Destaques

sexta-feira, janeiro 01, 2010

O legítimo "futebol científico"

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Desde pequeno escuto falar do tal "futebol científico", termo que faz alusão ao estilo de jogo praticado na extinta União Soviética e em países do Leste Europeu. No entanto, não sabia precisar o porquê do termo e muito menos a sua origem já que, em 1958, o futebol soviético era mais semelhante ao sulamericano do que aos ferrolhos que caracterizavam boa parte dos times europeus. Por que então o "científico"? Era só uma referência ao cientificismo dos regimes da cortina de ferro?

Foi lendo o excelente Como o futebol explica o mundo (Ed. Jorge Zahar), de Franklin Foer, que me deparei com o mentor do dito estilo de jogo. Valeri Lobanovsky (foto), um ex-bombeiro hidráulico que aplicou a lógica do marxismo científico ao esporte, quis sobrepor o coletivo ao individual e se propôs a desvendar os fundamentos matemáticos da modalidade. Criou um sistema de valores numéricos representando cada ação executada em uma partida, fazendo com que grupos de "cientistas" analisassem passes, desarmes e chutes de cada atleta. Os dados alimentavam um computador que atribuía aos jogadores avaliações da intensidade, atividade, taxa de erros e efetividade.

Sim, muito antes dos laptops ficarem comuns no mundo da bola, Lobanovsky já utilizava a tecnologia disponível à época, formando no futebol a imagem do homo sovieticus idealizado pela então potência rival dos EUA. Mas o futebol científico se mostrou mais do que uma simples incorporação ideológica feita pelo treinador e provou que podia ser, de fato, vencedor.

A máquina de Kiev

O sistema dentro das quatro linhas tinha como objetivo que os jogadores detivessem a posse de bola o menor tempo possível, privilegiando sempre o toque de primeira e as triangulações, com transições da defesa para o ataque realizadas de forma rápida. Foi jogando assim que, no período em que treinou o Dínamo de Kiev, entre 1974 e 1990, Lobanovsky ganhou oito campeonatos soviéticos, seis Copas URSS, uma Supercopa da Europa - este o primeiro título continental de uma equipe da União Soviética - e duas Recopas europeias.

Ele foi também técnico da seleção da URSS em três períodos distintos: de 1975 a 1976, de 1982 a 1983 e entre 1986 e 1990. Aliando seu método rígido e disciplinador a que os ucranianos estavam acostumados com a criatividade dos atletas russos, chegou ao vice da Eurocopa de 1988, perdendo para a Holanda comandada por Rinus Michels, de Rijkaard, Gullit e Van Basten. Ironicamente, o treinador holandês era uma das inspirações de Lobanovsky, que via no futebol total da Holanda e da Alemanha de 74 a última revolução ocorrida no futebol.



O mentor de Shevchenko

Com o fim da URSS, Lobanovsky passou pelos Emirados Árabes Unidos e também pelo Kuwait, retornando à Ucrânia em 1996 para dirigir o Dínamo. Conseguiu levar a equipe às semifinais da Liga dos Campeões em 97/98 e, no torneio anterior, obteve uma senhora goleada contra Barcelona, um 4 a 0 em pleno Camp Nou.

Àquela altura, o técnico revelava ao mundo o artilheiro Shevchenko, quase um jogador ideal de acordo com sua concepção de futebol. Tanto que, em 1998, Lobanovsky dizia preferi-lo a Ronaldo, no auge da carreira então. "Ronaldo? É um jogador capaz de inventar, mas Shevy tem tudo: passa bem, lê o jogo com facilidade e é muito forte fisicamente".

E Sheva foi grato ao mentor. Quando o Milan conquistou o título da Liga dos Campeões da temporada 2002/2003, chorava depois da partida, se dizendo muito emocionado por lembrar do antigo técnico, que havia morrido em 2002. Dias após a vitória, Shevchenko retornou à Ucrânia e deixou a medalha de campeão no túmulo de Lobanovsky.

O que aconteceria se...

Lobanovsky era o comandante da União Soviética do goleiro Dasaev, que perdeu para o cantado e decantado time de Telê na Copa de 1982. Derrota ocorrida graças à ajuda do árbitro espanhol Lamo Castillo, que deixou de marcar dois pênaltis cometidos pelo atleticano Luisinho quando o jogo estava 1 a 0 para os soviéticos (um frangaço histórico de Waldir Peres). Houve também um tento soviético anulado no segundo tempo por suposto impedimento, que não fica bem claro pelas câmeras da época.  A virada veio graças a dois chutaços de fora da área, de Sócrates e Éder.

Mas o que aconteceria se o árbitro fosse menos verde-amarelo? O Brasil poderia cair no grupo de Polônia e Bélgica nas quartas e ir adiante na Copa ou seguiria o mesmo caminho sendo esquecida nos dias de hoje graças à derrota inicial? A URSS encaixaria melhor seu estilo de jogo contra Argentina e Itália e Lobanovsky seria mais lembrado hoje no Brasil do que Telê? Quem quiser arriscar o possível destino das seleções, fique à vontade...

6 comentários:

Bruno Silva disse...

Parabéns pela matéria! Demais demais! Eu não tinha conhecimento dessas histórias. Demais mesmo!

Mas Sheva melhor que Ronaldo? Discordo do ucraniano. hehe

Abraços!
Bruno Silva
http://ladobdocassete.com.br

Anônimo disse...

Ha ha, qdo li que o futebol científico usava a lógica do marxismo científico imaginei que o time não teria técnico(peraí, isso é anarquismo) ou então os soviéticos paravam de jogar contra os adversários e se uniam a eles, ou vice-versa, afinal o proletariado e os oprimidos tem que se desvencilhar das barreiras da nacionalidade!!! como dizia o velho Marx, proletariados de todo o mundo, uni-vos! rs

Leandro disse...

Raro (talvez, único) caso em que a história é contada sob a perspectiva dos perdedores, já que assim ficaram rotulados os integrantes do time brasileiro de 1982.

felipe lessa disse...

fantástico. saudações socilistas rsrsrs.

Olavo Soares disse...

"Como o futebol explica o mundo" é leitura obrigatória aos amantes do futebol. E mais ainda aos odiadores dele. É um livro que traduz a paixão que temos pelo esporte, que deixa claro parte do que acontece em nossas cabeças que nos faz gostar tanto dessa joça.

Marcão disse...

Paulo Mendes Campos sempre justificou que mágica existe ao notar que Garrincha, o ser humano mais improvável do planeta (pobre, mestiço, estrábico, pernas tortas, preparação física e de saúde mambembes, fumante e bebum) foi exatamente aquele que sepultou o "futebol científico" em 1958, com a vitória de 2 a 0 do Brasil sobre a URSS. O improvável sempre dá um jeito de ser maior que a ciência.