Destaques

quarta-feira, outubro 07, 2009

Prova do Enem foi roubada na gráfica da Folha

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Essa é a manchete que ninguém deu, engraçado né...


Todas as notícias sobre o cancelamento do Enem fazem um ziguezague danado, culpam uma empresa terceirizada, falam das falhas na segurança no processo, mas não abrem pelo principal: "onde a prova foi roubada".

Ao que parece, pela apuração até agora da Polícia Federal, funcionários de uma empresa terceirizada que tinham acesso à gráfica pegaram as provas e tentaram ganhar uma grana vendendo para jornais. Em princípio, nenhuma conspiração do PIG contra o governo ou algo parecido.

Mas se for analisado o lado empresarial, fica claro que a falha de segurança ocorreu na Gráfica Plural, que pertence ao grupo que edita a Folha de S.Paulo. Ninguém vai cobrar a competência que eles cobram do governo o tempo todo? Ninguém vai exigir que a gráfica arque com os prejuízos de sua falha?

Ok, os organizadores da prova falharam na segurança, o governo foi incompetente etc...

Mas a gráfica da Folha terá de pelo menos imprimir as provas novamente de maneira gratuita, pois foi contrtatada por mais de R$ 30 milhões e falhou na segurança.

Se fosse um contrato com qualquer entidade privada arcaria com multas etc. E isso tem de ser cobrado agora. Chega de passar a mão na cabeça da imprensa (ou nos grupos empresariais responsáveis pelos veículos) quando ela erra.

17 comentários:

Edu disse...

Essa história de que queriam dinheiro soa mais como desculpa, já que se quisessem efetivamente dinheiro iriam vender a prova para pais de alunos, como é costumeiro fazer em provas de vestibular, e com baixo risco de serem pegos.

Anônimo disse...

Mas eles não tinham o "conhecimento técnico" para fazerem isso sem ser pegos tb.
Eu creio que vender a prova no "varejo" parece bem mais arriscado do que no "atacado".

De qq forma, vcs não viram nos jornais o que tá sendo mais importante nesse episódio?
A crise taí. USP e UNICAMP não vão usar a nota do ENEM, culpa do governo!!

André Bastos disse...

Eu já tinha lido essa manchete sim... Mas não entendi qual o sentido publicação dela aqui no blog.

Certamente isso não é culpa dos jornalistas da Folha (nem do Estadão) ou nada que envolva uma tramóia dos meios de imprensa contra o Governo.

A propósito, o Governo que é responsável sim, pois devia ter feito a impressão internamente, talvez na (ociosa) Gráfica do Senado, ao invés de terceirizar um serviço que é tão estratégico.

fredi disse...

André, não vi essa manchete em lugar nenhum, onde você achou? Por favor me informe.

Em nenhum momento está feita qualquer acusação a jornalista da Folha ou do Estado neste texto.

Ao contrário, pelo que se sabe até agora a repórter e a direção de redação de O Estado tiveram uma atuação correta, avisando ao Ministério a tempo de a prova ser cancelada.

A cobrança é ao grupo dono da gráfica, por coincidência o mesmo que edita a Folha de S.Paulo.

Como cobram competência e ética de todos, devem também ser cobrados.

O único reparo aos jornais e jornalistas é que estão pondo a informação de onde a prova foi roubada no pé do texto. Êta corporativismo besta.

Sobre a gráfica do Senado, não sei se ela presta esse serviço. De qualquer forma ela é do Senado, não do Governo federal, muito menos do Ministério da Educação...

E sua mensagem tem o mesmo viés corporativo da grande imprensa, admite a cobrança apenas ao governo, que deixou sim isso acontecer. Mas e os outros responsáveis??? O consórcio que ganhou a licitação, a gráfica etc...

Se uma empresa tivesse contratado a gráfica da Folha e desse qualquer problema no material, a culpa seria da empresa que contratou?

André Bastos disse...

Claro que eu acho absolutamente lamentável o roubo de uma prova, que gerou tanto prejuízos.

Claro que eu defendo que a empresa seja punida e tenha que devolver cada centavo, que assuma todo o prejuízo (inclusive os decorrentes da não aplicação da prova).

Só que eu acho que o governo é igualmente responsável por isso. Se não é por ação, é por omissão. Devia estar previsto no edital a segurança específica da prova...

Incompetência total.. Se não é o jornal que denunciou, essa fraude ia passar batida (quem garante que não aconteceu nos anos anteriores?).

fredi disse...

Concordamos, desde que todos paguem...

Pensar se ocorreu nos outros anos ou não vai nos levar à teoria da conspiração etc...

Prefiro me ater aos fatos de agora, que se punam todos.

Saulo disse...

Que vergonha, heim.

Carlos Eduardo disse...

