Destaques

sábado, março 23, 2013

Alguns jogos memoráveis entre Santos e Palmeiras, o "clássico da saudade"

Compartilhe no Twitter
Compartilhe no Facebook

Santos e Palmeiras disputam amanhã o chamado “clássico da saudade”, referência ao confronto que era um dos maiores do país na Era de Ouro do futebol nacional, a década de 60. E, pelos desfalques de cada um e pelo que os times vêm jogando, deve sobrar saudades mesmo. O Santos não vai poder contar com Neymar e Montillo, em suas respectivas seleções, além de Emerson Palmieri, Patito Rodríguez, Marcos Assunção e Felipe Anderson. Do outro lado, o técnico Gilson Kleina do Verdão não vai contar com Henrique, Vilson, Leandro Amaro, Souza, Valdivia, Maikon Leite e Kleber.

Mas o clássico tem história, e é nela que se pode confiar para que um bom jogo aconteça amanhã. A primeira partida entre os dois data de 3 de outubro de 1915 e foi realizada no Velódromo de São Paulo. Goleada alvinegra sobre o então Palestra Itália por 7 a 0, com três gols de Ary Patusca, dois de Anacleto Ferramenta, um de Aranha e outro de Arnaldo Silveira, autor do primeiro gol oficial da história do Santos. O Verdão devolveria a humilhante goleada em 1932, com um 8 a 0 em uma peleja na qual o Peixe terminou com nove jogadores, com dois gols de Romeu Pelliciari, dois de Imparato III, além de anotações de Lara, Sandro, Avelino e Golliardo.

Desde aqueles idos tempos, foram diversos jogos entre os dois, alguns eliminatórios e muitos que decidiram títulos mas que não eram finais propriamente ditas, com exceção das partidas extras que definiram o chamado supercampeonato paulista de 1959, com vitória do Palmeiras (ver abaixo).
Abaixo, algumas das partidas memoráveis desses dois gigantes do futebol:

  • Santos 7 X 6 Palmeiras (Rio-São Paulo de 1958)

Talvez a partida mais emocionante entre os dois clubes e uma das maiores da história. Dizem que cinco infartos ocorreram por conta daquela peleja, com três reviravoltas no placar. No Pacaembu, 43.068 viram Urias marcar o primeiro tento do jogo aos 18 minutos. A reação peixeira não tardou e o menino Pelé, 17 anos, empatou para Pagão virar, aos 25. Nardo empatou somente um minuto depois e o que se viu a partir daí foi um atropelo santista até o final do primeiro tempo.

O time palmeirense era inferior tecnicamente a uma equipe que tinha uma linha ofensiva espetacular: Dorval, Jair Rosa Pinto, Pagão, Pelé e Pepe, responsáveis pela histórica marca de gols no campeonato paulista de 1958. Foram 143 tentos em 30 partidas, 58 só do adolescente Pelé. Após o empate, Dorval, Pepe e Pagão fizeram 5 a 2 ainda nos primeiros 45 minutos.

Nesta matéria do Esporte Espetacular, Zito conta que desceu para o vestiário dizendo que eles tinham que marcar o maior escore da história, e Pepe conta que o bicho, pago à época com o dinheiro da renda da partida, já estava sendo separado para os atletas santistas. Mazzola recorda que o goleiro Edgar chegou chorando ao vestiário, se recusando a voltar para a etapa final. Oswaldo Brandão colocou Vitor e o Palmeiras voltou outro depois do intervalo.

E em 18 minutos, um motivado Verdão virou a partida pra cima do Peixe com Paulinho, de pênalti, aos 16; Mazzola, aos 20 e aos 28, e Urias, aos 34. Um 6 a 5 que parecia sacramentar uma reação impossível, mas o impossível não queria descansar naquela peleja. Pepe voltou a empatar aos 38, de cabeça, e, aos 43, consolidou a última virada da partida.

  • Palmeiras 2 X 1 Santos (Campeonato Paulista de 1959)

O campeão Américo delira com o peixe (Palestrinos)
Como as duas equipes haviam empatado na liderança ao fim do campeonato, foi necessário decidir o título em uma melhor de quatro pontos. A série foi iniciada em janeiro de 1960 e, depois de dois empates no Pacaembu nos quais o time da Vila não contou com Jair e Pagão, no terceiro confronto no mesmo estádio o Verdão faturou a taça. O jogo teria o recorde de renda da história do Paulista até ali, com mais de três milhões de cruzeiros arrecadados.

O 2 a 1 alviverde teve gols de Pelé, Julinho e Romeiro e o Verdão saía de uma fila de quase nove anos sem conquistar títulos, algo que incomodava a torcida à época. O destaque do jogo foi o meia Chinesinho, que havia chegado ao Palestra em 1958, vindo do Internacional, em uma das transações mais caras do futebol de então. Mais tarde, foi vendido ao Modena, da Itália.

  • Santos 2 X 2 Palmeiras (Copa do Brasil 1998)

O Santos não conquistava títulos importantes desde 1984, mas vinha batendo na trave após recuperar a sua autoestima no Brasileiro de 1995. Aquele ano confirmaria o retorno santista às disputas de título, com o time do técnico Emerson Leão terminando em terceiro lugar em três competições: Brasileiro, Rio-São Paulo e Paulista, além de ter vencido a Copa Conmebol.

