Destaques

quinta-feira, março 24, 2011

Com e sem Lucas: a diferença pelos números

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Por Moriti Neto



A estas alturas do dia pode ser chover no molhado discutir se Lucas fez falta ao São Paulo na derrota para o Paulista de Jundiaí. No entanto, vou tentar me fundamentar em números – com o auxílio de levantamento feito pelo diário de esportes Lance! –, pois é aí que a diferença de rendimento do time com e sem o camisa 7 se mostra gritante.

Começa que, com o meia, são seis vitórias e um empate. Portanto, Lucas ainda não perdeu nos jogos pelo São Paulo em 2011. Atuou sete vezes e está invicto. Depois de sua chegada da seleção sub-20, onde foi figura destacada na conquista do Sul Americano da categoria, a campanha são-paulina melhorou sensivelmente, somando-se Campeonato Paulista e a única peleja disputada na Copa do Brasil, contra o Treze da Paraíba. Já sem o garoto, a coisa fica em cinco vitórias e quatro derrotas.

Quando o jogador fez a primeira partida pelo clube no Paulista, o Time da Fé ocupava o quarto lugar na competição. Antes de atender a convocação de Mano Menezes e partir para Londres, onde será disputado, no próximo domingo, o amistoso entre as seleções de Brasil e Escócia, a equipe figurava na liderança, que foi perdida justamente sem ele, em Jundiaí.

Se observarmos a média de gols anotados pelo São Paulo no ano, também se percebe crescimento com Lucas em campo. Sem o atleta de 18 anos, a média do Tricolor é de dois gols por jogo. Com ele, a média sobe para 2,2.

Pode ser só coincidência, mas até o número de gols que a equipe toma, mesmo com o jogador fazendo parte do setor ofensivo, muda radicalmente. Com Lucas, apenas um tento em sete partidas. Sem o jogador, foram nove gols em nove jogos. Talvez porque a bola passe mais tempo no campo do adversário e/ou o esquema fique mais sólido e compacto com um homem que transite bem com a redonda, além de recompor rapidamente quando o time a perde. É possível, ainda, que os adversários se preocupem mais com a marcação, perdendo algo da capacidade de ataque.

Finalizando assim, o que seria apenas conjectura, com o auxílio dos números, ao menos pode se tornar hipótese.

PS: Aos que dizem que os são-paulinos só escrevem pro Futepoca na vitória, cá estamos eu e o Marcão num momento nem tão feliz (ainda que discordando sobre a ausência do Lucas). Espero que depois da próxima rodada, possamos postar textos sobre quebra de jejum e – quem sabe? – o centésimo gol.


Moriti Neto é torcedor do São Paulo e escreve sobre o Tricolor Paulista no Futepoca. Qualquer são-paulinismo exacerbado não é de responsabilidade de quem publica, hehe...

5 comentários:

Gabriel disse...

Escrevem na vitória.... e se justicando da derrota antecipadamente...

Marcão disse...

Meu pai, que xinga tudo e todos no São Paulo desde sempre, dessa vez concordou comigo: o time jogou muito bem, mas os atacantes não acertaram o pé (fora, repito, as falhas da defesa). De qualquer forma, Lucas é imprescindível e, contra o Corinthians, fará muita falta, sim.

Marcão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renato K. disse...

Sobre os gols sofridos, faltou um dado importante: depois da chegada do Rhodolfo, o time só havia tomado - salvo engano - 1 gol, justamente o do empate em 1 x 1 com o Palmeiras. Contra o Paulista, ele não jogou - resultado ... Então acho que muito do mérito defensivo se deve ao acerto da defesa tricolor com ele.

Marcão disse...

Concordo plenamente com Renato K.