Tá lá no site da Plural (www.plural.com.br) o logo da Folha.
Sem contar que quem inaugurou o parque gráfico, se não me falhe a memória, foi o boca de caçapa do FHC. É um pé frio pra estudante nenhum do ENEM botar defeito - quando era presidente o Brasil caiu da 8ª para a 12ª economia, fechou 5 milhões de empregos com carteira assinada e tinha um dos piores salários mínimos do mundo.
Parece que a incompetência da era FHC ainda está presente nas empresas de comunicação que o carregaram no colo.
Fred, a notícia já tinha saído sim, imagine, no Jornal dos Concursos. Viva a imprensa alternativa.
O detalhe que me chama a atenção é o seguinte: até então, com outras gráficas contratadas a prova nunca tinha vazado. Foi só a Folha imprimir.....
Xô bando de pé frio. O Brasil não é pra vocês.

Carlinhos Medeiros disse...

Tem um link pra cá

thalita disse...

coorporativismo besta eh o c... essa omissao dos responsaveis eh absurda. Se isso aconecesse aqui na inglaterra, o proprio veiculo de comunicacao dono da grafica (e eu nem sei se um grupo de midia poderia fazer um servico desses por aqui) deixaria isso claro nas materias sobre o caso, pra assegurar aos leitores que a redacao eh imparcial.
Isso aconteceu aqui em um escandalo de midia. Um apresentador da bbc ligou pra um ator e disse que tinha dormido com a neta dele, o que era verdade, e a conversa foi veiculada em uma das radios da bbc. O programa e humoristico. Por mais de mes nao se falou em outra coisa, e q ppia bbc cobriu o caso de maneira critica. Mas realmente nao da pra esperar uma postura adulta da imprensa brasileira. Eh isso que a midia ai parece, um bando de adolescente que faz merda e nao tem culhao de assumir o erro.

Carlos Rizzo disse...

É ridículo, uma vergonha corporativa. Veja trecho da matéria produzida hoje pela Agência Estado. Em nenhum momento citam que a gráfica pertence à Folha. Além do que a matéria demonstra a incompetência absoluta da empresa para lidar com impressões sigilosas.

...A Gráfica Plural, contratada pelo consórcio Connasel e de onde vazou o exame que seria aplicado no último fim de semana, foi considerada pelo MEC como uma empresa de segurança baixa, pouco adequada para imprimir as provas. Agora, técnicos do próprio MEC estão encarregados de escolher a nova gráfica. Os Correios farão a distribuição.

Em nota, a Plural alegou que cumpria com as medidas de segurança acertadas com o consórcio. Gravações feitas na gráfica e entregues à Polícia Federal registram o momento em que a prova foi furtada por funcionários. Felipe Pradella, um dos suspeitos, criticou em depoimento o "frágil" esquema de segurança. Segundo ele, pessoas envolvidas na impressão de outros documentos misturavam-se à equipe do Connasel e era possível entrar e sair do galpão com mochilas. Pradella disse ainda que não havia uma separação clara de tarefas: ele e os colegas se alternavam na conferência, embalagem, empacotamento e lacração das provas. Ele foi um dos que quiseram vender os papéis ao Estado, que recusou e denunciou ao MEC.

Nicolau disse...

Interessante que foram perguntar para o Serra o que ele achava do fato - não sei bem o motivo. Mais interessante ainda é que ele chamou o fato de "apagão do Enem". Será mesmo que é interessante para um tucano lembrar do termo "apagão"?

Anônimo disse...

Nossa... nunca vi tanta bobagem escrita junta!! A folha, ou melhor, a gráfica plural, nada tem a ver com a segurança da coisa... quanta bobagem.

fredi disse...

Anônimo, até você tem vergonha de assinar o nome para falar tamanha besteira.

Uma gráfica contratada para um serviço com cláusula de confidencialidade deixa uma prova ser roubada na sua sede e não tem nenhuma responsabilidade.

Explique mais essa teoria exótica, por favor...

André Bastos disse...

continuo achando que houve um grave erro do governo, de terceirizar mas não fiscalizar.

André Bastos disse...

ÉPOCA – Faziam revista? Os funcionários eram revistados na entrada e na saída?
.
Pradella – Nunca teve.

Esquemas táticos disse...

Há corporativismo preventivo. Se o Estadão estiver envolvido em um outro escândalo, a Folha, provavelmente, vai dar em pé de página também. É realmente um absurdo a postura dos jornalões. Pra mim, a responsabilidade é toda da gráfica da Folha de S.Paulo. Não foi contratada para fazer a prova? É evidente que não deixar a prova vazar era uma das obrigações.

Mas o pior não é isso. O pior é que não causa surpresa essa postura dos jornalões.

Abraços,

Marcelo Costa.