Destaques

quinta-feira, fevereiro 26, 2009

O maluco, o chato, a música, o futebol e a cachaça

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Depois de apresentar "Let me sing, let me sing" no Festival Internacional da Canção, o baiano Raul Seixas (à direita) surgiu nas paradas de sucesso, em 1973, com uma música que denunciava o engodo do "milagre brasileiro" de Delfim Netto e, ao mesmo tempo, "respondia" a canção "A montanha", de Roberto Carlos. Enquanto o "rei" dizia "Obrigado Senhor/ Por mais um dia", Raulzito cantava, em "Ouro de tolo": "Eu devia agradecer ao Senhor/ Por ter tido sucesso na vida como artista". Só que o mais engraçado, nessa história, é que a própria música de Raulzito ganharia uma "réplica".

Em 1974, o mineiro Silvio Brito (à esquerda) apareceu com "Tá todo mundo louco", na qual escancara: "Eu fiz tudo pra não fazer um plágio/ Mas ela saiu muito parecida com a música do Raul Seixas". O discurso é quase o mesmo. Raul reclama: "Macaco, praia, carro, jornal, tobogã/ Eu acho tudo isso um saco". Silvio emenda: "Essa música foi feita num momento de depressão/ Eu tava com saco cheio, com raiva da vida, com raiva de tudo/ Eu fiz essa música pra encher o saco de todo mundo".

Ouro de tolo:


Tá todo mundo louco:


A mesma agressividade está no desabafo de Raul Seixas: "É você olhar no espelho/ Se sentir um grandessíssimo idiota/ Saber que é humano, ridículo, limitado/ Que só usa dez por cento de sua cabeça animal". Aliás, falando em olhar no espelho, não parece de todo impossível que o descarado Silvio Brito tenha se inspirado na letra do colega baiano para emplacar, na sequência, "Espelho meu". A letra parece confessional: "Tomo a dimensão de quem não tem razão pra ser normal/ Sou débil mental".

O mineiro insistia em construir uma imagem de "maluco", "doido assumido" - e feliz com isso. Em "Espelho meu", grita: "Salve os loucos, salve os loucos!". Curioso é que, pouco tempo depois, Raul soltaria "Maluco beleza" – e ficaria com esse apelido e estereótipo até o fim da vida. Mas, antes disso, o roqueiro baiano decidiu esculhambar Silvio Brito com "Eu também vou reclamar", de 1976. Que já começa avisando: "Eu vou tirar meu pé da estrada/ E entrar também nessa jogada/ E vamos ver quem é que vai ‘güentar’".

Eu também vou reclamar:


Pare o mundo que eu quero descer:


Na época, uma das músicas mais grudentas de Silvio era "Pare o mundo que eu quero descer". A letra faz menção ao futebol: "Pare o mundo que eu quero descer/ Que eu não aguento mais esperar o Corinthians ganhar o campeonato/ E ver no rosto das pessoas a mesma expressão" (o time de Parque São Jorge sairia de uma fila de mais de duas décadas no ano seguinte - foto acima). Para rebater, Raul Seixas foi direto ao assunto: "Ligo o rádio e ouço um chato/ Que me grita nos ouvidos/ Pare o mundo que eu quero descer".

Outra coincidência entre a produção musical do mineiro e do baiano, naquela época, foi a implicância feminina com a – indispensável – manguaça nossa de cada dia: "Já estou cansado de ouvir você dizer/ Que eu não sei fumar, que eu não sei beber, que eu não sei cantar" (de "Tá todo mundo louco") e "Entro com a garrafa de bebida/ Enrustida/ Porque minha mulher não pode ver" (de "Eu também vou reclamar"). Raul morreria de pancreatite aguda, aos 44 anos, exatamente por abuso da bebida. Silvio Brito - que homenageou Raul - continua vivo. Mas quase ninguém repara...

Ps.: Eu posso ser chato (ou "chacrilongo"), mas as melodias dessas músicas abaixo não são extremamente parecidas, não?

Chacrilongo:


Capim guiné:

11 comentários:

Rivelle Nunes disse...

Como diria Raul "...e fim de papo". Parabéns pelo blog.

Anselmo disse...

que diálogo bem construído. boa, marcão!

Glauco disse...

Outro dia vi o Silvio Brito em um desses programas vespertinos da vida. Cantando o de sempre, claro.

Nicolau disse...

Tem uma música do Silvio Brito que eu conheci ainda moleque e nunca mais achei pra ouvir em que ele conta a história de um romance entre um boi e uma vaca. No final da história, o boi toma um chifre e diz: "Eu hoje sou um touro bravo, chifrudo, marrudo e magoado/Entro no bar pra beber e esquecer o passado/Entro no bar pra beber e esquecer.../Que ela tem os olhos trists e uma pinta no pescoço/Todo mundo me critica mas é só questão de gosto/Minha vaca, meu amor"

Marcão disse...

Esse comentário do Nivaldo me lembrou uma música que eu tinha num LP do Amado Batista:


O Lixeiro E a Empregada

Eu era lixeiro, você empregada
A gente se olhava e se encontrava
Na mesma calçada

Eu era lixeiro, você empregada
A gente se olhava e se encontrava
Na mesma calçada

E todos os dias, você vinha sorrindo
E eu às pressas contente, pra você lhe pedindo
Um abraço e um beijo, você não pode negar...
Pois sua lata de lixo...
Sou eu quem vou carregar...

Eu era lixeiro, você empregada
A gente se olhava e se encontrava
Na mesma calçada

Eu era lixeiro, você empregada
A gente se olhava e se encontrava
Na mesma calçada

O tempo foi passando, e minha vida mudou
De um simples lixeiro, eu me tornei um cantor
Esta é a minha história, nenhum poeta contou
O lixeiro e a empregada...
Um novo caso de amor...

Daniel Brazil disse...

O post está ótimo, Marcão! Mas essa do amado Batista, fala sério...

anrafel disse...

Tobias, Zé Maria, Moisés, Ademir e Wladimir; Ruço e Luciano; Vaguinho, Geraldão, Basílio e Romeu.

Faltou Rui Rei na foto.

Marcão disse...

Muito bem lembrado, Anrafael. Rui
Rei foi uma figura crucial para o resultado, ao ser expulso infantilmente logo no início do jogo.

E, na cara larga (ou apenas cumprindo o combinado), transferiu-se para o time de Parque São Jorge poucos meses depois...

torquato neves disse...

valeu e toca raul

raybanoutlet001 disse...

ralph lauren polo
michael kors outlet
michael kors outlet
coach outlet online
ralph lauren outlet
ray ban sunglasses
replica watches
ugg outlet
christian louboutin sale
ferragamo outlet

aaa kitty20101122 disse...

ferragamo belt
yeezys
nike air huarache
nike air max 2018
adidas nmd
cartier bracelet
adidas nmd
retro jordans
chrome hearts
adidas stan smith