Destaques

sexta-feira, março 29, 2013

O empate do Santos com o Mogi e uma torcida ingrata

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Parte de uma torcida não reconhece talento
Depois de cinco partidas na temporada na Vila Belmiro, todas vencidas pelo Santos, o Alvinegro empatou com o Mogi Mirim em 2 a 2. Claro que não é o resultado dos sonhos de ninguém, mas o adversário tem o melhor ataque do Paulista, com 29 gols, e está à frente de Corinthians e Palmeiras na tabela. Os donos da casa vacilaram em momentos cruciais da partida e tomaram dois gols mesmo tendo o domínio da partida durante a maior parte do tempo.

A torcida, além de “marcar” alguns jogadores, vaiou o time ao fim dos 90 minutos. E alguns deles vaiaram Neymar, algo que toma proporções anormais para parte da mídia esportiva que sempre procura pauta em ovo. O garoto deu assistência, se movimentou, mas não brilhou como costuma. Está há seis jogos sem marcar, e ainda assim foi fundamental para a equipe.

Em outro contexto, mas no mesmo campeonato, vi o Santos perder por 3 a 1 para o Paulista, no Pacaembu. Com Neymar. O gol de honra, dele, veio perto do final e, quando estava 3 a 0, boa parte do estádio cantou, apoiando os jogadores. Falo da diferença entre o comportamento santista ontem e o daquele jogo para falar da necessidade de o Alvinegro mandar mais jogos em São Paulo.

Na Vila, mesmo na época de vacas magras, o Santos era soberano. O folclórico Viola dizia que no estádio o adversário era como Miojo, entrava duro e saía mole em função da pressão dos torcedores. Mas os tempos foram mudando e há algum tempo o estádio e seus torcedores não têm cumprido seu papel a contento, o de ser um caldeirão para os rivais. Aquela parte da torcida que em outros clubes se chama de “turma do amendoim” cada vez ganha mais relevo.

Lembro que em 2003, quando Robinho passava por má fase após ser o principal protagonista do título Brasileiro de 2002, tirando o time de uma fila de quase 18 anos, era xingado por torcedores que esqueciam o que havia acontecido três meses antes. Um cara que estava perto de mim em um jogo disse que “Robinho é um enganador, que nem o Gil do Corinthians”. O santista Renato conta outra passagem, de um torcedor que xingou durante boa parte do primeiro tempo o meia Diego. Cada vez que ele pegava na bola, era uma ofensa. O problema é que o xingado era Preto Casagrande e o jovem sequer estava em campo naquele dia. Muitos provavelmente pegaram no pé de Pelé e cia. também.

Saem alambrados, entram camarotes térreos
Esse tipo de torcedor que mais xinga do que apoia e acha ruim até quando o time vai bem sempre existiu na Vila, mas parece, como disse acima, que vem se tornando mais importante, não só pelas mudanças pelas quais o estádio passou, mas pelo fato de, com públicos pequenos, sua voz se sobressair mais. E também se sobressaem aqueles que querem conturbar o ambiente, movimentos interessados em forçar ou criar clima para justificar saída de jogadores cuja parte dos direitos federativos pertencem a empresas ou empresários.

Na peleja contra o Mirassol (alô, Palmeiras), o Santos teve prejuízo e ontem o time, mesmo com a volta de Neymar e Montillo, jogou diante de 6.054 pagantes. Ainda assim, o clube tem a segunda melhor média de público do Paulista, mas certamente não é por causa da Vila e sim pelos dois jogos que mandou na capital, conta o Paulista, no Pacaembu, e contra o Corinthians, no Morumbi, ambos com mais de 18 mil pagantes cada.

O bairrismo já foi arma eleitoral na disputa entre Luís Álvaro e Marcelo Teixeira em2010 e volta à tona impulsionado também pela TV de propriedade da Família Teixeira. Como querela política, impede a discussão sobre o clube ampliar seus horizontes, já que estima-se que a torcida santista seja pelo menos dez vezes maior do que a população da cidade que abriga a equipe.

Para mim, que sou santista de nascimento e vi jogos mais na Vila do que em qualquer outro lugar, ela é insubstituível afetivamente. Mas é impossível fechar os olhos às necessidades que regem um clube grande no futebol de hoje. Para buscar visibilidade e torcedores o Santos precisa sair mais da Vila. E, hoje, faria bem a torcida de Santos refletir mais sobre seu comportamento nas arquibancadas, torcendo mais e chiando menos.

0 comentários: