Destaques

domingo, fevereiro 13, 2011

Revista da Editora Abril chama Chico Buarque de 'moleque' por defender Lula, Dilma, Chávez e Fidel

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Depois do despropósito de enfiar uma foto de José Serra no encarte de um CD de Chico Buarque, a Editora Abril volta a fustigar o artista carioca. Chico está na capa da edição de fevereiro da revista "Alfa Homem" (à direita), o que me convenceu a comprá-la. O mote da reportagem, que visitou o entrevistado em seu apartamento no Leblon, no Rio de Janeiro, é a sua volta à música: ele deve entrar em estúdio até abril, para gravar um novo álbum, depois do jejum imposto pela produção do (muito premiado) livro "Leite derramado". Até aí, tudo bem. A materinha conta trivialidades curiosas, como o fato de hoje Chico só beber moderadamente, com uma tacinha de vinho ou de grappa (cachaça italiana) após o jantar, depois de livrar-se do consumo forte de álcool nos anos 1980, ao ingerir ervas amazônicas do "bruxo" Lourival; e também sua paixão pelo futebol, que o levou, certa vez, a identificar-se como "um famoso jogador" no aeroporto de Paris. "E aquela caixa de violão na esteira?", perguntou, cético, o funcionário. "É o disfarce para as minhas chuteiras", respondeu o artista.

Porém, o texto de Regina Zappa guarda um certo tom de "desagravo", uma linha condutora que leva a crer que a reportagem louva Chico Buarque "apesar de alguma coisa". E essa "alguma coisa", lógico, é sua posição política. Chico se engajou publicamente na campanha de Dilma Rousseff, em 2010 (contra José Serra, o candidato da família Civita, proprietária da Editora Abril). E nunca deixou de defender Fidel Castro e as transformações em Cuba ou mesmo Hugo Chávez e os avanços sociais na Venezuela. Isso, para a revista Alfa Homem, é pecado. "(Chico) É amado, respeitado, invejado, celebrado - e odiado, muitas vezes por causa de suas posições políticas de esquerda", opina o texto de Regina Zappa. "Deixou claro, várias vezes, seu apreço a Lula e apoiou Dilma Rousseff durante a campanha. 'Dilma é uma mulher corajosa', declarou no programa eleitoral. Para o bem ou para o mal, nunca causou surpresa nessa área. Chico sempre foi de esquerda", prossegue a matéria.

Mas o acusatório "para o bem ou para o mal" não foi suficiente. Os editores resolveram agregar um "desagravo" ainda mais contundente para o "hediondo defeito" de Chico Buarque. Escalaram um tal de Caco de Paula para escrever um breve - e inacreditável - textinho para ser agregado à reportagem, sob o singelo título de "Não chute o poeta". Diz um trecho (o grifo é nosso): "Sua obra tem grande importância, independentemente de suas opiniões favoráveis aos dinossauros de Cuba e da Venezuela. Por crença pessoal, estilo, molecagem, necessidade de seguir contra a corrente, ou tudo isso junto, Chico se mantém fiel ao ideário romântico e utópico que em alguma esquina da história acabou fulanizado nas imagens patéticas de Fidel e Chávez". E mais: "Chico tem o direito de expressar sua opinião sobre os 'comandantes' e pode perfeitamente ser criticado por quem os considera, estes sim, os verdadeiramente imperdoáveis" - como se Chico precisasse ser "perdoado"...

Tá, eu também tô careca de saber a posição política da Editora Abril e de suas publicações, de seu conservadorismo, fascismo ou o que seja. Basta dar uma olhada nas capas da Veja, não precisa nem abrir para ler. Mas dessa vez eles estão usando (repito: usando) alguém que não compartilha de suas opiniões, mas que é simplesmente Chico Buarque, para dizer que "sim, ele é legal, mas não devemos odiá-lo por apoiar essa corja esquerdista; você deve considerá-lo apenas um genial artista, mas, em política, é uma besta". E, para fazer essa patifaria, eles vão até a casa do cidadão, partilham de sua privacidade e boa vontade, colocam sua cara na capa para vender mais revistas e, depois disso tudo, enxertam um textinho classificando de "molecagem" sua militância e postura política. Quando a gente acha que já viu de tudo, eles conseguem se superar. Ô, racinha, essa tucanada "iluminada"...

10 comentários:

eliza disse...

credo.

Jéssica Santos disse...

Sabia que mesmo tendo o bom gosto de escolher o Chico a Alpha não tinha mudado, desde que foi para as bancas só vi reportagens machistas e textos estranhos

Glauco disse...

Didático um texto desses que mostra quem pode e quem não pode ser "perdoado"... Incorporou o Vaticano. Chico, dá uma entrevista pro Futepoca que, no sentido apontado pela revista, o pessoal aqui também é meio "moleque".

Beto disse...

Xiii, acho que os barbudos faltaram na aula de interpretação de texto e exageraram na cachaça e nas teorias da conspiração.

Leandro disse...

Os caras só faltaram usar a música "Apesar de Você" para ilustrar a admiração dele por Chavez e Fidel, e ainda tem vaca de presépio insinuando que se trata de mera teoria conspiratória.
Tomando como minhas as palavras de um amigo do Blogue: "Eu morro e não vejo tudo...".

roberta malta disse...

também comprei a revista para ler a matéria de capa e tive a mesma impressão que vc. patético, para dizer o mínimo...

Adroaldo Bauer disse...

Parceira de cicatrizes de Zé Chirico, a famíglia editora continua buona gente, tutti, tutti.
Penso que qualquer povo é capaz de dar cabo de seus tiranos, eleger seus benfeitores, preservar os dirigentes que ama...
No entanto, isso não é assim tão simples e romântico... há disputa de versões, jogos de influências, assassinatos, organização de atentados terroristas pra justificarem-se.
Até o agente da tia disso já sabia.

Vitor disse...

O "comentarista político-buarqueano" formou-se na escola Veja, o que pode explicar muita coisa.

Anônimo disse...

Fazem isso com o Niemayer também. Dizem que ele é um grande arquiteto e tal, mas está ultrapassado por defender o comunismo, Stalin e por aí vai.

Yaro Gabriel disse...

www0519
warriors jerseys
uggs outlet
ferragamo outlet
oakley sunglasses
louboutin pas cher
converse shoes
lakers jerseys
jack wolfskin
grizzlies jerseys
air huarache