Destaques

sexta-feira, outubro 30, 2009

Obina faz 3 e comanda o Palmeiras contra o Goiás

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Ufa!

Foi por 4 a 0 o reencontro do Palmeiras com a vitória no campeonato brasileiro depois de quatro partidas sem vencer, das quais três foram derrotas. Obina marcou três vezes pela segunda vez na temporada e deu o passe para o quarto, conferido por Deyvid Sacconi. O time de Muricy Ramalho voltou a marcar gols e o campeonato tem um velho líder.

Ou, usando o recurso do Chiqueiro, "meio à là treinador de boxeador: 'Quem é o líder?! Quem é o líder?!'"

Talvez tenha sido a exorcizada feita pela torcida. Ou talvez a presença de 18 mil representantes alviverdes no Palestra Itália. Pode ter sido também algum efeito reverso dos são-paulinos tentando, assumidamente, secar o Palmeiras. O fato é que Obina e Ortigoza mandaram avisar que Vagner Love, ausente por suspensão, vai precisar suar para garantir sua vaga.



Parecia que o vento soprava contra o Palmeiras no campeonato. Mesmo com a liderança após resultados diante do Avaí, Náutico, Flamengo e Santo André, o time chegou a ficar atrás na classificação por 24 horas, após o São Paulo passar pelo Inter no Morumbi. Um campeonato por pontos corridos não tolera muito vacilo na reta final.

E o vento realmente soprou contra o time no Palestra Itália no primeiro tempo. Nesse caso, sem metáforas, segundo Marcos, o Goleiro. Ele disse, no intervalo, que a segunda etapa permitiria mais domínio do time da casa porque jogaria a favor do deslocamento de ar. O fenômeno climático (ou seria metereológico) não foi tão decisivo quanto o desmantelamento do esquema tático de Hélio dos Anjos, o homofóbico (ou quase tão homofóbico quanto parte da torcida).

Mesmo assim, foi logo aos 5 minutos que o mundo começou a voltar a ser bom para o alviverde. Há nove rodadas não saia um gol tão cedo para o Palmeiras. Depois vieram outros aos 28, aos 38 do segundo tempo e aos 41.

Aliás, nos últimos 10 jogos, o Palmeiras saiu perdendo em 6. Além das derrotas para Santo André, Flamengo, Náutico e Vitória, houve o empate com o Avaí e a virada sobre o Santos.

O resultado foi excelente por mostrar que acertou o torcedor que acreditou na vitória sobre o Goiás. Espero que, no próximo jogo, contra o Corinthians em Presidente Prudente, o time repita a boa atuação e aponte que acertou também o palmeirense que botou fé na recuperação.

5 comentários:

Glauco disse...

Situação difícil para corintianos anti-sãopaulinos: torcer para o próprio time e facilitar a liderança para o São Paulo ou torcer contra pra não ver um tetra tricolor.

cappacete disse...

Estava lá e vi o espetáculo, ao menos ontem, o Obina foi melhor que Eto, marcou três gols e meio...

Marcão disse...

Preciso comecar a torcer ao contrario, como o Glauco, pois sou muito pe frio: depois do meu post secando o Goias e torcendo pro Flu cair, deu exatamente o contrario.

E a situacao que o Glauco descreve acima, que no Brasil chamariamos de sinuca de bico, aqui no Reino Unido tem o nome de Catch 22, que e o titulo de um livro sobre guerra.

Meu professor usou uma situacao exemplo: suponha que voce trabalha num lugar e tem um chefe gente boa pacas, mas deseja uma promocao pra ganhar o dobro, o que implica passar para um chefe tenebroso. O que fazer?

Eis o dilema de saopaulinos e corintianos. So que, no meu caso, deixei de pudores: Vai, Curintia!!! (ou melhor, usando a tecnica glauconiana da secagem reversa, Nao vai, Curintia!!!).

Anselmo disse...

secagem reversa merecia mais atenção e explicações.

mais informações, por favor...

Moriti disse...

É o seguinte, Anselmo. Isso merece uma explicação elaborada, de preferência na mesa do bar. Para simplificar, vou, descaradamente, acompanhar o Marcão: vai, Curíntia! Ou: não vai, Curíntia!