Destaques

quarta-feira, fevereiro 06, 2013

Novos tempos da comunicação - a cerveja para jornalistas desempregados

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Essa chegou via Vinicius Souza e eminência parda Carminha. A ideia é cheia de ironia, de duplo sentido e também um reflexo dos novos tempos da comunicação e do jornalismo no mundo. Joan Campbell, um jornalista estadunidense desempregado, resolveu criar uma cerveja para seus iguais. Assim, surgiu a artesanal Unemployed Reporter Porter (Repórter Desempregado) que, de acordo com a definição do autor, é “a primeira cerveja fabricada por jornalistas da mídia impressa, para jornalistas da mídia impressa" ”.

Jornalista: senta e chora...
O reflexivo rótulo do produto traz um jornalista choroso perante o seu obsoleto instrumento de trabalho, uma máquina de escrever. Trata-se de uma cerveja Porter, um tipo de cerveja escura popular entre os marinheiros do século XIX, de acordo com o autor. Mas, conforme texto deste mesmo Futepoca, “um documento do século XVIII já dizia que elas [as Porters] eram o resultado da mistura de três tipos de cerveja: uma Old Ale, uma New Ale e uma Weak One (Mild Ale). Desta combinação resultaria uma bebida a que os ingleses chamavam de 'Entire Butt' ou 'Three Threads', produto de gosto forte que tinha como objetivo agradar a um vasto público, priincipalmente a massa de operários surgida com a Revolução Industrial”.

O rótulo avisa ainda que a cerveja é “feita à mão, na mesma antiga tradição, em homenagem a uma profissão igualmente condenada ao declínio e à irrelevância”. Embora a divulgação já tenha alcançado limites além das fronteiras ianques, a bebida não tem ainda uma data definida pra ser lançada já que, por enquanto, a produção não passou de um galão de cinco litros guardado no armário, conforme o próprio fabricante.

Proletários das letras desempregados de todo o mundo, uni-vos!

5 comentários:

Nicolau disse...

Invoco reunião urgente deste fórum para discutir o início da produção da versão nacional.

Marcos Futepoca disse...

Então, eu fiz o curso de cerveja artesanal em dezembro, mas o custo inicial, para comprar todos os equipamentos e ingredientes, é de uns R$ 2 mil. Para um jornalista desempregado (como eu também!), tá faltando...

Glauco disse...

Será que não dá pra incluir uma linha de crédtio especial no Manguaça Cidadão?

Maurício Ayer disse...

Desempregado pode ser, mas não desocupado: crédito já pro Marcão produzir cerveja!

Anselmo disse...

Certamente o Manguaça Cidadão tem de pensar essas questões de crédito para fomentar trabalho e renda.

E divertido saber que a turma permanece criativa pra enfrentar crises.

Lembrei-me do caso da Manchete, que faliu e quase fechou. Os empregados montaram uma cooperativa pra gerir a massa falida. Até aí, tudo careta. A parte divertida é que a saudosa (pra quem, não vem ao caso) revista Manchete era ressuscitada em edições pós-carnaval, cheias de imagens de moças em quase trajes de maiô.

Mas porter é forte e escura, mais bruta do que uma stout. tende a harmonizar com o clima de desespero do desemprego associado ao declínio de uma indústria.