Destaques

sexta-feira, março 18, 2011

Metáforas de Dilma

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff teve publicada, na quinta-feira, 17, sua primeira entrevista como mandatária do país em um jornal da terra. As respostas ao Valor Econômico marcaram também as duas primeiras metáforas oficiais de Dilma em português depois da posse. Antes, ela havia sido entrevistada pelo Washington Post, mas as metáforas traduzidas do inglês não poderiam ser contabilizadas.

O exercício dessa figura de linguagem tão profícua quando bem usada era uma das marcas registradas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com preferência em alusões ao futebol, ao bar, à cachaça e ao estilo de vida dos bêbados – eventualmente da mulher dos embriagados, que sofrem as mazelas do álcool – Lula tem no recurso uma das melhores armas para se comunicar tão bem com virtualmente qualquer público. O recurso é tão exímiamente empregado que José Serra (PSDB) tentou mudar de estilo para usá-las mais.

Fotos: Ricardo Stuckert/Pr 27/04/2007 e Roberto Stuckert Filho/Pr 17/03/2011


Dilma não é Lula. Estilos diferentes, tudo bem. Só deu saudade. Nas fotos, Lula de guitarra em punho em pose rock'n'roll com os mexicanos do RBD em 2007 e Dilma quiçá ensaiando uma versão banquinho e violão do sucesso da Copa do Mundo da África do Sul, o Waka waka, com Shakira. 

Dilma falou sobre inflação, crescimento econômic salário mínimo, preservação de direitos dos trabalhadores, aeroportos, entre outros temas. Mas foi sobre corte de gastos públicos que teve origem a primeira metáfora presidencial da Era Dilma. Às palavras:
É como cortar as unhas. Vamos ter que fazer sempre a consolidação fiscal. Na verdade, temos que fazer isso todos os anos, pois se você não olhar alguns gastos, eles explodem. Se libera os gastos de custeio, um dia você acorda e ele está imenso. Então, você tem que cortar as unhas, sempre. Nós estamos cortando as unhas do custeio, vamos cortar mais e vamos fazer uma política de gerenciar esse governo. Estamos passando em revista tudo o que pode ser cortado e isso tem que ser feito todos os anos.
Fosse o Lula, provavelmente a metáfora seria com um time de futebol que não pode só atacar, mas tem de defender. Ou com um trabalhador que, de tanto tomar cervejinha depois do expediente, passa a criar barriga e precisa cuidar de moderá-la para não ter problema de saúde. Ou algo assim. Mas valeu a tentativa.

A segunda metáfora oficial vem do momento em que Dilma rechaça a hipótese de prescindir do controle da inflação. Ela deixa claro que não tergiversa com alta de preços, lançando mão do seguinte:
É aquela velha imagem da pequena gravidez. Não tem uma pequena gravidez. Ou tem gravidez ou não tem.
Alguém pode até questionar se a estratégia não poderia levar o interlocutor a estender a brincadeira. É que inflação ainda tem meta – com centro e margem de dois pontos para mais ou para menos. Gestação pode até terminar prematuramente, mas fica complicado levar tão pormenorizadamente a figura de linguagem.

Contra-metáfora

Por fim, Dilma mostrou um lado que Lula não tinha, o de destruidora de imagens. E saiu-se melhor assim.

A repórter Claudia Safatle mencionou a pecha de "dovish" que paira sobre Alexandre Tombini, presidente do Banco Central. O termo anglófono remete a frouxidão de um pombo, que se contrapõe ao rigor de um "hawkish", em alusão a um falcão.

À pergunta se Tombini é um pombinho, Dilma respondeu: "E eu sou arara (risos)". Depois ainda falou que o mercado reclama do Banco Central porque não tem diretor oriundo do mercado por lá. Quem sabe ela está ainda achando seu estilo?

6 comentários:

Marcão disse...

Com a ressalva de que chega a ser meio desagradável, para uma pessoa que foi torturada, falar em unha. Os militares gostavam de arrancá-las.

Glauco disse...

Pra mim a expressão "pequena gravidez" é nova.

Nicolau disse...

Eu gostei da metáfora das unhas, bem elucidativa, hehe. E também do corte seco que ela deu na jornalista no caso aviário.

Anselmo disse...

"pequena gravidez" é uma variação da "meia gravidez" (ou "meio grávida").

e eu nunca pensaria nesse aspecto das unhas... marcão, vc poderia ser assessor de imprensa para metáforas da dilma.

Maurício Ayer disse...

Mas Marcão, isso mostra que a Dilma superou o trauma, afinal, citou sem tabus essa parte do corpo.

Gostei da imagem das unhas, ajuda bem a entender de que se trata esse ajuste.

Quanto à “pequena gravidez”, o Anselmo matou a charada, é a "meia gravidez". Mas vejam como Dilma ainda está dando os primeiros passos no campo da metáfora. Não pode mudar os termos do lugar comum, afinal, ele só é lugar comum porque usa os termos que todos usam. E a metáfora tem que ser entendida imediatamente, senão sai pior que a explicação técnica.

Vamos treinando, Dilma!

jeje disse...

chrome hearts outlet
nike air max 2017
kobe 9
tory burch shoes
true religion outlet
links of london
nike air max 2018
michael kors
kobe basketball shoes
nike huarache