Destaques

terça-feira, fevereiro 15, 2011

Brasileiros na Libertadores: o que Santos e Fluminense têm

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Calma, leitor, que são dois posts em um. Primeiro, as visitas: 


O que tem o Fluminense para a Libertadores

Por Victor, do Blá Blá Gol

Ele tem a força. (Wallace Teixeira / Photocamera)
Fluminense chega na Libertadores com status de favorito. Status conferido pelo seu recente título de Campeão Brasileiro, elenco caro e qualificado e jogadores que efetivamente podem vir a desequilibrar em favor do time como Fred e Emerson.

O Fluminense tem a sua disposição:

    * Ataque decente: Rafael Moura, Araujo e Ruimdriguinho podem jogar e tornar o time do Fluminense competitivo apesar de normal. O recente histórico de contusões das estrelas de ataque tricolores torna bastante plausível variações de ataque com esses jogadores
    * Meio campo forte e versátil: O trunfo de Muricy na Libertadores será a gama de opções para montar o meio-campo com qualidade, sempre em função de Conca. Muricy pode variar do muito defensivo ao muito ofensivo com jogadores já testados na equipe.
    * Laterais fortíssimos: Mariano passa por fase esplendorosa. Carlinhos não é tão regular quanto seu colega mas resolveu a lateral do time e a falta de apetite de Julio Cesar, jogador que ao menos foi recuperado por Muricy para compor o elenco.

O que o Fluminense pode vir a ter:

    * Ataque poderoso: Fred e Emerson são muito acima da média. Quem não os viu em campo, basta ver a média de gols dos dois em suas carreiras. Nenhum dos dois é melhor que Neymar, mas são dois. Todavia, são dois que em muitas oportunidades viram zero pelas contusões frequentes.
    * Goleiro: Diego Cavalieri chegou barrando a solução caseira Ricardo Berna, goleiro que cumpriu seu papel com brilhantismo ao fim do Brasileiro de 2010. Mas sabe-se lá quais as reais condições do titular. Como Muricy não é maluco para barrar o goleiro que ele promovera de graça, bem deve estar.

O que o Fluminense pode vir a não ter:

Ingresso caro resolve?
    * Torcida: O Fluminense valorizou a competição ao elevar os preços dos ingressos. Não é intenção deste tópico discutir o acerto ou não da atitude e nem seus porquês, porém, cabe levantar que os preços mais elevados nas fases iniciais podem afastar a torcida do estádio. Se vier ocorrer, tal problema seria atenuado em fases mais avançadas com aumento da demanda ou mesmo possível reajuste de preço calibrando a relação oferta/demanda (os jogos da primeira fase já tem valores pré-definidos)

O que o Fluminense não terá:

    * Uma grande defesa: A dupla de zaga campeã brasileira parece ter jogado em seu limite no Brasileirão ainda que tenha ido bem. O Fluminense não tem um zagueiro que coloque a bola no bolso e chame-a de sua. O volante Edinho pode vir a auxiliar a zaga como Diogo fez com propriedade em 2010, mas será para correr atrás e não para sair na frente como o Monstro em 2008 ou como Dalton em 2009. O reserva André Luis deixa a zaga consideravelmente mais fraca quando entra.
    * Um reserva para Mariano: Se as laterais do Flu são fortíssimas, pode ficar fraquíssima. Basta que Mariano não possa jogar, já que o lateral é o único jogador do time sem reserva para a posição.


O que é que o Santos tem?
Depois de dois anos fora da Libertadores, o Santos volta ao torneio continental com boas perspectivas. Mas, sabe como é, torneios com fase de mata-mata nem sempre privilegiam o melhor time ou aquele com futebol mais vistoso. Às vezes o que ajuda a definir um campeão é a tal da raça, o algo a mais, o acaso, um lance genial, um acidente, um erro de arbitragem ou o sobrenatural de Almeida. Mas ter um bom time é um bom começo. E isso o Santos tem, além de outros motivos que podem fazer o torcedor acreditar no Tri da Libertadores.

O que deixa o torcedor animado

Neymar – contar com o craque do Sul-Americano Sub-20, com 19 anos recém-completados nesse mês e evoluindo não é pouca coisa. O moleque amadureceu depois do sinistro episódio que resultou na demissão de Dorival Júnior e, no Santos, vai ter um ambiente e companheiros de equipe que devem deixá-lo ainda mais à vontade do que na seleção que conquistou a vaga nas Olimpíadas.
Mesmo quando está apagado, o mocinho cobiçado pode decidir num lance ou mesmo cavar uma expulsão dos adversários. No torneio pré-olímpico, já teve uma amostra de como (não) será camarada a arbitragem sul-americana, assim como já sabe que os adversários não serão nem um pouco benevolentes. Já tem conhecimento também que projeções similares a saltos ornamentias não vão resolver. Como tem personalidade e aprende rápido, deve voltar mais preparado pro embate continental. Sem dúvida, via se destacar.

Além da técnica, Elano é o "pé de coelho". ( Ricardo Saibun/SantosFC)
Elano – antes de se contundir (na verdade, ser “contundido”) na Copa da África do Sul, o meia era a melhor figura da seleção brasileira. Muitos, aliás, atribuem parte do fracasso canarinho a sua ausência. Curioso, porque antes do Mundial muitos torciam o nariz para Elano. Mas é indubitável sua inteligência tática e o fato de conhecer todos os fundamentos, podendo fazer um passe, um lançamento, um drible e gols de fora da área ou de cabeça. Deve ser decisivo, entretanto, em uma de suas especialidades que resultaram em inúmeros gols da seleção de Dunga, como o que definiu o título da Copa das Confederações: a bola parada.
Além de tudo, o jogador é considerado um “talismã” pela torcida peixeira, por ter feito o segundo e decisivo gol da vitória que tirou o time da fila, contra o Corinthians, em 2002, e o segundo da vitória alvinegra contra o Vasco, que garantiu o título brasileiro de 2004. Na final da Libertadores contra o Boca, em 2003, Elano não jogou e o Peixe foi vice. Coincidência?

