Destaques

domingo, setembro 13, 2009

Três pontos, o que basta

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Eu já deixei - há tempos - de ter a esperança de ver esse time do Santos encantando no Brasileirão. E acredito que a maior parte da massa peixeira me acompanha nessa constatação. Então, nada mais a dizer sobre o jogo de hoje senão o seguinte: valeu pelos três pontos.

Santos e Santo André fizeram um jogo chato de se assistir, essa é a verdade. O Ramalhão mostrou o porquê da aparentemente irreversível decadência que vive no Campeonato. E o Santos foi aquilo que já sabemos.



Foi o primeiro de seis (no mínimo) jogos que o Santos fez sem a presença de Paulo Henrique Ganso, que jogará o Mundial Sub-20. Em seu lugar, Luxemburgo escalou Neymar. O que não foi o suficiente para abrir o time - o técnico optou pelo esquema com três volantes (Rodrigo Souto, Émerson e Germano) e contava apenas com Madson para fazer a ligação entre o meio-campo e o ataque.

Acontece que o nanico estava em uma jornada para lá de infeliz (o que tem virado rotina, infelizmente. Alguém tem algum palpite para a explicação da má fase de Madson?). Com isso, a ligação acabou por ficar a cargo dos volantes. Émerson fez uma boa partida, e os outros dois, Souto e Germano, foram respectivamente o pior e o melhor em campo. Curioso.

Não apenas pelo gol, mas Germano realmente mereceu aplausos pela sua atuação na peleja. Combateu, deu passes rápidos, arriscou a gol e foi premiado com o único tento da partida.

Já Neymar... fiquei com uma sensação durante o jogo que, acredito, será acompanhada por muitos santistas. Neymar hoje lembrou bastante Robinho no começo de carreira. Alternou momentos de ótimo futebol com outros de firula plena. Em mais de uma oportunidade, poderia ter criado chances concretas de gol se não tivesse optado por uma gracinha absolutamente desnecessária. Foi nítida a irritação de Kléber Pereira, seu companheiro de ataque, em diversos momentos na partida. O Santos ganhou e esses gols acabaram por não fazer falta - mas espero que a orelha do menino seja devidamente puxada pelo professor Luxemburgo.

3 comentários:

Saulo disse...

O Santos tá na briga.

Anselmo disse...

o esquema preferido do luxemburgo tem três volantes.

Maurício disse...

Arriscar a gente arrisca, não é, afinal, o que se perde? Um meia atacante jovem como Madson jogando num esquema defensivo é uma coisa, outra jogando num esquema mais ofensivo, em que ele é mais acionado e tem mais opções. O Santos que terminou o Paulista jogava muito mais pra frente. Se Neymar voltasse a jogar sempre ao lado de Madson, junto com o Ganso também, talvez o conjunto melhorasse...