Destaques

sábado, julho 30, 2011

Bebia-se no Rio de Janeiro de 1900

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

O título do post faz referência ao capítulo 17 de Antologia da Alimentação no Brasil, livro de Câmara Cascudo que trata dos hábitos, rituais, receitas, pratos e quetais que ajudaram a constituir a identidade brasileira. Como já comentou o Anselmo aqui, o trabalho do historiador e antropólogo, resgatava aspectos da cultura brasileira que nem sempre eram destacados por estudiosos das Ciências Humanas à época, e mesmo hoje. Aliás, Cascudo morreu há exatos 25 anos...

Voltando ao capítulo da obra, trata-se de uma excerto publicado originalmente em O Rio de Janeiro do meu tempo, de autoria do também historiador Luís Edmundo, um apaixonado pela terra de Estácio de Sá, nascido em 1878 e falecido em 1961. Ele descreve de forma saudosista o início do século XX na cidade, em especial da vida noturna daquele já longínquo 1900:

Só os ricos podiam criar, para viver, ambientes agradáveis em matéria de conforto, a grande massa da população vivia mal, sobretudo durante o estio, quando a casa de residência se transformava numa verdadeira estufa, sem os naturais recursos de defesa que em outras partes do mundo já então se empregavam para suavizar os rigores da estação.

Assim, segundo Edmundo, as mulheres e crianças ficavam em casa, enquanto os homens saíam para “espairecer” e diminuir os efeitos deletérios do calor carioca.

Somente, por essas noites de espairecimento e alívio, em qualquer desses lugares, diga-se de passagem, bebia-se muito, bebia-se demais, bebia-se como talvez não haja ideia de se haver bebido no Brasil. Bebia-se pelas compoteiras!

Segundo ele, à época dava-se preferência às bebidas trazidas pelos portugueses, os vinhos vindos do Porto e da Madeira, e a aguardente de cana. Embora o calor exigisse bebidas mais frescas e menos pesadas, “o que se procurava beber, quase sempre, era o corrosivo de 14 graus, ou mais, que malbaratava o fígado, causticava o estômago, pondo em perigo de miséria todo o sistema vascular, os rins e o coração”. Conforme Edmundo, “mais que a febre amarela, endêmica, matava o abuso do álcool. A displicência dos poderes públicos, em questões de saúde, corria, então, parelha com a ignorância do povo”.

Mas por que a população não tinha desenvolvido ainda o hábito de tomar uma cervejinha? Um dos motivos era o boicote e a campanha difamatória dirigida por negociantes de vinho, que também atuavam contra produtores nacionais de vinho no Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. Essa explicação, na verdade, não consta do trecho do livro de Cascudo, mas do original de Edmundo.

Se não era cerveja a bebida mais consumida, o vinho, principalmente o português, era quem dominava o cenário etílico do Rio. Também se fazia campanha contra a bebida de outros países como França, Espanha, Alemanha, Itália e Áustria, tanto que se criou a expressão “de dar azia em caixa de bicarbonato” para esses vinhos, exaltando-se a qualidade supostamente superior do exemplar lusitano.

As estatísticas oficiais de 1900 dão uma mostra do quanto se bebia no país (e no Rio) naquela época. Com 22 milhões de habitantes, importávamos de Portugal 43,4 milhões litros de vinho só de Portugal. Isso é mais do que o Brasil importou, levando-se em conta vinhos e espumantes, em 2005.

Bebida gelada

Havia outra dificuldade para a popularização da cerveja como bebida nacional no Brasil do século XIX e início do XX. O gelo industrializado só chegou ao Rio em 1835 (e a primeira geladeira doméstica veio apenas em 1913), como lembra Câmara Cascudo no capítulo Esfriando Bebidas e havia um preconceito contra as bebidas geladas. Ainda vigorava entre as pessoas a noção difundida pelo médico judeu Isaac Cardoso, que em Madri publicou, em 1637, contra-indicando a ingestão de líquidos frios. Aliás, tal noção de que isso “faz mal” ainda é bastante popular nos dias que correm...

Para “esfriar” (não se falava em “gelar”) as bebidas, as técnicas eram várias, de acordo com o lugar. A garrafa de vinho era metida numa meia grossa ou pano úmido e borrifava-se de novo quando secava, ficando ao relento da noite e depois coberta com areia molhada ou serragem. Outra estratégia era deitar em grandes bacias de alumínio ou enterrá-la na beira de córregos e rios (com certeza em áreas montanhosas isso funciona). Já em locais onde ocorrem geadas e chuvas de granizo, a solução era armazenar e usar sal de cozinha para conservar por mais tempo a garrafa em baixas temperaturas.

Quando for tomar uma gelada, agradeça – e muito – pela geladeira existir...

9 comentários:

Luciana Nepomuceno disse...

Grata pela geladeira existir o/

Denise Gomide disse...

E muito obrigada por mais esse ótimo trecho da nossa história da e com manguaça...

Maurício Ayer disse...

Excelente, Defaria.

Anselmo disse...

agradeço à geladeira pela cerveja gelada.

só tô esperando alguém escrever: "agradeço à adega climatizada"...

agora, azia em caixa de bicarbonato é genial.

Anônimo disse...

O Rio de Janeiro já nasceu doente. O maior porto receptor de escravos da HISTÓRIA DA HUMANIDADE... Ia dar em quê?

Maurício Ayer disse...

Que qué isso, anônimo?! Rio de Janeiro segue sendo uma dos lugares mais lindos e um dos polos culturais mais criativos do planeta. Entre outras coisas, porque bebe, e bem: é o lugar onde mais se bebe no Brasil.

Anônimo disse...

Concordo com o Anônimo. Aquele paraíso natural virou uma grande lixeira, os caras bebem e fazem sic... "musica" e todos tem que reverenciar porqe a dona do boteco mandou kkkkkkk a rede bobo na terra dos troxa.....

Maurício Ayer disse...

Anônimo, a questão do Rio de Janeiro é: você já foi? se não foi, olha... não morra sem ir. Deve ser mesmo a cidade mais linda do mundo. Quando vou sempre dou um pulo na Urca, onde é perfeito pra tomar uma cerveja com a brisa do mar e a vista maravilhosa da baía.

E não é só lá que os bêbados mijam na rua; quando fui a Estocolmo acontecia a mesma coisa, e nem era carnaval.

Nicolau disse...

Belo post! Graças à geladeira. E que anônimos maletas, rapaz.