Destaques

domingo, março 24, 2013

A atualidade do The Dark Side of The Moon, 40 anos depois

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Por camila souza ramos*

O oitavo disco do Pink Floyd foi lançado em 24 de março de 1973 e chega hoje ao seu 40º aniversário, mas o álbum de meia-idade ainda reverbera nas gerações posteriores de 80’, 90’ e 2000’. Reverbera porque foi o primeiro e um dos únicos álbuns da história do rock que ousaram tocar uma epopeia da modernidade num estilo psicodélico, da loucura como uma produção social do nosso tempo, e conseguiu fazer isso quase numa ópera rock, formato então inovador mesmo para o próprio Pink Floyd.
Naquela época, o antigo protagonista da banda, Syd Barrett, já havia saído do grupo, após se viciar em LSD e desenvolver um comportamento esquizofrênico. O problema mental de Barret – guitarrista que já inspirava muitos contemporâneos seus – afetou o grupo todo, e levaram-se uns anos para que Roger Waters tomasse a liderança do Floyd e decidisse tratar desse problema diretamente em suas próprias composições. Mas a decisão não poderia ter sido mais acertada: as músicas serviram como uma catarse da banda para o sofrimento que presenciavam, aliando o testemunho da loucura com reflexões filosóficas sobre a resistência ao tempo, a ganância e outras loucuras sociais, além de alcançar uma produção musical fora do padrão de rock comportado, com longos solos de guitarra e baixo, com pouca simetria, mas com uma harmonia que em algumas vezes se aproxima da música clássica – o grupo já havia usado e abusado das extensões de guitarra em Ummagumma (1969), mas naquele álbum as letras ainda não estavam à altura das melodias.
Syd Barrett e Roger Waters
Quando falam do lado escuro da lua, eles falam de todos os lados escuros de nossa alma, de nossa humanidade. Aquilo que deixamos oculto, que tememos mostrar, e que, quando nos é revelado, assusta, como a loucura, ainda que saibamos que temos em nós os seus germes. As músicas jogam luzes sobre os bichos-papões que estão sob as nossas camas e para os quais preferimos não olhar, mas que, quando encaradas, podem nos revelar um mundo que merece ser olhado – e deve ser. Relações possíveis com a capa do álbum não são mera coincidência: um feixe de luz branca (a reflexão, a música), atravessa o prisma (nosso inconsciente) e se revela multicolorido (a consciência). Observação: o significado dessa capa é discutido até hoje, e fala-se em referência às pirâmides do Egito, sobre a revelação do lado oculto do universo, entre outros. A interpretação que coloco é uma entre várias possíveis.
Nas letras do disco, Waters aproxima da obsessão comportamentos tidos como normais ou inquestionáveis: “The paper holds their folded faces to the floor/And every day the paper boy brings more” (Brain Damage); “I'm in the high-fidelity first class travelling set/And I think I need a Lear jet” (Money). Ou ainda, inverte o diagnóstico, questionando a loucura como patologia: “Very hard to explain why you're mad/even if you're not mad” (Speak To Me).
Em quase todas as músicas do disco, o grupo abusa de recursos sonoros para além dos instrumentos, como gravações de voz e locuções em um aeroporto. Dois pontos altos são o badalar simultâneo de diversos relógios em Time, e o som do cair de moedas e de caixas registradoras em Money. Esses recursos aproximam o álbum de uma narrativa, ainda que não linear, como se a forma chamasse a atenção do ouvinte para o conteúdo.
Parênteses: Money foi o sucesso inegável e mais do que justificado do disco, com uma mensagem direta às contradições do dinheiro no capitalismo. Contradição essa presente dentro da própria banda, que foi duramente criticada por alguns por terem ganhado muito dinheiro justamente fazendo crítica ao sistema, ainda que nunca tenham se advogado como revolucionários (Roger Waters fala um pouco disso nessa entrevista à Rolling Stone, disponível em http://migre.me/dPdFR). Apesar do peso musical de Money, creio que Time não esteja atrás. Ao falar sobre a fugacidade do tempo, nos faz pensar sobre o tempo que perdemos e se não é uma loucura querer controlar esse tempo transcorrido (coincidência histórica ou não, as músicas Money e Time foram compostas na época de expansão global do sistema de produção Just-in-time, cuja máxima é “tempo é dinheiro”).
Mesmo ao tratar dos problemas mentais de Syd, Waters mostra as pressões que o dinheiro, o tempo, as guerras (em Us and Them, por exemplo) e a possibilidade da morte exercem sobre o indivíduo. Com isso, ele consegue tratar de angústias também de todo o corpo social – e, dessa forma, compõe praticamente uma epopeia da modernidade, cujos problemas não apenas ainda não foram resolvidos como até agravados.
The Dark Side of The Moon fala de angústias, mas não busca saídas. Neste sentido, pode ser considerada uma produção mais juvenil de Pink Floyd, que seis anos, em 1979, lançou sua segunda maior obra-prima, The Wall – um disco mais duro, mas também mais direto, arriscando inclusive algumas palavras de ordem.
É tentador dizer que o rock atual não busca mais compor narrativas históricas, não se engaja mais nos problemas de seu tempo nem questiona mais a realidade, mas uma hipótese para essa ausência de referência é que as questões levantadas pelo rock dos anos 60’ e 70’ permanecem as mesmas, e as soluções, ainda distantes tanto da música como da realidade. Ou ainda, que as soluções esperadas por aquelas gerações não venceram nem corresponderam aos seus anseios. Diante disso, o rock apenas espelha hoje a falta de grandes alternativas, preferindo se recolher ao dia-a-dia, buscando escapar do conflito.
Aos 40 anos, The Dark Side of The Moon pode ter suas crises de meia-idade, mas também é como um pai que tem muita história e ensinamento a passar para seus filhos.


*Camila Souza Ramos é jornalista, sãopaulina não-praticante e acredita na socialização dos meios de produção, do rock progressivo e da cachaça. Presenciou os últimos anos das fitas K7 e, quando bebê, o pai tocava fitas do Pink Floyd para ninar a criança.

6 comentários:

Glauco disse...

Acho o disco inteiro genial mas, pra mim, Brain Damage é o verdadeiro convite para ver o tal lado escuro de todos nós.

"The paper holds their folded faces to the floor/And every day the paper boy brings more"

Gênios.

Maurício Ayer disse...

Genial, sem dúvida.

Anônimo disse...

Em um documentário, Waters diz que The Dark Side Of The Moon se resume a uma única (e genial) pergunta: "Você consegue libertar-se o suficiente para aproveitar a vida enquanto ela flui antes e com você enquanto faz parte dela?"

Bala disse...

Muito boa resenha!

Anônimo disse...

Dark Side é uma obra que ouço e admiro até hoje, tenho o Lp a vinte e poucos anos, e acho uma obra unica, sem igual que deve ser ouvido por inteiro, simplismente magnifico, legal o post

Anônimo disse...

Camila, eu sempre achei que há uma forte simbiose entre a capa do álbum e as canções: da mesma forma que a luz branca se decompõe em cores primárias, também a vida se decompõe nos diversos níveis contidos nas faixas do álbum (medo, sucesso, loucura, guerra, tempo).
Abraços,
Carlos Villar