A conquista que geraria outra
Já o Palmeiras de Felipão era um time moldado à sua feição, com a dupla Paulo Nunes e Oséas à frente e Alex e Zinho no meio, guardados por Galeano e Rogério “Pedalada”. Após um empate em 1 a 1 no Parque Antárctica, o Verdão passou à final contra o Cruzeiro com um 2 a 2 na Vila Belmiro, se classificando pelo critério de gols marcados fora de casa. Marcaram para o Santos, que saiu da competição invicto, Viola e Argel; para o Palmeiras, Oséas e o ex-santista Darci. O título daquele torneio assegurou aos palmeirenses a vaga na Libertadores do ano seguinte, quando se sagraram campeões pela primeira vez.




  • Palmeiras 2 X 3 Santos (Campeonato Paulista de 2000)

Gol não tão bonito, mas precioso
Sem chegar a uma final de Paulista havia 16 anos, o Santos disputava a segunda partida da semifinal no Pacaembu contra o forte Palmeiras. Na primeira peleja, no Morumbi, o Verdão chegou mais perto da vitória, mas um então jovem Fábio Costa evitou que a partida saísse do zero a zero.

A segunda partida também foi no estádio da Zona Sul e o Alviverde, que tinha a vantagem do empate, conseguiu se impor ao marcar com Argel, aos 32 do primeiro tempo, e Euller, aos 8 da etapa final. Aquela partida disputada pela manhã, contudo, se tornaria histórica para os santistas.

Com uma bela finalização, Eduardo Marques diminuiu para o Peixe aos 23 e Anderson Luiz empatou aos 32. O Palmeiras recuou buscando manter o empate que lhe bastava e o Santos partiu para cima, sem muita tática ou técnica. E, após um cruzamento de Robert, Claudiomiro dividiu com Marcos e cabeceou para o gol, com a bola ficando limpa para Dodô, caído, marcar o gol da virada. O Peixe do técnico Giba chegava à final, a qual perderia para o São Paulo.

  • Santos 2 X 1 Palmeiras (Campeonato Paulista de 2009)
Fez a diferença o baixinho (Nilton Fukuda/AE)
O Palmeiras era favorito nas semifinais do Paulista, havia feito a melhor campanha na primeira fase, e o Santos era uma equipe em formação. Vágner Mancini já aproveitava Paulo Henrique Ganso como titular e tinha promovido naquela competição a estreia de Neymar como profissional.

A equipe de Vanderlei Luxemburgo havia perdido a primeira na Vila por 2 a 1 e saiu perdendo também no Parque Antarctica logo aos 17, com Madson, um dos destaques daquela noite, marcando para os santistas. No segundo tempo, Mauricio Ramos fez pênalti em Neymar, sendo expulso, algo não muito incomum para o atleta. Kléber Pereira converteu e a vantagem peixeira se ampliou.

O Verdão ainda respiraria com um gol de Pierre, uma falha monumental de Fábio Costa. A peleja teria ainda a inusitada confusão entre Diego Souza e Domingos, resultando na expulsão dos dois. O Santos foi à final, mas perdeu a decisão para o Corinthians.


  • Santos 3 X 4 Palmeiras (Campeonato Paulista de 2010)

O coreógrafo Pablo Armero
Esse jogo já foi tema de post aqui e aqui. O Santos vinha embalado com o belo futebol jogado pelo time de Dorival Junior. Antes desdenhados pelo antigo técnico Vanderlei Luxemburgo, Neymar e Ganso começavam a se destacar, ladeados por Robinho e tendo como coadjuvantes André, Marquinhos e Wesley.
Pará fez o primeiro aos 10 e Neymar fez aos 30. Dava pinta de que poderia ser uma goleada alvinegra e o Peixe desperdiçava chances até que o aguerrido Palmeiras empatou ainda na etapa inicial com dois gols de Robert, feitos em dois minutos, aos 41 e 42.

No retorno, o Alviverde conseguiu a virada com um gol de Diego Souza. Madson empatou aos 35 mas, em seguida, o time da casa ficou com um jogador a menos, Neymar foi expulso depois de falta dura em Léo.

A (re) virada fantástica palmeirense veio mais uma vez com Robert, que aproveitou falha no meio de campo de Arouca e definiu a vitória. Mas o destaque da peleja foi o lateral Pablo Armero dançando o que ficaria conhecido mais tarde como “Armeration”, uma resposta aos santistas que comemoravam seus gols com dancinhas à época.


Na última partida entre os dois, pelo Brasileiro de 2012, o Santos levou a melhor: 3 a 1, em noite de homenagem a Joelmir Beting. 

Se você é santista e quiser ver só vitórias do Peixe, clique aqui.

4 comentários:

Nicolau disse...

Belo post, Faria! Bem melhor que a partida do domingo, que não manteve o nível do clássico. Bom, o que mantém nível nessa primeira fase do Paulistão?

Maurício Ayer disse...

Belo post mesmo, interessante rever os momentos dos jogos, relembrar das épocas.

Marcos Futepoca disse...

Dizem que a decisão do Paulista de 1959 foi das melhores de todos os tempos - e prenunciava o domínio absoluto de Palmeiras e Santos no futebol estadual, na década seguinte.

olavo disse...

Eu estava no jogo de 2000. Meu melhor momento em estádio na vida.