na memória do povo cervejeiro.
Pra mim, apesar do tema estar trazendo dor de cabeça pelo fato de não ter material para pesquisa, é um prazer juntar a chatisse do tcc, com uma bebida que é lincada, automaticamente, ao lazer e à diversão; a CERVEJA!

Aproveitando o comentário, se vocês tiverem um tempo aí pra me indicar alguma coisa legal que possa ser usada como base para pesquisa, ficarei agradecido!

Anote aí meu e-mail: kimraphael@hotmail.com

Abração.
Falou!