Destaques

quinta-feira, junho 18, 2009

Jogaço! Corinthians bate o Inter e fica mais perto de levar a Copa do Brasil

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Corinthians e Internacional fizeram um dos melhores jogos do ano no Pacaembu. Um jogaço mesmo, digno de final (para não fugir do chavão). Claro que ficou bem melhor da minha perspectiva pela vitória alvinegra por 2 a 0, que deu uma bela vantagem para o jogo de volta, no Beira Rio.

Foi um jogo bastante pegado no meio campo, como se poderia imaginar pelas escalações dos dois times. De um lado, Guiñazu, Magrão, Sandro e Andrezinho. Do outro, Christian, Elias e Jorge Henrique, contando com ajuda de Douglas, que correu muito, mas não foi o destaque. Mas a marcação não conseguiu evitar que os dois times tivessem boas chances de gol desde o início do jogo. Quem roubava a bola tentava imediatamente uma jogada de ataque – às vezes até com certa afobação.



O Corinthians começou melhor, o Inter equilibrou, mas quem abriu o placar foi o Timão. Jorge Henrique fez um bom giro na frente da área e viu Marcelo Oliveira chegando na esquerda. O lateral passou pelo zagueiro Danilo e teve tranquilidade para levantar a cabeça e dar um passe certeiro para o mesmo atacante botar pra dentro de primeira. Jogada bem tramada e belo gol.

O Inter pressionou bastante no fim da primeira etapa. Na segunda, o equilíbrio voltou, mas foi o Corinthians que ampliou. Douglas sofre uma falta no meio campo, pela direita. Elias cobrou rápido – e com o bola rolando, é fato – e acertou um belo passe para Ronaldo. Ele recebeu, entrou na área, olhou para o meio pra ver se vinha alguém chegando, cortou o zagueiro Indio com a direita e arrematou no canto de Lauro de canhota. Belo gol, ainda que irregular. José Roberto Wright argumentou que o juiz Heber Roberto Lopez não havia marcado a falta, porque o árbitro não sinaliza com os braços a infração. Mas dá pra ouvir o apito.

A partir de uns 20 minutos, o Inter aplicou um sufoco monstruoso no Timão que durou até a expulsão de Leandrão. Aí, foi a vez de Felipe salvar a pátria. Ele fez pelo menos três defesas brilhantes e mais algumas menos difíceis, mas cruciais. Foi o maior responsável pela vitória, ao lado de Jorge Henrique, que foi muito bem em sua função múltipla de armador, atacante e marcador. Ronaldo melhorou muito em relação aos últimos jogos – o que não chega a ser vantagem – e deixou o seu. De resto, as habituais boas atuações de Christian, Elias e Alessandro, o último mais preso na marcação pela descida constante de Taison e Marcelo Cordeiro por seu lado - e como joga o camisa 7 colorado.

Mas meu destaque especial vai para o garoto Marcelo Oliveira. Ficar dois anos parado, quase perder a perna, voltar ao time titular fora de posição e dar passe para gol não é para qualquer um. Em 2007, aos 20 anos, ele já mostrava personalidade, inteligência, noção de posicionamento e bom passe. Hoje, aos 22, depois de tudo que passou, espero grandes coisas do rapaz.

Outro fato muito positivo foram as entrevistas de Dentinho e Felipe na saída de campo. Os dois foram muito sóbrios ao lembrar a final contra o Sport no ano passado, quando a vitória em São Paulo fez o time jogar recuado e displicente em Pernambuco, levando ao final que todos conhecem. Que todos – e principalmente Mano Menezes – não se esqueçam e façam lá o que fizeram cá: jogar com vontade, concentração e buscando sempre o gol.

O Inter tem um belo time – ainda mais com o retorno de Nilmar e D’Alessandro – e vai vir com tudo em casa. Mas precisa ganhar por três gols de diferença para levar direto e o Corinthians de Mano Menezes nunca perdeu por essa diferença de gols. Se o Timão marcar um, o Colorado passa a precisar de quatro. E o pior é que eles têm condições de fazer. Vai ser outro jogaço e o resultado fica aberto até o fim dele, homenageando o Conselheiro Acácio.

15 comentários:

fredi disse...

Nicolaus postando às 2 da manhã?...

Nada como uma vitória...

Juro que estava secando, mas desta vez não deu muito certo, vamos ver daqui 14 dias...

MAs foi um jogaço mesmo, os dois times darão trabalho este ano.

Marcão disse...

Ja era, Inter...

Olavo Soares disse...

Tranquilamente, um dos melhores jogos dos últimos anos.

Aliás, vocês concordam comigo que 2009 está sendo um ano mais legal do que a média? Tá cheio de jogão, disputas emocionantes, nada comparado à modorra dos últimos anos.

Thalita disse...

foi chato o brasileirão de 2008, né, Olavo. O campeão tava decidido desde sempre, mesmo...

Glauco disse...

Nicolau postando às duas da manhã, Fredi que comenta do Nicolau com a maior média de posts do Atlético-MG da história do Futepoca... Depois falam dos sãopaulinos.

Não sei se estou ficando muito chato, mas não acho que 2009 seja um grande ano em termos de futebol não. 2003, por exemplo, tinha times bem mais técnicos e que jogavam bem mais bonito. Todo mundo fala que a seleção é defensiva mas ficam louvando os meios de campo chapados de volantes dos dois finalistas da Copa do Brasil. Faça-me o favor, né...

Nicolau disse...