O que deixa o torcedor ressabiado  

Ganso – muitos santistas vão me xingar por colocar o camisa 10 como um motivo incerto para animar o torcedor, mas é só ponderar. O jogador andou reclamando do tratamento oferecido pela diretoria do clube e o grupo DIS, camarilha do mundo da bola que tinha negócios quase familiares com o ex-presidente santista Marcelo ex-Eterno e que detém 45% dos direitos econômicos do atleta, andou oferecendo o mesmo a clubes rivais (curioso, aliás, que Ganso precise ser “oferecido” a alguém...).
Mas, fora isso, existe outro ponto: o atleta passou por uma cirurgia delicada e a Libertadores não é conhecida por apresentar marcadores clássicos como Falcão e Clodoaldo, mas tem na sua galeria de herois eméritos açougueiros como Dinho, Pintado e Galeano. Ou seja, ninguém vai ter dó de acertar o atleta que estará voltando depois de um período razoável longe dos gramados. Em suma, são várias questões: ele vai conseguir voltar a jogar plenamente no primeiro semestre? A readaptação será rápida? A recuperação física será completa? Torço que sim, mas certeza não é possível ter...  

A grande chance do técnico. Vai aproveitar?
Adílson Batista – o treinador chegou no clube e não se viu ninguém fazendo festa com a sua contratação. Dentro das opções disponíveis no tal mercado, achei a escolha até interessante e saudei como uma possibilidade de se retomar o futebol ofensivo de Dorival, obscurecido quando o clube escolheu um interino para dirigir a equipe em quase metade do Brasileiro de 2010. Até agora, Adílson está invicto, em que pese ter enfrentado somente uma equipe digna de nota, o São Paulo. Nesse meio tempo, testou várias fórmulas e esquemas táticos, tem vários desfalques mas ainda não passa segurança à torcida. A Libertadores começa como o seu real teste. Pelo lado positivo, Adílson já tem uma final do torneio no currículo, coisa que pretensos gênios como o “profexô” não tem até hoje, mesmo tendo dirigido legítimos esquadrões.


O que faz o torcedor rezar

Sistema defensivo – o Santos estonteante do primeiro semestre de 2010 não tinha uma das defesas mais confiáveis do futebol tupiniquim. Mas o ataque compensava e fazia com que o rival muitas vezes abdicasse de atacar para não sofrer placares elásticos. Quase um esquema kamikaze que se baseava, principalmente, em talento.
No entanto, havia carregadores de piano no meio que eram fundamentais para que tudo funcionasse: Arouca e o multifuncional Wesley. O primeiro está voltando de contusão e o segundo foi substituído por Rodrigo Possebon, volante que não tem a velocidade e as características que faziam de Wesley peça importante no esquema de Dorival. Pará na lateral direita é uma temeridade, mas o veterano Léo tem sido útil na canhota. Contudo, se não tiver cobertura não consegue encarar um atacante veloz. Idem para a dupla de zaga com Dracena e Durval, que parece muito dispersiva em algumas partidas, quase irresponsável, mas brilha em outras, como no clássico contra o São Paulo.
Adílson espera o retorno do lateral-direito Jonathan e pode colocar alguns dos laterais da Sub-20 no time titular até como meias. Mas, por enquanto, é bastante claro que ele não conseguiu construir uma defesa consistente. Em competições eliminatórias, isso pesa. Que ache a fórmula logo...

9 comentários:

Victor disse...

Se o Fluminense tem status de favorito, status que pode ser compartilhado entre vários times, o Santos é o favorito.
Pesa muito em favor de um time ter o melhor jogador do continente, e esse jogador ser um centroavante.
Soma-se ao ótimo Elano que não sei porque cargas d’água não é titular da Seleção.

O resto vem à galope.

Unknown disse...

Victor, acho que além dos dois, os outros brasileiros também têm grandes chances na Libertadores, os cinco têm elencos que se equivalem. É aí que um ou outro craque ou jogador acima da média pode fazer a diferença. Espero que seja o Neymar, rs.

Nicolau disse...

Impressionante a facilidade do Glauco para bater do Luxemburgo, não perde uma chance, hehe. Sobre futebol, as análises são muito boas.

Victor disse...

Para não ficar muita covardia, vou colocar as vantagens de Neymar sobre um Fred:

- mais jovem
- mais rápido
- mais habilidoso
- mais técnico
- mais centrado
- mais tranquilo
- não se machuca
- maior movimentação
- maior regularidade

Fred ganha no cabeceio.

Neymar é muito diferencial para o Santos.

****
O Elano veio para o Santos como o Zé Roberto depois da última Copa.

Eduardo Maretti disse...

Quer saber, Glauco? Depois de ver a estreia do Santos na Libertadores (posso até queimar a língua, e espero queimar) acho que com Adilson Batista a gente não vai muito longe não. Queria até saber sua opinião lá no meu blog sobre esse péssimo jogo.

abraços

Marcão disse...

O time do Santos é covardia com a concorrência.

Anselmo disse...

bem interessantes as análises. preciso assistir a mais partidas de cada um pra poder disconcordar.

Unknown disse...

Marcão e o seu já tradicional toque secador, rs.

Victor disse...

Neymar escondeu o jogo (pô... tenho de defender meu ponto de vista, né?)