Destaques

sábado, fevereiro 12, 2011

Tarde de Tardelli e a maldição da torcida única

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook


Como atleticano, estou gostando muito dessa história de torcida única nos jogos Atlético e Cruzeiro. Primeiro porque prova quem vai mais ao estádio. Sozinhos, os cruzeirenses não enchem meio estádio, foram menos de 10 mil almas.


Segundo que, pela segunda vez, só com cruzeirenses presentes o Galo ganhou de 4 a 3, com três gols de apenas um jogador. No Brasileirão foi a vez de Obina. Agora, a tarde foi três vezes de Tardelli.

E foi um jogo extremamente corrido (mesmo com um sol para cada jogador) e emocionante. Se o primeiro gol de Wellington Paulista animou os cruzeirenses, logo em seguida veio a virada com dois gols do inspirado atacante alvinegro.

Para não fugir de polêmica, mas fugindo, não consegui ver se foi pênalti ou não no lance marcado pelo árbitro a favor do Galo. Houve um pênalti no segundo tempo para o Cruzeiro que não foi marcado no Roger, que se jogou tanto que deve ter cansado os olhos do juiz. Além de duas bolas na trave dos azuis.

Mas além de Tardelli vale destacar a tarde inspirada do goleiro Renan Ribeiro, que fez três a quatro defesas importantíssimas. Mostrou que não treme em clássico. Além da boa estreia do zagueiro Leonardo Silva, muito vaiado pela torcida azul por ter trocado de lado, mas que não se intimidou e fez grande jogo mesmo sendo a primeira partida depois de seis meses sem jogar. Com a volta de Réver, que está machucado, o Galo tem tudo para ter uma das melhores zagas do Brasil.

Mas o grande destaque da tarde mesmo foi Dorival Júnior. Improvisou um jovem meia (Jackson) na lateral direita porque não tinha nenhum especialista, pôs para jogar quem está bem fisicamente sem se importar com o nome do jogador (Diego Souza e Jobson estavam na reserva) e quando estava 4 a 2 trocou atacantes e meias por atacantes e meias, sem medo, sem a estratégia de botar mais um zagueiro . Pela segunda vez seguida venceu Cuca e a torcida única azul.

Vamos ver agora no próximo jogo com mando do Galo se a escrita de ganhar o time sem torcida se mantém ou se o Atlético encaçapa a terceira vitória seguida.

3 comentários:

Esquemas táticos disse...

Bem observado, Renan Ribeiro atuou muito bem. A verdade é que o Atlético, sempre que precisou jogar, esteve melhor que o Cruzeiro. A defesa do Cruzeiro é lenta, o ataque do Atlético é rápido. O 4-2-3-1 do Cuca está capenga pela esquerda, já que Gilberto não vem bem. Dorival Jr., percebendo que não tem bons laterais para apoiar, fixou-os no campo defensivo e deu liberdade para os dois meias.

http://www.esquemastaticos.com.br/2011/02/cruzeiro-3x4-atletico-campeonato.html

fredi disse...

Pra confirmar, foi pênalti para o Galo sim


http://www.superesportes.com.br/app/1,10/2011/02/13/noticia_cruzeiro,176989/video-lances-polemicos-do-classico.shtml

Nicolau disse...

Dorival é bom técnico e Tardelli bom jogador. Cabem bem no Corintihans, hehe.