Glauco, que eu saiba, o COrinthians tem dois volantes, Christian e Elias. O Douglas ajuda (mal) na marcação, o que não acho que seja um pecado. Segundo, eu sempre vou exigir mais da seleção, simplesmente porque ela pode contar com todos os melhores jogadores do Brasil. Difícil ou fácil?
Sobre a qualidade dos jogos, creio que a comparação do Olavo foi com tempos mais recentes. Também acho que tem jogos mais legais esse ano que nos dois ou três últimos. Mas sou claramente influenciado pela draga vivida por meu time no príodo citado. Mas de fato tinha times bem melhores antes. Pensem no Brasileiro de 2002, com o Santos campeão, aquele Corinthians interesasnte do Parreira, o São Paulo com Kaká e Luiz Fabiano. O que aconteceu nesses 6, 7 anos que fez com que tivessemos essa queda no nível médio dos jogadores?

Leandro disse...

Realmente, desde o começo da década de 90 não vejo jogos tão legais, times com elencos tão bons, e olha que ainda precisa melhorar bastante, pois os melhores ainda continuam no Velho Mundo. Algumas estrelas voltaram e têm voltado aos poucos, e depois do auge, a bem da verdade. Isso sem falar das que acabam voltando para a Europa, como é o caso do Zé Roberto.
Sinto que é mais ou menos como se aquela menina que cresceu comigo e que tinha tudo para ser o meu primeiro amor tenha se tornado uma mulher extraordinária em todos os aspectos, mas que, no auge de sua beleza, tenha se casado com o "playboy" da vizinhança, o filho do cara que sempre explorou a todos os outros do pedaço, e que, só depois, passados alguns anos, mais experiente, todavia, não no auge de sua beleza, de sua forma física, essa mulher pudesse ser minha. Que me desculpem a pobreza da comparação, mas não consigo fazer melhor. (risos)
Quanto ao jogo, o Douglas segue irritante, o Marcelo Oliveira começou muito inseguro, o que é natural para quem quase perde a perna e estava dois anos parado, mas depois do lance do gol ganhou segurança e me surpreendeu.
E sobre os desfalques do Inter, enquanto eles têm o ótimo Andrezinho o Corinthians tem o caricato Saci como opção de banco. Tanto que deu espaço a outro jogador ainda em recuperação.
Na boa, o que tanto se falou acerca dos desfalques colorados tinha muito mais o intuito de pavimentar uma estrada de desculpas em caso de derrota, a meu ver, pois o elenco gaúcho, considerando os 22, é superior, e esse leque de boas opções com as quais o Tite conta pode ser visto ontem de maneira bem nítida.

Glauco disse...

Marcelo Oliveira é ou não é volante? Exigir mais da seleção é uma coisa, louvar esquemas defensivos pelos resultados obtidos também, achar bonito e que isso é um puta de um futebol vistoso é outra ainda. Só exige um pouquinho de coerência.

Nicolau disse...

Improvisar um volante no lugar de um lateral ofensivo como o André Santos não é o mesmo de optar por um esquema cheio de volantes. Ou é?

Nicolau disse...

De qualquer forma, o negócio de verdade é o seguinte. Os dois times têm sim preocupação pra caramba com a defesa, mas ontem nenhum dos dois deixou de buscar o gol. Os dois pegaram muito no meio campo, mas os dois tiveram um jogo coletivo bem feito e com ele criaram jogadas de ataque. Jogadores dos dois lados fizeram jogadas interessantes, ultrapassagens, dribles, belas defesas, coisa e tal. E isso está bastante acima da média do que tem acontecido no futebol brasileiro nos últimos três anos, pelo menos. Ou não? Ninguém disse que o jogo foi histórico, que merece figurar entre os maiores da crônica do ludopédio mundial. Fica mais claro?

Mohammad Severino disse...

Estranho. 2003 eu acho que também foi muito chato. Dois passeios do Cruzeiro na Copa do Brasil e no Brasileiro, chatíssimo, definido bem antes da última rodada, além de uma final de Libertadores com 5 a 1 no placar somado. Só foi menos fácil para o Boca que a 2007 com o Grêmio, que também não deu nem graça.
Tirando o Cruzeiro e o Santos, além do Corinthians do primeiro semestre, que perdeu o Parreira e consequentemente a referência, e que foi bastante prejudicado na primeira partida contra o River Plate em Buenos Aires, não consigo me lembrar de nenhum grande time daquele ano.

Mohammad Severino disse...

Estranho. 2003 eu acho que também foi muito chato. Dois passeios do Cruzeiro na Copa do Brasil e no Brasileiro, chatíssimo, definido bem antes da última rodada, além de uma final de Libertadores com 5 a 1 no placar somado. Só foi menos fácil para o Boca que a 2007 com o Grêmio, que também não deu nem graça.
Tirando o Cruzeiro e o Santos, além do Corinthians do primeiro semestre, que perdeu o Parreira e consequentemente a referência, e que foi bastante prejudicado na primeira partida contra o River Plate em Buenos Aires, não consigo me lembrar de nenhum grande time daquele ano.

admin disse...

É, não dá para deixar o gordo sozinho que ele ainda sabe o caminho do gol.

Maurício disse...

Glauco,
"esquema com três volantes" quer dizer congestionar o meio-campo com três jogadores nesta posição. Se tem um jogador que costuma jogar de volante jogando na lateral, ele não exerce a função, ou seja, não é um volante no caso. Me parece óbvio.
Minha opinião é de que o jogo foi muito bom mesmo, e acho também bastante evidente o crescimento da qualidade dos times nesta temporada, pelo menos em relação às duas últimas.

Glauco disse...

Você não leu com atenção, Maurício, disse "meios de campo chapados de volantes", e não esquema com três volantes. Parece óbvia a diferença entre uma coisa e outra também, ainda mais se um volante faz a função de ala e não de lateral.