Destaques

quinta-feira, setembro 11, 2014

Luz no fim do turno

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Em 29 de agosto, quando o Datafolha divulgou pesquisa apontando que Marina Silva bateria Dilma Rousseff por 10 pontos em eventual 2º turno disputado por ambas (leia aqui), um conhecido comentou comigo que políticos do PT haviam confirmado em off, pra ele, que pesquisas internas do próprio partido, naquele mesmo período, davam resultado idêntico. "Então ferrou", me lembro de ter comentado. Porém, contra todas as minhas (ultra-pessimistas) expectativas, a explosão da boiada pró-Marina parece estar sofrendo, agora, um refluxo. Ontem, o Datafolha soltou nova pesquisa (leia aqui) mostrando que agora, num 2º turno disputado entre Marina e Dilma, a primeira alcançaria 47% e a segunda, 43% - o que, num levantamento com margem de erro de dois pontos para cima ou para baixo, configura empate técnico. Parece que, após o fluxo de rejeição contra a atual presidente da República ter atingido a crista da onda no mês passado, há um refluxo também significativo dos que estão considerando com mais atenção o que seria um governo de Marina Silva. E, como bem observou o camarada Nicolau em seu excelente texto postado ontem (leia aqui), se cristaliza "a chance, cada vez mais uma certeza, de Aécio Neves ser o primeiro tucano fora da disputa desde 1989, o que é ainda mais interessante". Oremos ao Senhor!

3 comentários:

Nicolau disse...

A politização que a Dilma impôs pra campanha parece estar trazendo de volta eleitores que votaram PT em 2010 e estavam namorando com a Marina. As propostas inconsistentes e contraditória - ainda mais pra alguém que se diz a única programática entre os pragmáticos - estão deixando Maria em maus lencois. Além disso, estou curtindo ver Dilma em modo "bateu levou". Não tem ataque de Marina (sim, ela também ataca, não é sempre vítima) que não receba uma resposta com o pé no peito. Sempre achei que Dilma fica melhor brava, hehe.

Marcus Vinicius da Costa Nogueira disse...

Gosto muito deste blog e com as opiniões políticas mais ainda.
Cerveja, futebol e esquerda, é o caminho do futuro.

Anônimo disse...

ore VC! rs