Destaques

terça-feira, março 12, 2013

As apostas para o sucessor de Bento XVI ou Conclave, uma caixinha de surpresas

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Hoje começa o conclave para a escolha do novo papa. Claro que você já deve ter lido, visto e ouvido especialistas explicarem a respeito das correntes de dentro da Igreja Católica e de quais os favoritos para ocupar o Trono de Pedro. Sem dúvida, um farto material para entender os mecanismos e a estrutura eclesiástica pouco democrática e transparente, mas, tal qual acontece no futebol, o colégio de cardeais pode ser uma caixinha de surpresas. Para verificar isso, basta ver o que foi dito sobre a escolha do sucessor de João Paulo II em 2005.

Ratzinger era um dos favoritos. Mas nem tanto
Como naquela eleição, o conclave de hoje começa sem um favorito evidente. Mesmo assim, havia os que despontavam. Esta matéria do Terra, por exemplo, falava a respeito da missa celebrada na Basílica de São Pedro antes dos cardeais entrarem na Capela Sistina, ponderando sobre as chances daquele que comandaria a missa: “O cardeal decano, Joseph Ratzinger, um dos que estariam com maior apoio, mas não o suficiente para ser eleito, comandará a celebração.” A história mostrou que o apoio foi suficiente.

a revista Veja, em sua lista de onze favoritos, citava Ratzinger, mas o alemão era praticamente um azarão: “Pouco antes da morte do papa, seu nome começou a aparecer na lista de papáveis dos vaticanistas italianos. Ratzinger, no entanto, tem muitos inimigos e suas condições de saúde não são das melhores. Sua eleição seria uma grande surpresa, resultado de um conclave particularmente difícil”. O germânico Deutsche Welle, ao contrário, cravava no primeiro dia do conclave, baseado na imprensa italiana, que a disputa seria entre o cardeal alemão e o reformista Carlo Maria Martini.

À época, dois brasileiros apareceram entre os “papáveis”. Dom Cláudio Hummes, então arcebispo de São Paulo e, mais próximo ao conclave, surgiu Dom Geraldo Majella Agnelo, citado mesmo pelo Corriere Dela Sera como possível “surpresa” na eleição.

Com quatro votações apenas (são duas por dia), Joseph Ratzinger foi um dos papas escolhidos de forma mais rápida. De acordo com o vaticanista Lucio Brunelli, o principal adversário do alemão teria sido Jorge Mario Bergoglio, arcebispo de Buenos Aires, depois de Carlo Maria Martini ter tido um mau desempenho na primeira votação. Mas o latino-americano teria desistido da disputa, pedindo a seus amigos mais próximos para não ser votado. Claro que, como os resultados das votações em tese são secretos, já que os cardeais que quebrarem o voto de silêncio têm como pena a excomunhão, acreditar ou não nessa versão fica a critério de cada um.

Bolsas de apostas

Cotação em tempo real
Como diria o conselheiro Acácio, quem entende de aposta é apostador. Não é à toa que foram eles que acertaram a escolha de Ratzinger como papa, enquanto especialistas e estudiosos em geral vacilavam para apontar o alemão como favorito absoluto. A aposta no alemão pagava 2 para 1, enquanto atrás dele vinham Carlo Maria Martini e Dionigi Tettamanzi, além do francês Jean-Marie Lustige. Mais atrás vinham Claudio Hummes e o nigeriano Francis Arinze.

A avidez pelas apostas fez com que, no mesmo dia da escolha de Bento XVI, já se apontasse quem seria o seu sucessor. Paddy Power, negociador de apostas de Londres, apresentava naquele dia um placar favorável ao italiano Angelo Scola, que pagava 6 para 1, seguido por Christoph Schonborn (7 para 1), Oscar Maradiaga (7 para 1), Jorge Bergoglio (9 para 1), Francis Arinze (10 para 1) e Dionigi Tettamanzi (25 para 1).

Seguindo a tendência de olhar mais para as bolsas e sites de apostas, um estudo publicado ontem pela Agência Jornalística do Mercado do Jogo (Agimeg) mostram o arcebispo de Milão, Angelo Scola, como o favorito para suceder Bento XVI, vindo depois o ganês Peter Turkson e Tarcisio Bertone, atual secretário de Estado do Vaticano e inimigo de Ratzinger. Já Dom Odilo Scherer aparece em quarto na bolsa de apostas de Londres.

O brasileiro que quase foi papa

Lorscheider quese chegou lá
Reza a lenda e os “vazadores” de votações dos conclaves que apenas um brasileiro recebeu votos em uma eleição papal. Foi Dom Aloísio Lorscheider, ligado à Teologia da Libertação, morto em 2007. De acordo com esta matéria da Carta Maior, o cardeal recebeu votos daquele que seria eleito João Paulo I, Albino Luciani, que foi recebido quando cardeal na casa do primo de Aloísio, Ivo Lorscheider. 

A morte do papa em pouco mais de um mês fez com que o nome do cardeal gaúcho voltasse à tona, mas a reação conservadora em marcha elegeu o polonês Karol Wojtyla, à época uma zebra.

Uma curiosidade é que no filme O Poderoso Chefão 3, que mostra o suposto (ou nem tanto) assassinato de João Paulo I, o nome de Lorscheider é lido na apuração.

3 comentários:

Anselmo disse...

Excelente a retrospectiva.

Olha, só queria lembrar que, se precisarem do meu nome...

Melhor evitar.

Mas sempre tem a turma que entra papa na capela sistina mas sai cardeal.

E é impressionante o quanto a turma gosta de uma aposta. Nem o conclave escapa.

Qdo comentei isso com um amigo ateu e meio anticlerical, ele respondeu: Mas perto disso, jogo do bicho fica com jeito de passatempo de criança.

Nicolau disse...

De fato, pra um cara que gosta de aposta, um negócio que não tem prazo pra acontecer e envolve sei lá quantos milhões de pessoas ao redor do mundo é bem interessante.

Alexandre Lavrador disse...

Entre para a rede social www.taloko.tk

A rede social para conhecer gente nova!

Totalmente gratuita e sempre será!