Destaques

terça-feira, janeiro 12, 2010

Sobre o Grêmio Prudentino

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

A notícia não é nova, mas como não havia sido repercutida aqui no Futepoca, acredito que ainda caiba destaque: o Grêmio Recreativo Barueri, que em 2009 disputou a elite de Campeonato Paulista e Campeonato Brasileiro (obtendo a vaga na Copa Sul-Americana 2010) mandará seus jogos pelo Paulistão deste ano em Presidente Prudente, no interior paulista, bem distante de Barueri. É o primeiro passo de um processo que, até segunda ordem, culminará na transferência definitiva do clube para Presidente Prudente e na mudança de nome da equipe - que deverá ser rebatizada para Grêmio Prudentino.

O motivo da alteração é um quebra-pau entre os administradores do clube e a administração da cidade de Barueri. O clube sempre recebeu apoio confesso da prefeitura local e, com ele, teve ascensão meteórica no futebol local - basta lembrar que no não tão distante assim 2005 fazia festa pelo título da terceira divisão paulista. A situação começou a se estremecer quando, em 2008, o GRB se transformou em clube-empresa (passando a adotar o sufixo LTDA em seu nome oficial), à revelia do que queria a prefeitura.

Em dezembro, então, se deu o racha definitivo: o clube fazia exigências para permanecer na cidade, e a prefeitura respondia que elas seriam atendidas caso "o clube fosse devolvido à população de Barueri" - ou seja, para debaixo da asa da administração municipal.

Já no final do ano passado, ainda pelo Brasileirão, o Barueri mandou seu jogo final (contra o Atlético-PR) em Presidente Prudente e agora no começo desse ano anunciou sua transferência para lá, ao menos durante o Paulista.

A medida tem sido recebida com repulsa pela maioria das pessoas, ao menos as com quem converso. O Barueri, digamos a verdade, nunca foi visto com olhos muito entusiasmado. Não tem torcida, não tem tradição, contava com o sempre contestável apoio do poder público e tira da elite uma vaga que poderia ser ocupada por Bahia, Ponte Preta, Santa Cruz ou qualquer outra equipe mais tradicional no futebol nacional.

Para muitos, a mudança de cidade do clube é a "cereja do bolo" da deteriorização do futebol brasileiro representada pelo Barueri - um cenário no qual o domínio da bola fica na mão de empresários comprometidos apenas com seus interesses financeiros.

Não chego a discordar de tudo isso. E confesso achar meio sem-graça o Barueri na primeira divisão do futebol nacional. Mas, justamente por isso, sou dos poucos que vê a ida a Presidente Prudente como uma boa notícia.

Prudente é uma cidade grande, importante mas distante pra caramba de qualquer outra que tenha um time na primeira divisão do Campeonato Brasileiro. Sua população, por incompetência dos clubes locais (e todos aqueles fatores estruturais de sempre), está impossibilitada de ver no estádio um jogo da elite nacional. Bem diferente do que ocorre com os moradores de Barueri - próximos de São Paulo, Santos e até mesmo Campinas.

Já que há um time como o Barueri na primeira divisão, que ele sirva ao menos para que a população de uma importante região do estado tenha bom futebol perto de casa. Porque a Grande São Paulo já é bem provida disso.

9 comentários:

comfelelimao disse...

Postei no twitter, uns dias atrás:

Grêmio Barueri de Presidente Prudente, a versão futebolística do "suco de tamarindo com gosto de framboesa", do Chaves.

Glauco disse...

A comparação com o mítico suco do Chaves é perfeita. Mas acho que o problema principal desses clubes é mesmo a falta de qualquer identificação com a torcida, não conseguem desenvolver um pingo de empatia até porque muita gente sabe os interesses políticos (e econômicos) que estão por trás desse time de equipe.

davbutter disse...

Time de aluguel, isso sim. Deveriam dar a vaga dele na Série A para a Portuguesa, quinta na Série B. E deixar o Prudentino começar do zero.

Olavo Soares disse...

PQP, essa do suco foi sensacional.

Anselmo disse...

eu acho que o Barueri perdeu a oportunidade de criar um clube virtual, sem cidade sede, mas com várias sedes alugadas por período e com data para terminar. Uma parte do tempo em Prudente, outra em Barueri, outra em canto nenhum... Seria só alugar academias e centros de fisioterapia, campos de futebol e tal. seria uma revolução -- e tbem uma fábrica de se lavar dinheiro.

claro que o barueri nao tinha tradição nem torcida, mas poderia ser um time da cidade se, bom, permanecesse na cidade.

acho importante a opinião do Olavo, que vai contra a maior parte das pessoas. Mas pra mim é mto estranho vc ter um passaporte pra série A e poder vender isso. Ok, um clube social pode mudar de sede. Mas um time de futebol é um patrimônio que, em mto pouco tempo, ultrapassa as burocracias do CNPJ, pq cria elos de outra ordem com o lugar onde está.

Se o futebol brasileiro não tem condições de levantar dinheiro pra manter 20 times de futebol devidamente sólidos e enraizados, valeria discutir uma redução no número de times na elite do Nacional?

Anônimo disse...

Descordo de vc caro Olavo pois o Barueri está na elite por méritos próprios não está ocupando a vaga de nenhum time incompetente de tradição uma vez que os times citados não tem tal competência para estar na elite só tradição não ganha jogo

Olavo Soares disse...

Anônimo, você tem toda razão: o Barueri subiu na bola, por méritos próprios, sem ajuda de arbitragem ou quem quer que seja.

Isso eu não contesto. O que digo é que acho "menos legal" a presença do Barueri do que a de outros times na primeira divisão.

Wellington disse...

Em breve teremos o clássico Gremio Prudentino (é um erro colocar o nome de outra cidada, e se mudar novamente) contra o Red Bull Brasil, que o Globo esporte já está chamando de RBB. Ou então contra o PAEC, nome ridiculo que a mesmo Globo invetou para o Pão de Açucar!

Eu não gosto da idéia de times empresas e mudança de cidades. Mas isso não é novidade no esporte. As franquias americanas estão aí. Tem um caso emblemático da saída dos Colts de Baltimore e a saida e volta dos Raiders de Oakland.

Felipe disse...

Não concordo com a idéia de que a equipe arrancou o lugar na elite do futebol brasileiro de uma outra equipe, e que é visto com "mals olhos" por não ter torcida nem tradição. e o São Paulo, Flmanego, Cruzeiro...iniciaram com torcida enorme ? Com tradição? E outra, Bahia, Ponte Preta, Santa Cruz ou outras equipes não estão na série A por própria incapacidade e má gestão!