Destaques

sexta-feira, junho 03, 2011

Neste sábado tem Marcha das Vagabundas em SP

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook


Depois do Churrascão de Gente Diferenciada, outra mobilização bem humorada, mas muito séria acontece neste sábado, em São Paulo. Trata-se da “Marcha das Vagabundas”, versão brasileira (ainda que não do Herbert Richers) de uma mobilização originada no Canadá chamada Slut Walk ( a tradução é essa mesmo) que visa denunciar a culpabilização das vítimas de estupro.

A manifestação começou, segundo o site oficial, por conta de uma declaração de um policial numa palestra em uma universidae de Toronto que, numa palestra de prevenção contra abusos sexuais, disse que as mulheres não deveriam se vestir como vagabundas (sluts) para não serem vítimas de estupro. As moças então foram para as ruas com roupas das mais variadas e cartazes com dizeres como “Não me diga oq eu devo vestir, diga aos homens para não estuprarem” – que entra para a série “difícil ou fácil?”.

O resumo é esse: as mulheres têm o direito de usar e fazer o que quiserem e não serem estupradas no processo. De novo, difícil ou fácil?

Em matéria da Rede brasil Atual, Solange De-Ré, uma das organizadoras da marcha brasileira, afirma que julgar uma pessoa pela roupa é retrógrado. "Não é a roupa que causa o estupro, por exemplo, é a mente doentia de um homem que sente prazer no medo e humilhação que uma mulher sente nessa hora", diz.

A matéria informa ainda que a Slut Walk já foi realizada em outros países como Argentina, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Holanda, Nova Zelândia. Neste sábado haverá novas edições norte-americanas, em Los Angeles e Chicago, além de outra canadense (Edmonton), e também em Estocolmo (Suécia), Amsterdã (Holanda) e Edimburgo (Escócia).

Menção honrosa

Na linha dos manifestos bem humorados, legal esse garoto britânico de 12 anos que decidiu ir à escola usando saia para protestar contra a proibição de uso de bermuda na instituição. O moleque leu o novo regulamento de vestuário da escola e viu que não havia nada proibindo garotos de irem de saia. Juntou uma galera e boralá. Conseguiu que a escola discutisse uma revisão do regulamento, segundo essa matéria do IG. Cheers!

7 comentários:

Anselmo disse...

é bem interessante a sequÊncia de manifestações/mobilizações na cidade. antes dessas, teve a manifestação em 2010 contra o reverendo do Mackenzie q endossou artigo que defendia o "direito à homofobia"... E teve o MPL pedindo ônibus mais barato.

Acho mto interessante temas relacionados a sexualidade e ao comportamento ganharem contornos mais politizados, em manifestações.

Inclusive pq tira força dum certo discurso-mala de parte da esquerda de que a "juventude" (seja lá o que isso signifique) não se mobiliza nem quer saber de nada...

Maurício Ayer disse...

Solange De-Ré é um nome finíssimo.

houve também a marcha dos maconheiros. tá ficando bom esse troço.

Nicolau disse...

É bom mesmo ver o pessoal comprando brigas e botando fé na organização coletiva. Diria, em arroubo pseudo -sociológico, que é fruto de 20 e poucos anos ininterruptos de democracia - somados a mais dez com descrescente intensidade no discurso ultra-individualista neoliberal, que ainda é hegemônico, mas já tem brechas mais claras.

Anselmo disse...

"pseudossociológico" não. sociologia de boteco...

agora, não sei se é motivo de festa e de acreditar que é uma tendência e que as coisas vão melhorar nesse aspecto. Mas que é interessante a, digamos, novidade, isso é.

Por outro lado, por serem qstões mto diferentes e por conseguirem resultados pouco claros, até em termos de continuidade dos "movimentos", tlz o avanço seja menor...

Marcão disse...

"tá ficando bom esse troço" (2)

Olavo Soares disse...

Sensacional essa do moleque de saia. Já pensei nisso várias vezes. Palhaçada do tamanho do mundo nós termos que usar calça e a mulherada bem servida com as saias - E AINDA RECLAMANDO DO AR CONCIDIONADO!

Essas coisas o movimento feminista não vê!

Camilo disse...

Sensacional essa do moleque de saia (2). Isso é que é cabra macho!