Destaques

quarta-feira, fevereiro 25, 2009

De olho na redonda: A bola pós-carnaval... E Barrichello pode correr com Danica Patrick

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Depois do carnaval, a bola. Não que ela não tenha rolado, principalmente no sábado, quando o Resende superou um perturbado Flamengo, que teve dois jogadores expulsos e ficou de fora da semifinal da Taça Guanabara. Trocadalhos dos mais previsíveis possíveis foram feitos em profusão para falar da façanha do time, mas quando a decisão é em um partida só e, ainda por cima, em fim de semana de carnaval, zebras assim podem aparecer mesmo...

Já o Paulistão terminou o fim de semana da forma mais previsível possível. Com os quatro grandes no G-4 e a Lusa em quinto. Claro que o andamento de competições paralelas como a Copa do Brasil e a Libertadores podem alterar o quadro, mas o estadual promete ser isso que está aí. De se destacar, apenas o grande público que compareceu ao Pacaembu para ver Santos e Botafogo em pleno domingo de carnaval: quase 21 mil pagantes, mais que o dobro do clássico (ou semiclássico?) entre Lusa e Palmeiras. Mas o Eterno ainda resiste a fazer o Peixe jogar mais em São Paulo, atendo-se às superstições e ao provicianismo de sempre, embora acene com a possibilidade de a partida contra o Rio Branco ser realizada na capital. Ao santista paulistano, mais fiel que o da Baixada (e olha que sou de lá), restam as sobras...

O ponta-artilheiro

Garrincha, Canhoteiro, Julinho Botelho, Zagallo... Nenhum deles chegou perto da fantástica marca de Pepe, segundo maior artilheiro da história do Santos com 405 gols. É o maior ponta artilheiro do país, e com tal marca supera os goleadores máximos de clubes como Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Fluminense etc etc etc. Hoje, ele faz 74 anos. Parabéns, Canhão!   

Barrichello e Danica Patrick juntos?


Invado aqui o espaço do inigualável Chico Silva para falar de automobilismo. Ou quase isso. Após penar na sofrível e hoje falida Honda, Rubens Barrichello está prestes a se aposentar de maneira forçada. Mas o descanso pode durar apenas um ano. A USF1, equipe estadunidense lançada na terça-feira e que estreará na Fórmula-1 em 2010, declarou publicamente o interesse em contar com o brasileiro já que, em seu primeiro ano na categoria, precisaria contar com um piloto rodado (no bom sentido). "Rubens Barrichello seria bom, pois experimentou dois anos ruins na Honda, o que seria uma coisa muito útil para nossa operação. Mas ele é quase o único dos pilotos que potencialmente preencheriam o papel de piloto experiente", disse Peter Windsor, diretor esportivo da agremiação.

 
Fotos comportadas porque esse é um blogue de família.
 
E, para acompanhar Barrichello na equipe, uma das apostas é Danica Patrick, que hoje disputa a F-Indy. Hoje ela integra a equipe Andretti-Green se destacou por ser a primeira mulher a vencer uma prova na categoria, no Japão em 2008. Certamente, como se sê nas fotos da moça, seria também uma bela jogada de marketing, podendo ajudar a combalida F-1, tão afetada pela crise econômica mundial.

5 comentários:

Marcão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcão disse...

Essa gringa metida a modelo me lembrou a brasileira Suzane Carvalho, que fez o caminho inverso na década de 1980: de atriz e modelo (capa da Playboy em 1982) para o automobilismo.

Segundo a Wikipedia, "em 1992 foi campeã brasileira e sul-americana da categoria B da Fórmula 3, se tornando a primeira e única mulher do mundo a alcançar tal feito, o que a levou para o Guinness Book e para a Enciclopédia Barsa."

Marcelo Ralacoco disse...

A Danica é mais piloto. Se bem que isso não quer dize rmuita coisa na F1...

Quanto a USF1, esperemos...

Anselmo disse...

vai, Resende!

vai Danica!

Glauco disse...

O curioso da Suzane Carvalho é que ela começou a pilotar kart com 25 anos... Chegou à Indy Lights (categoria imediatamente inferior à Indy) e à Fórmula 3000 (então a segunda divisão da F-1). Conseguiu a super-licença para pilotar na F-1, mas como não conseguiu 15 milhões de dólares para correr pela Minardi... Se fosse filha de dono de supermercado talvez tivesse melhor sorte.