Destaques

sexta-feira, setembro 26, 2008

Inchaço aumenta Eurocopa para 24 times

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

A Eurocopa de 2016 - que ainda não tem sede definida - trará uma novidade em relação às edições anteriores: terá 24 times na disputa pelo segundo caneco inter-seleções mais importante do mundo.

É um aumento de oito times em relação ao modelo atual, que vigorará até 2012, e de impressionantes seis vezes mais em relação ao sistema de disputa que a competição européia adotou em sua estréia, em 1960, e manteve até 1976.

Aliás, uma adequação, em nome do purismo: os 24 times em questão não disputarão a Eurocopa, e sim a fase final da Eurocopa. Tal qual ocorre com a Copa do Mundo, o torneio europeu tem eliminatórias que, oficialmente, são consideradas fases prévias do mesmo certame.

E é justamente nas eliminatórias que mora a razão pelo inchaço, segundo alegam os dirigentes da Uefa (cujo cartola maior, vale lembrar, é Michel Platini). São 51 times na disputa pelas vagas e os responsáveis consideraram ser importante dar chance a outras seleções. Assim, evita-se o risco de ver equipes tradicionais na busca pelo título - o que ocorreu na edição desse ano, quando os ingleses tiveram que assistir à Euro pela TV.

Ainda não tenho opinião formada sobre a medida da Uefa. A primeira coisa a dizer é algo como "fizeram isso pra ganhar dinheiro!", "é o futebol virando negócio!", "tem dedo da Globo nisso aí!". O que realmente faz algum sentido. Futebol é mesmo negócio, e daí? Alguém ainda acha o contrário? Tenho certeza que muitos que aprovarão a idéia torceriam o nariz para a medida se ela fosse implantada no Brasil ou na América do Sul, e ainda lançariam aquele maldito bordão: "só no Brasil isso acontece".

Por outro lado, sou rigidamente contra competições com 24 times. O regulamento da nova Euro será semelhante ao que a Copa do Mundo teve entre 1986 e 1994. Os times se dividirão em seis grupos de quatro equipes, e avançarão os dois primeiros de cada chave mais os quatro melhores terceiros colocados. É um sistema estranho, que permite a "classificação por índice técnico", que é injusta em sua essência - são comparados em pé de igualdade desempenhso de times que enfrentaram adversários diferentes. Vale lembrar, aliás, que foi por essa via dos "melhores terceiros colocados" que a Argentina avançou ao mata-mata da Copa de 1990, e o final da história os brasileiros lembram com pesar.

Lembrando que a Eurocopa de 2012 acontece em duas sedes, Polônia e Ucrânia. A de 2008 foi realizada na Áustria e na Suíça e teve a Espanha como campeã.

1 comentários:

Anselmo disse...

Apesar de vocÊ nao ter opiniao formada, o titulo fala de "inchaço", o que parece mostrar um lado negativo, um aumento artificial, quiça patológico.

a minha tendência inicial também é de ver com maus olhos. por um lado, pode significar reduzir o nível da competição por abrir mais espaço. Um jogo entre dois times ruins, tende a derrubar o nível da competição. Mas se a partida for entre uma equipe forte e outra fraca, pode pintar uma goleada, grandes jogadas, que tbem são divertidas. Em 2002, a Alemanha ganhou de 8 a 0 da Arábia Saudita. O objetivo do futebol também é bola na rede.

Mas é claro que a finalidade de negócios é mto mais forte mesmo, de dar visibilidade para jogadores de mais países, até pq, hoje existem mais mercados com dinheiro (de origens mais ou menos escusas), e gente interessada em vitrines de atletas.

É uma merda tudo que é sólido desmanchar no ar porque tudo é mercadoria. mas pode ter alguns lados não tão ruins.

Por exemplo, mais jogadores brasileiros vão se naturalizar em países inusitados para disputar partidas com seleções menos expressivas. Ou nao tão pouco expressivas.